O vi­nho do Por­to à me­sa do Ca­sa­rio

Publico - Fugas - - GRAN CRUZ HOUSE -

Há mais de 20 anos que Mi­guel Cas­tro e Sil­va or­ga­ni­za jan­ta­res ví­ni­cos. Es­tá-lhe no san­gue. E é des­ta que o chef vol­ta a as­su­mir um res­tau­ran­te do Por­to, a sua ci­da­de na­tal. Cha­ma-se Ca­sa­rio, ocu­pa um dos an­da­res da Gran Cruz Hou­se e be­ne­fi­cia de vá­ri­os pon­tos for­tes da Ri­bei­ra do Por­to — a co­me­çar pe­la vis­ta privilegiada do “mu­ro” on­de se en­con­tra, uma es­pé­cie de “en­cla­ve” jun­to à Pra­ça do Cu­bo, um dos ra­ros pon­tos des­ta zo­na tu­rís­ti­ca que não é de pas­sa­gem, per­mi­tin­do des­ta for­ma a de­gus­ta­ção tran­qui­la de uma re­fei­ção pre­pa­ra­da a qua­tro mãos.

Mi­guel Cas­tro e Sil­va par­ti­lha a co­zi­nha do Ca­sa­rio com o chef José Gu­e­des, uma par­ce­ria que re­sul­ta do tra­ba­lho con­jun­to dos dois ao lon­go dos úl­ti­mos seis anos no res­tau­ran­te DeCas­tro, no Es­pa­ço Por­to Cruz, em Gaia. “Am­bos acre­di­ta­mos em sa­bo­res por­tu­gue­ses”, lan­ça o por­tu­en­se José Gu­e­des, à me­sa com a Fu­gas. Unem-se as­sim du­as for­mas de in­ter­pre­tar a gas­tro­no­mia por­tu­gue­sa e dois per­cur­sos dis­tin­tos, mas que par­ti­lham o res­pei­to co­mum pe­la sa­zo­na­li­da­de, ri­que­za e au­ten­ti­ci­da­de dos pro­du­tos na­ci­o­nais.

“Trou­xe­mos al­gu­mas coi­sas pa­ra o la­do de cá”, diz, apon­tan­do al­guns in­gre­di­en­tes for­tes que “tra­zem o vi­nho do Por­to pa­ra a me­sa”. O res­tau­ran­te Ca­sa­rio, diz, ser­ve uma “co­zi­nha di­nâ­mi­ca”, de “fi­ne di­ning con­for­tá­vel”, que pre­ten­de pro­por­ci­o­nar ver­da­dei­ras vi­a­gens gas­tro­nó­mi­cas e vínicas. O en­fo­que prin­ci­pal vai pa­ra os vá­ri­os me­nus de de­gus­ta­ção dis­po­ní­veis (de qua­tro ou cin­co mo­men­tos ao al­mo­ço; e de cin­co ou se­te mo­men­tos ao jan­tar), har­mo­ni­za­dos com uma se­lec­ção ex­clu­si­va do uni­ver­so de vi­nhos Dal­va, Por­to Cruz e Quin­ta de Ven­to­ze­lo — na gar­ra­fei­ra do Ca­sa­rio es­tão dis­po­ní­veis cer­ca de 60 re­fe­rên­ci­as, des­de vi­nhos do Dou­ro a vi­nhos do Por­to, pas­san­do tam­bém por mos­ca­tel, es­pu­man­te e gin.

“Te­mos a sor­te de rou­bar um bo­ca­di­nho pa­ra os pra­tos”, brin­ca o chef. “Eles não se im­por­tam.” Além da sala in­te­ri­or, as re­fei­ções po­dem tam­bém ser ser­vi­das na es­pla­na­da ex­te­ri­or, com vis­ta pa­ra o rio Dou­ro. Aqui são tam­bém ser­vi­dos os pe­que­nos-al­mo­ços dos hós­pe­des da Gran Cruz Hou­se. “Acre­di­ta­mos que num es­pa­ço no­bre tu­rís­ti­co da ci­da­de há es­pa­ço pa­ra ter­mos um fi­ne di­ning não mui­to for­mal. Qu­e­re­mos que as pes­so­as se sin­tam bem, que fa­lem e que apre­ci­em os vi­nhos com sa­bo­res por­tu­gue­ses sem fun­da­men­ta­lis­mos.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.