Ma­ri­a­na Cor­reia Pin­to

Publico - Fugas - - PROTAGONISTA -

Ao ter­mi­nar um dos seus pri­mei­ros tra­ba­lhos lon­ge do mun­do de ci­men­to e cor­re­ria on­de nas­ceu, João Pe­dro Mar­no­to con­se­guiu a aten­ção de al­gu­ma im­pren­sa e te­ve a opor­tu­ni­da­de de pu­bli­car no Jor­nal de No­tí­ci­as. Em du­as pá­gi­nas da re­vis­ta No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne, mos­trou em 2007 um pe­que­no tex­to e al­gu­mas das fo­to­gra­fi­as do li­vro As Fra­gas, a Gen­te e a Me­mó­ria, mer­gu­lho nas iden­ti­da­des do con­ce­lho de Ali­jó. Di­as de­pois, ao re­gres­sar à vi­la trans­mon­ta­na re­tra­ta­da no seu port­fó­lio, um ami­go quis dar-lhe os pa­ra­béns. “As fo­tos são mui­to fi­xes”, ava­li­ou, pa­ra lo­go de se­gui­da acres­cen­tar: “Mas quem es­cre­veu aque­le tex­to não per­ce­be na­da de Trás-os-Mon­tes.”

Si­nais de in­qui­e­ta­ção so­a­ram. Afi­nal, o au­tor da­que­las bre­ves li­nhas era o pró­prio João Pe­dro Mar­no­to. “Es­cre­vi que aque­la era das zo­nas mais po­bres da Eu­ro­pa. E es­ta­tis­ti­ca­men­te is­so é um fac­to. Mas es­ta­va a es­que­cer o con­tex­to”, con­ta, ago­ra ci­en­te do lap­so ali co­me­ti­do.

A re­cor­da­ção do fo­tó­gra­fo e re­a­li­za­dor por­tu­en­se vem a pro­pó­si­to de uma cer­ta vi­são “pa­ter­na­lis­ta” que tem di­ag­nos­ti­ca­do nas re­pro­du­ções fei­tas do mun­do ru­ral (“Te­nho até com­pai­xão, por­que tam­bém co­me­ti es­se er­ro”, diz sor­ri­den­te) e do “enor­me pri­vi­lé­gio” que sen­te por po­der rom­per es­se olhar pe­la ca­pa, in­ca­paz de am­pli­ar ce­ná­ri­os e nar­ra­ti­vas, de ver pa­ra lá de ró­tu­los e sen­ten­ças. Em No­ve Me­ses de In­ver­no e Três de In­fer­no

— li­vro e do­cu­men­tá­rio ago­ra edi­ta­dos — ma­te­ri­a­li­zou-se a sua vi­a­gem de dez anos pe­la ge­o­gra­fia trans­mon­ta­na, por­ven­tu­ra “um dos úl­ti­mos re­gis­tos” de uma “ru­ra­li­da­de em mu­dan­ça” que na Eu­ro­pa já só é pal­pá­vel na ou­tra pon­ta do con­ti­nen­te, na Ro­mé­nia.

Nas fo­to­gra­fi­as e do­cu­men­tá­rio de Mar­no­to es­tá to­do um pla­ne­ta em per­ma­nen­te ro­ta­ção: o “uni­ver­sal” que é, afi­nal, “o lo­cal sem pa­re­des”, co­mo um dia es­cre­veu Mi­guel Tor­ga. Ou uma “me­tá­fo­ra da ru­ra­li­da­de”, nas pa­la­vras do por­tu­en­se de 42 anos. Mas já vol­ta­mos ao Dou­ro.

Mar­no­to não sa­be di­zer em que li­nha da sua his­tó­ria sur­giu pe­la pri­mei­ra vez a fo­to­gra­fia. Ti­nha um tio que ro­da­va mun­do a tra­ba­lhar de câ­ma­ra na mão e, mes­mo sem uma re­la­ção mui­to pró­xi­ma com ele, acre­di­ta que pos­sa vir daí o iní­cio do fas­cí­nio pe­la “ideia de vi­a­gem, de au­sên­cia e aven­tu­ra”. Co­me­çou a pe­gar na má­qui­na ce­do e lem­bra-se de, pe­los 14 anos, ter a no­ção de que “po­dia fa­zer al­go mais sé­rio do que uns cli­ques aqui e ali”. Uma no­va re­la­ção nas­cia pa­ra nun­ca mais se dis­sol­ver.

A fo­to­gra­fia — e mais tar­de o ví­deo — tor­na­ram-se ar­ma de um me­ni­no tí­mi­do, cha­ve de en­tra­da em ce­ná­ri­os que, sem câ­ma­ra na mão, lhe pa­re­ci­am ina­ces­sí­veis. “É a mi­nha for­ma de me re­la­ci­o­nar com o mun­do. É tan­to a mi­nha ra­ma co­mo a mi­nha de­fe­sa. Há sem­pre um la­do no nos­so ca­rác­ter que jus­ti­fi­ca o que fa­ze­mos.”

Os pais mo­ve­ram-se de mei­os pe­que­nos pa­ra a ci­da­de gran­de ain­da jo­vens: a mãe era na­tu­ral de For­nos, al­deia de San­ta Ma­ria da Fei­ra, o pai de zo­na de mar, em Ílha­vo (o so­bre­no­me Mar­no­to sig­ni­fi­ca “pes­soa que tra­ba­lha nas sa­li­nas”). João Pe­dro foi a pri­mei­ra ge­ra­ção já nas­ci­da em meio ur­ba­no — mas não por is­so es­que­ci­da das raí­zes.

