A tec­no­lo­gia tam­bém ge­ra in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Ae­vo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca tem co­lo­ca­do nas mãos de to­dos no­vos ser­vi­ços pres­ta­dos por em­pre­sas in­te­gra­das num mo­de­lo de ne­gó­cio ape­li­da­do de “eco­no­mia de par­ti­lha”, que as­sen­ta no prin­cí­pio da par­ti­lha de um ser­vi­ço, per­mi­tin­do que es­te se­ja dis­po­ni­bi­li­za­do a pre­ços mais atra­ti­vos.

En­tre es­tas em­pre­sas, en­con­tra­mos o fe­nó­me­no da “Airbnb”, cu­jo nú­me­ro de uti­li­za­do­res tem cres­ci­do por to­do o mun­do, e em par­ti­cu­lar em Por­tu­gal, abrin­do o nos­so País a tu­ris­tas das mais di­ver­sas na­ci­o­na­li­da­des e es­ti­mu­lan­do até ro­tas que, até en­tão, não eram ha­bi­tu­ais.

Ape­sar de al­gu­ma con­tro­vér­sia ge­ra­da, no­me­a­da­men­te com o sec­tor ho­te­lei­ro, os re­sul­ta­dos des­ta pla­ta­for­ma re­ve­lam ser po­si­ti­vos pa­ra o país. E as nos­sas ci­da­des ga­nham com is­so.

Só em Lis­boa, es­ta pla­ta­for­ma de alo­ja­men­to co­brou, em 2016, 1.74 mi­lhões de eu­ros, no âm­bi­to da ta­xa tu­rís­ti­ca cri­a­da pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal (um eu­ro por noi­te), que re­ver­te­rá pa­ra o Fun­do de De­sen­vol­vi­men­to Tu­rís­ti­co de Lis­boa, des­ti­na­do a fi­nan­ci­ar in­ves­ti­men­tos na ci­da­de.

Já a ci­da­de In­vic­ta, viu o seu nú­me­ro de hós­pe­des au­men­tar 92%, re­gis­tan­do um to­tal de 293 mil vi­si­tan­tes que fi­ca­ram alo­ja­dos em Airbnb. A ní­vel na­ci­o­nal, os an­fi­triões por­tu­gue­ses re­ce­be­ram no ano pas­sa­do um nú­me­ro re­cor­de de 1.650.000 de hós­pe­des, o que equi­va­le a um cres­ci­men­to de 84% fa­ce a 2015.

Pa­ra além dos ga­nhos di­re­tos, os ga­nhos in­di­re­tos tam­bém são mui­to re­le­van­tes. Es­ta pla­ta­for­ma mu­dou o mer­ca­do do alo­ja­men­to de cur­ta du­ra­ção, ge­ran­do tam­bém uma opor­tu­ni­da­de de in­ves­ti­men­to a quem pro­cu­re uma al­ter­na­ti­va ren­tá­vel no sec­tor imo­bi­liá­rio.

Por­tu­gal es­tá na mo­da pa­ra fa­zer tu­ris­mo, e por is­so, tam­bém o tu­ris­mo re­si­den­ci­al tem si­do um dos prin­ci­pais com­bus­tí­veis da re­cu­pe- ra­ção eco­nó­mi­ca do país, atra­vés da cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio.

Só no es­pa­ço de cin­co anos, Por­tu­gal pas­sou pa­ra o pó­dio dos paí­ses que mais ca­pa­ci­da­de têm pa­ra cap­tar in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro pa­ra o imo­bi­liá­rio, e des­ta for­ma, te­mos con­se­gui­do re­a­bi­li­tar de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va gran­de par­te do nos­so pa­tri­mó­nio cons­truí­do que há mui­to es­ta­va aban­do­na­do e a ne­ces­si­tar de in­ter­ven­ções ur­gen­tes.

Re­to­mo aliás um es­tu­do da AHRESP, que re­ve­la­va que só em Lis­boa o alo­ja­men­to lo­cal re­cu­pe­rou 40% dos imó­veis que es­ta­vam de­so­cu­pa­dos, im­pul­si­o­nan­do des­te mo­do o mer­ca­do de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na na ci­da­de, e a cri­a­ção de em­pre­go, não só por via do ne­gó­cio da ges­tão de alo­ja­men­to lo­cal, mas tam­bém no mer­ca­do da cons­tru­ção e do imo­bi­liá­rio.

Nes­te pa­no­ra­ma, não há dú­vi­da de que o Tu­ris­mo Re­si­den­ci­al tem si­do um gran­de atra­ti­vo pa­ra os in­ves­ti­do­res imo­bi­liá­ri­os, e is­so é bem vi­sí­vel nas obras de Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na ca­da vez mais pre­sen­tes nos cen­tros das ci­da­des. Exis­te uma di­nâ­mi­ca cí­cli­ca na­qui­lo que re­pre­sen­ta es­te ca­sa­men­to fe­liz: o que é po­si­ti­vo pa­ra o tu­ris­mo, sê-lo-á pa­ra o imo­bi­liá­rio, e vi­ce-ver­sa.

Os be­ne­fí­ci­os que es­te ti­po de em­pre­sas in­se­ri­das na “eco­no­mia de par­ti­lha” re­pre­sen­ta pa­ra a nos­sa Eco­no­mia são inú­me­ros. E o Go­ver­no tem por is­so um pa­pel fun­da­men­tal, que é o de re­gu­lar es­te mer­ca­do, em prol do seu de­sen­vol­vi­men­to e não da sua es­tag­na­ção ou que­bra.

Im­por­ta por is­so que se olhe pa­ra o po­ten­ci­al de ne­gó­cio com uma vi­são “ma­cro”, co­mo um to­do com po­ten­ci­al de ge­rar em­pre­go e di­na­mi­zar a eco­no­mia no ge­ral, e o sec­tor imo­bi­liá­rio em par­ti­cu­lar. O fu­tu­ro es­tá aqui e a tec­no­lo­gia faz par­te de­le. Sai­ba­mos adap­tar­nos, ten­ta­do ti­rar de­la o me­lhor par­ti­do.

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.