Uma ma­ris­quei­ra com ma­ris­co do rio e… lín­gua na pom­bi­nha

Publico - Fugas - - SANTARÉM -

Não são só os ani­mais da ter­ra que fas­ci­nam Ro­dri­go Cas­te­lo. Os do mar tam­bém — e, já ago­ra, os do rio. É por aí que vai a sua pró­xi­ma aven­tu­ra: a ma­ris­quei­ra O Ma­ris­ca­dor, que abri­rá na Pra­ça de Tou­ros do Cam­po Pe­que­no, em Lis­boa, em De­zem­bro.

De­pois de uma bre­ve ex­pe­ri­ên­cia com um ami­go com qu­em abriu a Pes­quei­ro 25 em São Mar­ti­nho do Por­to (e que en­tre­tan­to abriu em Lis­boa tam­bém), Ro­dri­go de­ci­diu acei­tar a pro­pos­ta de ou­tro ami­go e avan­çar pa­ra a ca­pi­tal — o que era im­por­tan­te tam­bém pa­ra ga­ran­tir a vi­a­bi­li­da­de do seu ne­gó­cio, que não po­de as­sen­tar ape­nas na Ta­ber­na Ó Bal­cão, em San­ta­rém, ex­pli­ca.

Co­me­ça a des­cre­ver o que vai ser O Ma­ris­ca­dor fa­lan­do de “tu­do me­nos do ma­ris­co”. “Qu­em che­ga tem que ter em ci­ma da me­sa um bom pão e uma boa man­tei­ga. Va­mos ter uma man­tei­ga mui­to boa e pa­ra o pão fa­lei com [o pa­dei­ro] Má­rio Ro­lan­do que dis­se lo­go que fa­zia um pa­ra mim, que tem que ser bom mas le­ve. Va­mos pro­cu­rar ter sem­pre pre­sun­to por­tu­guês, mas va­mos brin­car com ou­tras coi­sas, co­mo a lín­gua de tou­ro bra­vo cu­ra­da e fa­ti­a­da que eu fa­ço. E ain­da não fa­lá­mos de ma­ris­co!”

Con­ti­nua a enu­me­rar aqui­lo que, acre­di­ta, um cli­en­te de uma ma­ris­quei­ra va­lo­ri­za: “Uma boa im­pe­ri­al, um bom es­pu­man­te, um bom pre­go no fi­nal e um bom bi­fe com um mo­lho es­pe­ci­al, da ca­sa.” Sen­do ri­ba­te­ja­no quer, na­tu­ral­men­te, “le­var um bo­ca­di­nho” da re­gião e é aí que vai sur­gir o pre­go de atum na pom­bi­nha, o pão do­ce do Ri­ba­te­jo on­de tam­bém ser­vi­rá a lín­gua na pom­bi­nha, em du­as tex­tu­ras com tru­fa e quei­jo, que faz su­ces­so do Bal­cão, em San­ta­rém. “E ain­da não fa­lá­mos de ma­ris­co!”

Mas va­mos mes­mo ter que fa­lar de ma­ris­co. E aí, pa­ra além de tu­do o que uma ma­ris­quei­ra tem, das la­gos­tas às sa­pa­tei­ras, pas­san­do pe­lo ca­ma­rão “ao alhi­nho”, Ro­dri­go quer dis­tin­guir-se pe­lo tra­ba­lho com ma­ris­cos me­nos co­nhe­ci­dos, de rio. “Fi­ze­mos es­tu­dos so­bre o la­gos­tim, por­que há vá­ri­os ti­pos, o la­gos­tim do ar­roz não é bom, é mais su­jo, nós te­mos o bran­co de Abran­tes,

Na par­te de ci­ma do res­tau­ran­te ha­ve­rá 30 lu­ga­res num es­pa­ço pa­ra de­gus­ta­ções de ma­ris­co, que se­rá com­bi­na­do com ou­tros pro­du­tos

que tem as ovas da ca­be­ça ama­re­la­das ou bran­cas. O meu pes­ca­dor que apa­nha a ca­ma­ri­nha [ca­ma­rão mui­to pe­que­no] na zo­na de Al­co­che­te traz-me tam­bém ca­ran­gue­jo e se ca­lhar va­mos ter cal­do de ca­ran­gue­jo do rio, va­mos ter o ca­ma­rão do rio cap­tu­ra­do na zo­na de Vi­la Fran­ca, quan­do hou­ver ber­bi­gão, va­mos ter ber­bi­gão do rio. Os ma­ris­cos de rio são pou­co va­lo­ri­za­dos e que­re­mos mu­dar is­so. O nos­so tre­mo­ço vai ser a ca­ma­ri­nha.”

E uma ma­ris­quei­ra não é, de al­gu­ma ma­nei­ra, frus­tran­te pa­ra um co­zi­nhei­ro que gos­ta de cri­ar pra­tos di­fe­ren­tes? Es­se pro­ble­ma não vai exis­tir n’O Ma­ris­ca­dor, as­se­gu­ra Ro­dri­go: “Na par­te de ci­ma do res­tau­ran­te va­mos ter 30 lu­ga­res on­de fa­re­mos de­gus­ta­ções de ma­ris­co, que ire­mos com­bi­nar com ou­tros pro­du­tos. Há, por exem­plo, um pra­to que fiz com o Lju­bo­mir [Sta­ni­sic, do 100 Ma­nei­ras] que é um fí­ga­do de tam­bo­ril co­zi­nha­do em cal­do de ca­be­ças de ca­ra­bi­nei­ro com is­cas de tou­ro bra­vo e que vai es­tar no nos­so me­nu de de­gus­ta­ção.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.