Es­tu­dou fo­to­gra­fia, pas­sou qua­tro anos em In­gla­ter­ra, vol­tou a Por­tu­gal, tra­ba­lhou co­mo fre­e­lan­cer, fez “tra­ba­lhos de so­bre­vi­vên­cia”, co­mo ca­sa­men­tos e bap­ti­za­dos. E, por vi­as do co­ra­ção, tor­nou fre­quen­tes as lon­gas vi­a­gens en­tre o Por­to e

Ali­jó, on­de — sem pla­nos tra­ça­dos, co­mo gos­ta de vi­ver — se dei­xou en­tra­nhar no ter­ri­tó­rio. Aos pou­cos, a teia foi ga­nhan­do fi­os, di­men­são, con­sis­tên­cia. “Che­gou uma al­tu­ra em que era mais o tem­po que es­ta­va lá do que aque­le que es­ta­va cá”, re­cor­da, ao con­tar o mo­men­to de vi­ra­gem: “Fez sen­ti­do mu­dar-me de ma­las e ba­ga­gens.”

Nas ima­gens de Mar­no­to ha­bi­ta o quo­ti­di­a­no pu­e­ril e sor­ri­den­te da ru­ra­li­da­de. Mas tam­bém do­res e aper­tos, ru­gas e so­li­dão, cos­tu­mes e pai­sa­gens. E san­gue — li­te­ral­men­te. É um olhar “au­to­ral” (e não do­cu­men­tal), com as­su­mi­do pon­to de vis­ta e vi­vên­cia de quem per­deu o des­lum­bre de tu­ris­ta e se ar­ro­gou mo­ra­dor. Sem pa­ter­na­lis­mos

(ou­tra vez) e flo­re­a­dos. Em No­ve Me­ses de In­ver­no e Três de In­fer­no

— ex­pres­são tí­pi­ca de Trá­sos-Mon­tes —, Mar­no­to omi­tiu pro­po­si­ta­da­men­te no­mes dos lu­ga­res e dos en­tre­vis­ta­das (ou das pes­so­as com quem con­ver­sou, co­mo pre­fe­re di­zer). Mais do que o re­tra­to de uma re­gião, que­ria um re­gis­to “abs­trac­to” que pu­des­se ser “re­pre­sen­ta­ti­vo de uma cer­ta ru­ra­li­da­de” que, sen­do mais tí­pi­ca do Nor­te, po­de­ria acon­te­cer em mui­tos ou­tros ter­ri­tó­ri­os. Fo­ra do país in­clu­si­ve. Por­que es­se con­fli­to en­tre ci­da­de e cam­po — ou pro­gres­so e tra­di­ção — é uni­ver­sal.

Mar­no­to vi­veu uma no­va li­ber­da­de no rit­mo de­sa­ce­le­ra­do do cam­po. Não ti­nha as dis­co­te­cas do Por­to, mas na me­sa de jan­tar nun­ca es­ta­vam me­nos de 15 pes­so­as. A te­le­vi­são era a la­rei­ra. O con­ví­vio mais re­al. As ne­ces­si­da­des e es­tí­mu­los dis­tin­tos. Os va­lo­res tam­bém. Um tes­te­mu­nho com os di­as con­ta­dos, acre­di­ta. Mar­no­to abre o li­vro e apon­ta pa­ra uma das su­as fo­to­gra­fi­as. Uma la­rei­ra im­pro­vi­sa­da no chão, le­nha, um ho­mem de ca­be­lo bran­co. Ima­gem ti­pi­ca­men­te ru­ral que o fo­tó­gra­fo quis in­cluir no seu li­vro, mas que te­ve de pro­cu­rar, por­que “já não se en­con­tram aos pon­ta­pés”. “Mui­tos ve­lhi­nhos têm as su­as ca­sas a cair, mas ao la­do cons­truí­ram ou­tra já com aque­ci­men­to cen­tral”, con­ta o tam­bém au­tor do do­cu­men­tá­rio Fé nos Bur­ros. “Se­ria hi­pó­cri­ta ir lá ti­rar um sel­fie com o se­nhor, pa­ra mos­trar aos meus ami­gos no Por­to, e pe­dir pa­ra ele fi­car as­sim por­que me dá jei­to.” Se­rá o fu­tu­ro das al­dei­as uma apro­xi­ma­ção da vi­da nas ci­da­des? “Não vai dei­xar de ha­ver ve­lhi­nhos, mas os pró­xi­mos já vão de mo­to 4 fa­zer o tra­ba­lho com as ove­lhas. E os bur­ros já não se­rão pa­ra trans­por­te, mas sim tu­ris­mo.”

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, João Pe­dro Mar­no­to tem fei­to vi­da de nó­ma­da por vá­ri­as al­dei­as por­tu­gue­sas, com pro­jec­tor e te­la às cos­tas e a pre­ci­o­sa aju­da do par­cei­ro Ma­nu­el Go­mes. Im­pro­vi­sam uma sa­la de ci­ne­ma, qua­se sem­pre ao ar li­vre, e lá mos­tram o do­cu­men­tá­rio de qua­se uma ho­ra (ao qual se tem aces­so na com­pra do li­vro, da Ân­co­ra Edi­to­ra, dis­po­ní­vel em li­vra­ri­as, nes­tas ses­sões e no si­te do pro­jec­to). Uma es­pé­cie de pro­lon­ga­men­to da vi­a­gem de Mar­no­to, que quer tam­bém fa­zer pa­ra­gens em ci­da­des e se pos­sí­vel além-fron­tei­ras. Ou não fos­se o Por­tu­gal em ex­tin­ção por ele re­tra­ta­do um pe­da­ço de um mun­do em mu­dan­ça.

FO­TOS: NELSON GARRIDO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.