A co­zi­nha de raiz al­gar­via bri­lha nes­te es­pa­ço mo­der­no em Fa­ro

Publico - Fugas - - FAZ GOSTOS - Jo­sé Au­gus­to Mo­rei­ra

No co­ra­ção da Ci­da­de Ve­lha, aco­mo­da o tu­ris­mo sem se dei­xar con­ta­mi­nar e res­pei­ta o gos­to e es­ti­lo por­tu­guês

A ele­gân­cia e o sen­ti­do de gos­to são as mar­cas de iden­ti­da­de do

Faz Gos­tos, res­tau­ran­te que se ins­ta­lou na ci­da­de ve­lha da ca­pi­tal al­gar­via há qua­se uma dé­ca­da. A aven­tu­ra, ao que pa­re­ce, te­rá co­me­ça­do uns anos an­tes em Olhão, com um pos­te­ri­or sal­to até Cas­tro Ma­rim an­tes da mu­dan­ça de­fi­ni­ti­va pa­ra Fa­ro.

Na ori­gem, ao que nos con­ta­ram, um pro­jec­to de al­ma e vo­ca­ção epi­cu­ris­ta que com o tem­po e a mu­dan­ça de ge­rên­cia aca­bou por cres­cer e evo­luir pa­ra um con­cei­to mais aten­to ao sen­ti­do do ne­gó­cio, mas sem dei­xar de man­ter a vo­ca­ção do gos­to e gas­tro­no­mia.

Ocu­pan­do ini­ci­al­men­te uma ala — e a ca­ve, on­de es­tá a ade­ga — de an­ti­gos ar­ma­zéns, o es­pa­ço foi cri­te­ri­o­sa­men­te adap­ta­do à fun­ção, num con­cei­to ele­gan­te e cui­da­do. Atrai tam­bém a lo­ca­li­za­ção, na Ci­da­de Ve­lha, jun­to ao Mu­seu Mu­ni­ci­pal e à Sé Ca­te­dral, que pa­re­cem ga­nhar vi­da e ani­ma­ção com ba­res e res­tau­ran­tes de con­cei­tos e cul­tu­ras di­ver­sos. Há um am­bi­en­te cui­da­do, des­con­traí­do, que ab­sor­ve o tu­ris­mo apa­ren­te­men­te sem se dei­xar con­ta­mi­nar. Ori­gi­na­ri­a­men­te com en­tra­da pe­la Rua do Cas­te­lo, o Faz Gos­tos alar­gou-se de­pois ao Lar­go do Cas­te­lo, ga­nhan­do es­pa­ço de bar e uma pra­ze­ro­sa es­pla­na­da.

Na com­ple­men­tar di­ver­si­da­de de es­pa­ços ac­tu­ais é pos­sí­vel sen­tar 170 pes­so­as, de for­ma sos­se­ga­da, dis­cre­ta e sem con­ta­mi­na­ções. Tu­do es­tá de­co­ra­do de for­ma mo­der­na e ele­gan­te, mo­bi­liá­rio cui­da­do e me­sas com­pos­tas com a mes­ma ele­gân­cia e dis­tin­ção.

A lis­ta con­ju­ga pro­pos­tas de ins­pi­ra­ção e téc­ni­cas mo­der­nas com ou­tras do mais pu­ro re­cei­tuá­rio al­gar­vio, por en­tre ace­nos a uma co­zi­nha mais in­ter­na­ci­o­nal. A gar­ra­fei­ra tem ofer­ta alar­ga­da, com op­ções cri­te­ri­o­sas e abran­gen­tes e pre­ços um tan­to a olhar pa­ra o tu­ris­ta abas­ta­do.

Com a es­co­lha dos pra­tos pro­ce­deu-se tam­bém à se­lec­ção dos vi­nhos que, no en­tan­to, co­me­ça­ram lo­go a ser ser­vi­dos. E pa­re­ceu não ser me­ro des­cui­do, mas an­tes pro­pó­si­to do ser­vi­ço. Só de­pois o pão, bran­co e com se­men­tes, tam­bém dois pa­tés (atum e sal­mão) e azei­te aro­ma­ti­za­do com oré­gãos, tu­do (8€) de boa qua­li­da­de, con­fec­ção e apre­sen­ta­ção.

Das pro­pos­tas pa­ra en­tra­das, o “car­pac­cio de vi­ei­ras fres­cas com sal­mão fu­ma­do” (12€) foi ser­vi­do no ro­li­nho ele­gan­te, num con­jun­to fres­co e sa­bo­ro­so com ra­ba­ne­te, to­ma­ti­nho cher­ry, al­fa­ce e um agra­dá­vel per­fu­me de pi­men­ta ro­sa.

Em gran­de es­ti­lo o “xa­rém com amêi­jo­as” (8€), em quan­ti­da­de ge­ne­ro­sa mas a sa­ber a pou­co fa­ce à qua­li­da­de cu­li­ná­ria e in­ten­si­da­de de sa­bor. Xa­rém ave­lu­da­do e qua­se ge­la­ti­no­so, com a gor­du­ra de tor­res­mos a den­si­fi­car o sa­bor em con­tras­te com a le­ve­za dos bi­val­ves. Mui­to bom mes­mo!

No mais, as pro­pos­tas en­tra­dei­ras in­cluíam “amêi­jo­as da nos­sa ria For­mo­sa à Bu­lhão Pa­to”, “fo­lha­do de quei­jo de ca­bra, no­zes e mel”, “sa­la­da de es­par­gos gre­lha­dos com sal­mão fu­ma­do” e “to­ma­ta­da com ovos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.