É pri­o­ri­tá­rio com­ba­ter a con­cor­rên­cia des­le­al no se­tor da cons­tru­ção

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Pa­ra Por­tu­gal, as es­ti­ma­ti­vas mais fre­quen­te­men­te em­pre­gues apon­tam pa­ra que a Eco­no­mia In­for­mal cor­res­pon­da, por ano, um va­lor su­pe­ri­or a 26% do PIB. Es­ta­mos a fa­lar, re­cor­do, de um mon­tan­te que de­ve­rá ul­tra­pas­sar lar­ga­men­te os 46 mil mi­lhões de eu­ros, ou se­ja, mais de me­ta­de do va­lor do pe­di­do de aju­da fi­nan­cei­ra à Troi­ka. Es­tan­do to­dos ci­en­tes des­ta re­a­li­da­de, é in­jus­ti­fi­cá­vel que nal­gu­mas si­tu­a­ções se­ja o pró­prio Es­ta­do a po­ten­ci­ar prá­ti­cas mar­gi­nais e des­vi­an­tes.

É o que su­ce­de quan­do, a pre­tex­to de al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas, co­mo a que foi pro­ta­go­ni­za­da pe­la atu­al Leis dos Al­va­rás ou por aque­la que se anun­cia, com a re­vi­são do Có­di­go dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, se cri­am re­gi­mes mais per­mis­si­vos ou não se cor­ri­gem so­lu­ções er­ra­das, pe­na­li­za­do­ras das em­pre­sas cum­pri­do­ras que têm de con­cor­rer com quem ope­ra de for­ma clandestina no mer­ca­do.

Ve­ja-se a Lei dos Al­va­rás, cu­jas al­te­ra­ções nos fo­ram im­pos­tas sem olhar às es­pe­ci­fi­ci­da­des do se­tor da cons­tru­ção. Sa­be­mos que era ne­ces­sá­rio dar res­pos­ta à trans­po­si­ção da cha­ma­da “Di­re­ti­va Ser­vi­ços”, mas a ver­da­de é que, nes­te mo­men­to, es­ta­mos con­fron­ta­dos com uma lei que con­du­ziu à des­re­gu­la­ção, à in­cer­te­za e à mai­or in­se­gu­ran­ça, so­bre­tu­do nas obras par­ti­cu­la­res.

Qual é a ra­zão que jus­ti­fi­ca um mai­or grau de exi­gên­cia quan­do es­tá em cau­sa uma obra pú­bli­ca? Por que mo­ti­vo se dis­tin­guem as con­di­ções de in­gres­so e per­ma­nên­cia na ati­vi­da­de, con­so­an­te se tra­te de uma em­pre­sa que se de­di­que ao mer­ca­do de obras pú­bli­cas ou ao mer­ca­do de obras par­ti­cu­la­res? Qual o sen­ti­do da eli­mi­na­ção das ca­te­go­ri­as e das sub­ca­te­go­ri­as dos al­va­rás de obras par­ti­cu­la­res?

De igual mo­do, mo­ti­va­do pe­la ne­ces­si­da­de de trans­por Di­re­ti­vas Co­mu­ni­tá­ri­as, sur­ge a re­vi­são do Có­di­go dos Con­tra­tos Pú­bli­cos. Nes­te ca­so, é a pró­pria Co­mis­são Eu­ro­peia a afir­mar co­mo ob­je­ti­vos a al­can­çar: mais trans­pa­rên­cia; me­nos cor­rup­ção; me­nos con­fli­tos de in­te­res­se. Es­tão em cau­sa ob­je­ti­vos que to­dos de­fen­de­mos. Já não po­de­mos, to­da­via, con­cor­dar que na pro­pos­ta de lei na­da se­ja fei­to pa­ra evi­tar si­tu­a­ções que ho­je iden­ti­fi­ca­mos e que são con­trá­ri­as àque­les ob­je­ti­vos.

Por que mo­ti­vo con­ti­nu­a­mos a per­mi­tir ba­ses ir­re­a­lis­tas que con­du­zem à ex­clu­são de to­das as pro­pos­tas ou a con­cur­sos de­ser­tos, que de­pois são ad­ju­di­ca­dos com re­cur­so ao ajus­te di­re­to? Por que ra­zão não se cri­am re­gras que, com ob­je­ti­vi­da­de, per­mi­tam com­ba­ter a prá­ti­ca de pre­ços anor­mal­men­te bai­xos, si­tu­a­ções de ma­ni­fes­ta con­cor­rên­cia des­le­al?

Es­tas são ques­tões pa­ra as quais não con­se­gui­mos ob­ter res­pos­ta, so­bre­tu­do sa­ben­do que o cum­pri­men­to das obri­ga­ções por to­dos os que exer­cem a sua ati­vi­da­de no mer­ca­do da cons­tru­ção, é uma pre­mis­sa es­sen­ci­al pa­ra um po­si­ci­o­na­men­to com­pe­ti­ti­vo das em­pre­sas, do se­tor e do país.

É in­jus­ti­fi­cá­vel que nal­gu­mas si­tu­a­ções se­ja o pró­prio Es­ta­do a po­ten­ci­ar prá­ti­cas mar­gi­nais e des­vi­an­tes (…) quan­do, a pre­tex­to de al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas, co­mo a que foi pro­ta­go­ni­za­da pe­la atu­al Leis dos Al­va­rás ou por aque­la que se anun­cia, com a re­vi­são do Có­di­go dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, se cri­am re­gi­mes mais per­mis­si­vos ou não se cor­ri­gem so­lu­ções er­ra­das

Pre­si­den­te da AICCOPN – As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­as da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.