Um dia no pa­raí­so es­con­di­do

Publico - Fugas - - FUGAS DOS LEITORES -

A ca­sa é pe­que­na e acolhedora. Per­ten­ce a um pri­mo, Pe­dro, que con­vi­dou a família to­da a passar uns dias na sua ter­ra na­tal, Ida­nha-a-Nova. No to­tal, so­mos no­ve pes­so­as, en­tre os no­ve e os 36 anos. Os meus pais não vi­e­ram e, em­bo­ra te­nha adul­tos a to­mar con­ta de mim, a sen­sa­ção de li­ber­da­de é mui­to mai­or.

O Pe­dro é o nos­so guia. De­li­ne­ou um iti­ne­rá­rio para ca­da dia, de mo­do a que pos­sa­mos des­fru­tar des­tas pe­que­nas fé­ri­as da me­lhor ma­nei­ra possível.

O de ho­je co­me­ça com uma vi­si­ta à his­tó­ri­ca al­deia de Mon­san­to, a cer­ca de 30km da vi­la de Ida­nha. A di­ta al­deia mais por­tu­gue­sa de Por­tu­gal tem uma vi­da que eu nun­ca ima­gi­na­ria. En­quan­to su­bi­mos as ru­e­las es­trei­tas e in­cli­na­das, há res­tau­ran­tes tí­pi­cos dos quais ema­na um chei­ro ma­ra­vi­lho­so, lo­jas de ar­te­sa­na­to tí­pi­co, até uma pe­que­na gru­ta es­ca­va­da na ro­cha.

Che­ga­mos ao to­po do mon­te, on­de se si­tua o cas­te­lo. A vis­ta des­lum­bran­te com que nos de­pa­ra­mos dei­xa-nos bo­qui­a­ber­tos. Per­ce­be­mos que es­te é um da­que­les mo­men­tos que ficarão na nos­sa me­mó­ria para sempre. Es­ta­mos em Ju­lho e, en­quan­to des­ce­mos, o ca­lor já se faz sen­tir. Com­pra­mos ge­la­dos a um se­nhor mui­to sim­pá­ti­co que os ven­de no meio da rua.

A próxima pa­ra­gem são as pis­ci­nas na­tu­rais de Pe­nha Garcia. Che­ga­mos lá após uma cur­ta mas ani­ma­da vi­a­gem de car­ro, e as inú­me­ras ve­zes que o Pe­dro nos des­cre­veu co­mo o sí­tio era bo­ni­to não nos pre­pa­ra­ram para a pai­sa­gem que nos esperava. A água fria e cris­ta­li­na, com uns dois me­tros de pro­fun­di­da­de no sí­tio mais fun­do, uma pe­que­na cas­ca­ta, as som­bras de ár­vo­res per­fei­tas para pou­sar­mos as to­a­lhas e o si­lên­cio con­tras­tan­te com o rui­do­so mun­do ex­te­ri­or tor­nam es­ta pai­sa­gem nu­ma das mais pa­ra­di­sía­cas em que já es­ti­ve. As cri­an­ças de­li­ram, os três adul­tos ten­tam em vão dis­far­çar os sor­ri­sos de êx­ta­se. Não trou­xe­mos al­mo­ço de ca­sa, e já pas­sa da ho­ra de al­mo­çar, mas nin­guém pen­sa se­quer em aban­do­nar es­te sí­tio sem dar um pe­que­no mer­gu­lho para abrir o ape­ti­te. Con­cor­da­mos fi­car só um pou­co, para nos ins­ta­lar­mos e ir­mos de­pois pro­cu­rar um res­tau­ran­te nas re­don­de­zas.

À me­di­da que as ho­ras vão pas­san­do, a fo­me vai aper­tan­do, mas vai sen­do te­nu­e­men­te sa­ci­a­da pe­las bo­la­chas e pe­ças de fru­ta que trou­xe­mos para ser­vi­rem de lanche. Ain­da não al­mo­çá­mos, mas nin­guém tem von­ta­de de aban­do­nar es­te lo­cal, por is­so va­mo-nos dei­xan­do es­tar a brin­car na pis­ci­na. Pen­so que to­dos par­ti­lha­mos o re­ceio de que, se for­mos em­bo­ra, quan­do vol­tar­mos es­te lu­gar já não es­te­ja cá, co­mo se fos­se agora fru­to da nos­sa ima­gi­na­ção, um de­lí­rio ape­nas, tal­vez re­sul­tan­te da in­ges­tão de ge­la­dos em es­ta­do de con­ser­va­ção du­vi­do­so.

Para além de lú­di­co, o lu­gar tem tam­bém uma com­po­nen­te his­tó­ri­co-cul­tu­ral. Mes­mo ao lado da pis­ci­na há uns tri­lhos que en­ve­re­dam pela ser­ra, pe­los quais qua­tro de nós de­ci­di­mos aven­tu­rar-nos. Cha­mam a es­tes tri­lhos a ro­ta dos fós­seis, por cau­sa da enor­me quan­ti­da­de de res­tos de ani­mais pré-his­tó­ri­cos que po­de­mos iden­ti­fi­car nas ro­chas que la­dei­am o ca­mi­nho.

Aca­ba­mos por não al­mo­çar, mas, gra­ças às bo­la­chas, nin­guém está mui­to pre­o­cu­pa­do. Sa­be­mos que va­mos comer quan­do che­gar­mos a ca­sa.

Por volta das seis da tar­de, le­van­ta­mos acam­pa­men­to e va­mos em­bo­ra, com a bar­ri­ga va­zia e o co­ra­ção cheio.

Te­re­sa Mar­ques

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.