Os 50 do­ces de Daniela

Publico - Fugas - - GASTRONOMIA -

A avó da do­na Fá­ti­ma fa­zia “aque­la mar­me­la­da ver­me­lhi­nha”. “Lim­pa­va com aguar­den­te e pu­nha pa­pel por ci­ma. E guar­da­va nu­ma des­pen­sa es­cu­ra. Ao fi­nal de um ano ain­da es­ta­va im­pe­cá­vel.” Ho­je em dia, Fá­ti­ma é o bra­ço di­rei­to da fi­lha Daniela, faz­qua­se-tu­do do pro­jec­to Li­com­da, 50 va­ri­e­da­des de com­po­ta e mui­tas me­da­lhas ao pes­co­ço.

Fá­ti­ma au­to-in­ti­tu­la-se “a ra­pa-ta­chos”. “Sa­be tão bem... Quan­do es­tou a aju­dar a fa­zer com­po­tas nun­ca te­nho fo­me. Ou ra­po a ca­ço­la ou co­mo fru­ta”, sor­ri, en­ver­go­nha­da num can­to da co­zi­nha do apar­ta­men­to on­de tu­do acon­te­ce, a di­vi­são que meia dú­zia de ve­zes por ano se trans­for­ma nu­ma uni­da­de de pro­du­ção de­vi­da­men­te certificada. “Te­mos que ti­rar es­tas coi­sas to­das: a má­qui­na do ca­fé, os bi­be­lots, as loi­ci­nhas, a tor­ra­dei­ra e o puzz­le que es­ta­mos a fa­zer”, ex­pli­ca Daniela Amo­rim, 27 anos, que aos 19, e por não gos­tar dos do­ces que pro­va­va, ar­re­ga­çou as man­gas. “Co­me­çou nu­ma brin­ca­dei­ra de mo­ran­gos, açú­car e cho­co­la­te. Pou­co de­pois es­ta­va a pro­du­zir e a le­ga­li­zar tu­do e a brin­car com ál­co­ol”, apon­ta. Pro­duz 30 li­co­res com ba­se de fru­ta (“a nos­sa des­pen­sa, a úni­ca di­vi­são sem luz, é um en­tre­pos­to fis­cal”) e sen­si­vel­men­te cin­quen­ta com­po­tas que distribui en­tre cin­co ca­te­go­ri­as: com­po­tas tra­di­ci­o­nais, com­po­tas de fru­ta e cho­co­la­te (mo­ran­go, la­ran­ja, man­ga, kiwi, men­ta, aba­ca­xi, pa­paia ma­la­gue­ta, phy­sa­lis e ba­na­na), com­po­tas es­pe­ci­ais (alho, ce­bo­la, co­gu­me­lo, pi­men­to ver­me­lho, pi­men­to ver­me­lho com ma­la­gue­ta, aba­ca­xi e ma­la­gue­ta, ma­çã e ma­la­gue­ta, abó­bo­ra e ca­ril...), com­po­tas sem adi­ção de açú­car (de­pois de abrir tem que ir pa­ra o fri­go­rí­fi­co e du­ra um mês de­pois de aber­to) e com­po­tas com be­bi­das (pê­ra e mos­ca­tel de Se­tú­bal, la­ran­ja e whisky, amei­xa e vi­nho do Por­to e fram­bo­e­sa com gin).

Na co­zi­nha mu­tan­te fi­cam os bal­cões com tam­pos de már­mo­re e são co­lo­ca­dos mais dois fo­gões, on­de é fei­ta a es­te­ri­li­za­ção e o vá­cuo dos 800 fras­cos em pa­ne­las bas­tan­te gran­des. “Es­ta­mos nu­ma ca­sa”, re­cor­da Daniela, for­ma­ção em En­ge­nha­ria do Am­bi­en­te. “Quan­do va­mos pro­du­zir ti­ra-se tu­do, hi­gi­e­ni­za-se tu­do. Du­ran­te a pro­du­ção não há en­tra­da e saí­da de pes­so­as, não usa­mos a co­zi­nha pa­ra ou­tra coi­sa a não ser pro­du­zir. Nes­sa al­tu­ra não fa­ze­mos re­fei­ções em ca­sa”, ex­pli­ca. Ca­da fa­se de pro­qui­mo­no. du­ção du­ra du­as se­ma­nas. Acon­te­ce por al­tu­ras do ma­gus­to, ali por Ja­nei­ro, per­to da Pás­coa e du­ran­te o Ve­rão (al­tu­ra de du­as gran­des feiras com ban­ca Li­com­da: Fei­ra Na­ci­o­nal da Agri­cul­tu­ra e a Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal de Ar­te­sa­na­to.

Os vi­zi­nhos são os pri­mei­ros a per­ce­ber quan­do a li­nha de mon­ta­gem es­tá ac­ti­va. “O chei­ro a com­po­ta pe­las es­ca­das abai­xo...”, ano­ta Fá­ti­ma, olhos se­mi­cer­ra­dos co­mo se es­ti­ves­se a so­nhar. Daniela es­tá de A con­ver­sa arrasta-se. A com­po­ta de ma­çã e ca­ne­la já bor­bu­lha no ta­cho.

O pro­jec­to co­me­mo­ra ago­ra se­te anos — os úl­ti­mos dois com lo­ja aber­ta no cen­tro de Vi­la Praia de Ân­co­ra. Vi­ve do sa­bor tra­di­ci­o­nal, das adap­ta­ções e com­bi­na­ções (“é sim­ples­men­te uma coi­sa que li­ga com ou­tra”), da sim­pli­ci­da­de e da cri­a­ti­vi­da­de, dos no­vos sa­bo­res, das su­ges­tões dos cli­en­tes, do se­gre­do (“es­tá no ti­po de cho­co­la­te”), da cer­te­za de que as com­po­tas “não le­vam na­da de es­qui­si­to”, co­mo apre­go­am os cli­en­tes da mar­ca. “É o que eu po­nho no pão”, diz a do­na Fá­ti­ma, en­tre o mun­do das com­po­tas e o uni­ver­so da pes­ca (o ma­ri­do é ar­ma­dor). “Eu dei­xa­va ar­re­fe­cer bem a mar­me­la­da e con­ge­la­va em tup­perwa­res pa­ra to­do o ano. Ago­ra há mui­ta fru­ta to­do o ano, mas dan­tes não”, re­cor­da.

A fi­lha Daniela pro­mo­ve show­co­o­kings so­bre as mil e uma for­mas de co­mer uma com­po­ta — des­de as bo­la­chas com com­po­ta, a re­cei­ta pre­fe­ri­da dos seus es­cu­tei­ros, até à com­bi­na­ção mais gour­met — e vai exi­bin­do as me­da­lhas nos três de­graus do pó­dio das com­po­tas no Con­cur­so Na­ci­o­nal de Do­ces de Fru­ta Tra­di­ci­o­nais Por­tu­gue­ses: ou­ro pa­ra o do­ce de mo­ran­go com cho­co­la­te (2014), ou­ro no do­ce extra de phy­sa­lis e pra­ta no do­ce de abó­bo­ra, noz e mel (2015) e bron­ze no do­ce extra de pi­men­to ver­me­lho (2016), en­tre vá­ri­as dis­tin­ções pa­ra os li­co­res.

Os fras­qui­nhos já es­tão chei­os. So­bra meio pa­ra a pro­va — e um ta­cho pa­ra ra­par. A do­na Fá­ti­ma es­tá aten­ta. “O tem­po pas­sa num ins­tan­te. E só foi um qui­lo de com­po­ta.” L.O.C.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.