Pa­ra to­mar to­dos os di­as, pe­la ma­nhã: to­ast and mar­ma­la­de, até di­zer che­ga

Publico - Fugas - - O GATO DAS BOTAS - Miguel Es­te­ves Car­do­so

Che­gou o frio e o frio é o tem­po de con­si­de­rar os bons há­bi­tos ali­men­ta­res dos po­vos que co­nhe­cem o frio me­lhor do que nós.

Um dos pra­ze­res ma­tu­ti­nos das Ilhas Bri­tâ­ni­cas são as tor­ra­das com mar­ma­la­de, o do­ce de la­ran­ja amar­ga que po­de ser mais ou me­nos cla­ro, mais ou me­nos do­ce e com a cas­ca mais ou me­nos gros­sa. Eu cá pre­fi­ro as mais es­cu­ras, amar­gas e cas­ca gros­sa. Há qu­em di­ga que é uma ques­tão de sno­bi­ce mas não me pa­re­ce. Não é só a wor­king class que pre­fe­re a mar­ma­la­de cla­ri­nha, ado­ci­ca­da e de cas­ca fi­ni­nha. De res­to po­de-se pro­gre­dir, co­me­çan­do pe­las mais po­pu­la­res e avan­çan­do pa­ra as mais ta­xa­ti­vas.

Há uma gran­de va­ri­e­da­de de ex­ce­len­tes mar­ma­la­des pa­ra ex­pe­ri­men­tar. A mar­ma­la­de ca­sei­ra é a me­lhor de to­das e não é di­fí­cil de fa­zer. Os pre­gui­ço­sos po­dem com­prar la­ran­jas de Se­vi­lha en­la­ta­das, ba­ra­tas e pres­tá­veis, já que só le­va meia ho­ra a che­gar à mar­ma­la­de. Os afoi­tos te­rão la­ran­jas amar­gas de Se­tú­bal no con­ge­la­dor. Os pa­ci­en­tes es­pe­ra­rão até Fe­ve­rei­ro quan­do apa­re­ce­rão as pri­mei­ras la­ran­jas amar­gas do ano. Em Por­tu­gal há la­ran­jas amar­gas por to­da a par­te: mui­tas de­las apa­nham-se de gra­ça nas vi­as pú­bli­cas, não sei se com in­tei­ra le­ga­li­da­de.

A mar­ma­la­de ca­sei­ra é a me­lhor: uma ami­ga nos­sa, a Ag­nes, faz a me­lhor que já pro­vei e ou­tra ami­ga, a Ra­fa­e­la, faz um ra­ro e de­li­ci­o­sís­si­mo do­ce de li­mões tan­ge­ri­nos.

Di­to is­to, há mui­tas mar­ma­la­des co­mer­ci­ais que são ir­re­cu­sá­veis. São mui­to, mui­to bo­as. Há uma que cus­ta à vol­ta de 4 eu­ros que é uma obra-pri­ma: a Ox­ford Mar­ma­la­de de Frank Co­o­per. Já não se fa­bri­ca em Ox­ford e já mu­dou de mãos mas con­ti­nua a ser, des­de que eu me lem­bro, a mes­ma ma­ra­vi­lha de dis­so­nân­cia ads­trin­gen­te e áci­da, con­tra­a­ta­ca­da pe­la pro­fun­da, qua­se ca­ra­me­li­za­da do­çu­ra da com­po­ta.

As du­as ver­sões prin­ci­pais são a Clas­sic (cas­ca gros­sa) e a Vin­ta­ge (cas­ca mui­to gros­sa). Am­bas são mag­ní­fi­cas.

O me­lhor sí­tio pa­ra des­co­brir mar­ma­la­des é a Fort­num and Ma­son. Pa­ra além do con­cur­so anu­al de mar­ma­la­des — on­de apa­re­cem pro­dí­gi­os fei­tos com to­ran­ja, vod­ka, la­ran­ja de san­gue e tu­do o mais que o en­ge­nho hu­ma­no al­can­ça — a F&M dis­põe de uma vas­ta es­co­lha de oran­ge mar­ma­la­des em que é di­fí­cil es­co­lher as pre­fe­ri­das por­que to­das têm uma per­so­na­li­da­de pró­pria e in­dis­pen­sá­vel. Eis al­guns clás­si­cos: Sir Ni­gel’s Mar­ma­la­de (aque­la que ser­vem nos res­tau­ran­tes da lo­ja), Old En­glish Hunt, The Mo­nar­ch Mar­ma­la­de e Bur­ling­ton Bre­ak­fast. São fras­cos gran­des de 340 gra­mas e ca­da um cus­ta ape­nas 4,95 li­bras.

Com­pen­sa man­dar vir uma gran­de quan­ti­da­de de­les por­que nun­ca co­bram mais do que 15 li­bras de por­tes — mes­mo que o cai­xo­te pe­se 80 qui­los. As pe­chin­chas dos gu­lo­sos, co­mo com­prar mar­ma­la­de pa­ra um ano in­tei­ro, são sem­pre as mais sa­bo­ro­sas.

Não há mar­ma­la­de sem tor­ra­das. Aqui te­mos de abrir pa­rên­te­ses pa­ra fa­lar da es­tra­nha ma­nei­ra in­gle­sa de co­mer tor­ra­das. Eles têm uns ar­qui­va­do­res de tor­ra­das

— a que cha­mam to­ast racks

— on­de co­lo­cam as tor­ra­das quen­tes (ge­ral­men­te fi­ni­nhas e tri­an­gu­la­res). O pai da an­tro­pó­lo­ga Ka­te Fox, au­to­ra do li­vro de­fi­ni­ti­vo so­bre as tri­bos in­gle­sas, cha­ma-lhes to­ast co­o­lers. E, de fac­to, ar­re­fe­cem as tor­ra­das. Is­to por­que os in­gle­ses são ma­lu­cos por tor­ra­das se­cas, pre­fe­rin­do-as às quen­tes mas ne­ces­sa­ri­a­men­te mais hú­mi­das.

A tor­ra­da se­ca le­va man­tei­ga sem es­ta fi­car en­tra­nha­da e, por ci­ma des­ta ca­ma­da, vai a ca­ma­do­na de mar­ma­la­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.