Se­bas­tião Almeida

Publico - Fugas - - CAOS COCKTAIL BAR -

Ao fun­do da Rua de São Pau­lo, no Cais do So­dré, Fran­cis­co Breyner, de 24 anos, deu azo à cri­a­ção e abriu um bar de cock­tails “com uma pe­que­na pi­ta­da de lou­cu­ra”. CAOS, de seu no­me, re­sul­ta de um tro­ca­di­lho com Cais do So­dré. Mas, mais do que is­so, o jo­vem for­ma­do em Ges­tão de Mar­ke­ting acre­di­ta que fa­zia fal­ta à zo­na ri­bei­ri­nha da cidade um es­pa­ço “que apre­sen­tas­se be­bi­das de qua­li­da­de e que não ven­des­se, sim­ples­men­te, cer­ve­ja a 50 cên­ti­mos ou mis­tu­ras de li­mas, hor­te­lãs e açú­ca­res”. Breyner que­ria um es­pa­ço di­fe­ren­te para que quem ali acor­res­se fos­se sur­pre­en­di­do — e as­sim nas­ceu o bar on­de o caos é a pa­la­vra de or­dem.

“Es­sa é uma pa­la­vra com a qual me iden­ti­fi­co bas­tan­te. É que aqui con­si­go cri­ar coi­sas que não têm es­pa­ço nou­tro lado.” Ape­sar da ten­ra ida­de, Fran­cis­co co­nhe­ce bem os me­an­dros do mun­do da res­tau­ra­ção: em 2016 abriu o Sr. Lis­boa, um res­tau­ran­te de co­mi­da por­tu­gue­sa on­de a ar­te de pe­tis­car é rainha.

No seu novo bar, a car­ta fi­cou a car­go de Da­ni­el Luís, o bar­man re­si­den­te. E, para aden­sar a con­fu­são, pe­di­ram em­pres­ta­da a Sal­va­dor Da­lí uma más­ca­ra que fi­cou fa­mo­sa na sé­rie A Ca­sa de Papel, e com a qual ser­vem o Spe­ci­al K (10€), uma be­bi­da que vem acom­pa­nha­da de um pó que ador­me­ce a bo­ca ao ser in­ge­ri­do atra­vés de uma pa­lhi­nha. “Foi mui­to con­tro­ver­so na al­tu­ra em que abri­mos e ra­pi­da­men­te se tor­nou um íco­ne da ca­sa”, con­ta.

Da­ni­el tem lai­vos de ar­tis­ta no que to­ca a cru­zar diferentes ti­pos de be­bi­das e fru­tas. O Piñ8­cho, ou­tra be­bi­da no car­dá­pio, é uma cri­a­ção sua, ten­do por ba­se su­mo de ana­nás e rum Ba­car­di 8. A “piña” vem do ana­nás e o rum número oi­to pe­de em­pres­ta­do o es­tran­gei­ris­mo de nu­es­tros her­ma­nos para o “ocho”. Des­ta ver­da­dei­ra in­ven­ção, sur­giu uma das be­bi­das que está na cor­ri­da para re­pre­sen­tar Por­tu­gal no mai­or con­cur­so mun­di­al de cock­tails, o Ba­car­di Le­gacy. Ac­tu­al­men­te é um dos três cock­tails fi­na­lis­tas a ní­vel na­ci­o­nal.

Na lis­ta de es­pi­ri­tu­o­sas des­ta­ca-se ain­da o Mon­key Nuts (12€), um pu­ré de pês­se­go, li­cor de sa­bu­guei­ro, li­ma, men­ta e gin­ger­be­er ser­vi­do num co­po em for­ma de ma­ca­co e que, se­gun­do o pro­pri­e­tá­rio, é tam­bém um dos ex-lí­bris da ca­sa. Em re­la­ção ao afa­ma­do Spe­ci­al K, diz, “há gen­te que apa­re­ce e per­gun­ta ‘o que é es­se cock­tail que tem um pó à volta?’”. Para des­co­brir, só mes­mo pro­van­do, ga­ran­te.

A decoração, on­de o fer­ro é do­mi­nan­te, ins­pi­rou-se na his­tó­ria ma­rí­ti­ma da zo­na e na ten­ta­ti­va de re­cri­ar o cas­co de um bar­co. As ma­dei­ras es­cu­ras e den­sas fa­zem lembrar os ma­te­ri­ais das em­bar­ca­ções antigas que do Cais do So­dré le­van­ta­vam ân­co­ra, com di­rec­ção ao oce­a­no. Per­cor­ren­do o bar, e olhan­do com aten­ção, vão-se ain­da en­con­tran­do apa­re­lhos ma­rí­ti­mos e umas ca­bi­nes te­le­fó­ni­cas mui­to antigas, re­pes­ca­das em lo­jas de an­ti­gui­da­des, que dão a sen­sa­ção de se­rem es­co­ti­lhas de um na­vio.

A ac­ti­vi­da­de cul­tu­ral do CAOS não dei­xa na­da a de­se­jar com­pa­ra­da com a va­ri­e­da­de de be­bi­das dis­po­ní­veis. Des­de Ju­lho, o mês de aber­tu­ra, por lá já pas­sou o bai­xis­ta da ban­da de Ga­bri­el O Pen­sa­dor; hou­ve de­cla­ma­ções de po­e­sia, e fi­ca a promessa de no­vos pro­gra­mas cul­tu­rais, que se­rão em bre­ve anun­ci­a­dos. “Que­re­mos in­ves­tir em pro­gra­mas diferentes”, as­se­gu­ra.

Os DJ do bar, ga­ba-se Fran­cis­co Breyner, “só pas­sam mú­si­ca em dis­cos de vi­nil” e, ca­so os cli­en­tes quei­ram, é possível levarem os seus dis­cos pre­fe­ri­dos e pe­di­rem que os pas­sem ao lon­go da noi­te. Os disc-joc­keys do es­pa­ço fa­rão ques­tão de os passar no mo­men­to in­di­ca­do. Texto edi­ta­do por Sandra Sil­va Costa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.