Fi­nan­ças do con­do­mí­nio: co­mo ren­ta­bi­li­zar pou­pan­ças?

A lei obri­ga to­dos os con­do­mí­ni­os a te­rem um pé-de-meia, o Fun­do co­mum de re­ser­va. O ob­je­ti­vo é poupar, mas tam­bém po­de ren­ta­bi­li­zar-se es­se di­nhei­ro

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

To­dos os con­do­mí­ni­os de­vem ter al­gum di­nhei­ro de par­te pa­ra aque­las obras que são obri­ga­tó­ri­as por lei, co­mo a pin­tu­ra do pré­dio ou a ma­nu­ten­ção dos ele­va­do­res. Mui­tas são as dú­vi­das quan­do se fa­la de tais eco­no­mi­as. Co­mo ge­ri-las da me­lhor for­ma ou o que fa­zer, ca­so já es­te­jam apli­ca­das nu­ma con­ta con­do­mí­nio, mas os ju­ros são tão bai­xos e as co­mis­sões de ma­nu­ten­ção tão al­tas que, no fi­nal do ano, o pou­co que se po­dia con­se­guir ame­a­lhar já foi ‘de­vo­ra­do’ pe­lo pró­prio ban­co?

Se o con­do­mí­nio já ti­ver al­gu­ma quan­tia acu­mu­la­da, não con­vém dei­xá-la pa­ra­da à es­pe­ra que se­ja al­tu­ra de pin­tar o pré­dio. Ren­ta­bi­li­zar a pou­pan­ça em apli­ca­ções a pra­zo é a me­lhor op­ção, nun­ca es­que­cen­do de dei­xar sem­pre al­gum di­nhei­ro nu­ma con­ta à or­dem pa­ra a ges­tão do dia-a-dia.

Com o in­tui­to de aju­dar a es­co­lher a me­lhor apli­ca­ção a pra­zo pa­ra o con­do­mí­nio, o ser­vi­ço Con­do­mí­nio DE­CO+ dis­po­ni­bi­li­za um si­mu­la­dor pa­ra di­fe­ren­tes pra­zos e mon­tan­tes de subs­cri­ção.

A lei es­ti­pu­la uma con­tri­bui­ção mí­ni­ma de 10%, ou se­ja, se o con­dó­mi­no pa­ga, por exem­plo, 20 eu­ros de quo­ta men­sal, de­ve­rá con­tri­buir com mais 2 eu­ros pa­ra o Fun­do co­mum de re­ser­va. O con­do­mí­nio po­de, no en­tan­to, de­ci­dir ame­a­lhar mais. Aliás, se tal for pos­sí­vel, é acon­se­lhá­vel que o fa­ça.

O di­nhei­ro acu­mu­la­do nes­se fun­do des­ti­na-se ao pa­ga­men­to de obras de con­ser­va­ção dos es­pa­ços co­muns do pré­dio. As obras de con­ser­va­ção são as des­ti­na­das a man­ter o pré­dio nas su­as con­di­ções ini­ci­ais, por exem­plo, as obri­ga­tó­ri­as por lei a ca­da oi­to anos, co­mo a pin­tu­ra do pré­dio.

Des­ta for­ma, a DE­CO acon­se­lha que se si­ga três ori­en­ta­ções-cha­ve pa­ra mais fa­cil­men­te ge­rir as eco­no­mi­as. Ima­gi­ne­mos que tem de se re­par­tir o di­nhei­ro das quo­tas por três me­a­lhei­ros.

O pri­mei­ro de­ve ser uma con­ta à or­dem, on­de se vai dei­xar o mon­tan­te su­fi­ci­en­te pa­ra pa­gar as des­pe­sas cor­ren­tes (água, luz, em­pre­ga­da de lim­pe­za).

Com o si­mu­la­dor do Con­do­mí­nio DE­CO+, qual a con­ta à or­dem mais ba­ra­ta pa­ra o seu con­do­mí­nio, po­de ti­rar to­das as dú­vi­das.

Pa­ra o se­gun­do, de­ve op­tar-se por um depósito de cur­to pra­zo (6 me­ses a 12 me­ses). Es­te me­a­lhei­ro irá re­ce­ber al­gum di­nhei­ro pa­ra des­pe­sas ex­tra­or­di­ná­ri­as, co­mo por exem­plo, a re­so­lu­ção de ca­sos li­ti­gi­o­sos ou re­pa­ra­ções ur­gen­tes.

Por úl­ti­mo, pa­ra o ter­cei­ro mea- lhei­ro há que es­co­lher a me­lhor apli­ca­ção a pra­zo (1 a 5 anos). Aí de­po­si­ta-se o Fun­do co­mum de re­ser­va, ou se­ja, no mí­ni­mo 10% das quo­tas. Es­te di­nhei­ro des­ti­na-se ao pa­ga­men­to de obras de con­ser­va­ção, co­mo a pin­tu­ra do pré­dio.

Se por ou­tro la­do, o con­do­mí­nio já tem as pou­pan­ças apli­ca­das nu­ma con­ta pou­pan­ça con­do­mí­nio, con­si­de­ra­mos que exis­tem ape­nas dois as­pe­tos po­si­ti­vos nes­te ti­po de con­tas.

O pri­mei­ro é que, ga­ran­tem que o di­nhei­ro ape­nas é le­van­ta­do pa­ra o pa­ga­men­to de obras atra­vés de che­que ou or­dem de pa­ga­men­to às em­pre­sas en­vol­vi­das, pro­te­gen­do­se o con­do­mí­nio con­tra um mau uso da pou­pan­ça de to­dos. O se­gun­do é o fac­to de per­mi­ti­rem que as pou­pan­ças do con­do­mí­nio não es­te­jam pa­ra­das sem ren­de­rem na­da, ain­da que o ju­ro se­ja bai­xo.

De um mo­do ge­ral, A DE­CO con­si­de­ra que os de­pó­si­tos a pra­zo são a so­lu­ção mais van­ta­jo­sa pa­ra a apli­ca­ção das pou­pan­ças do con­do­mí­nio. Além de ofe­re­ce­rem me­lho­res ta­xas de re­mu­ne­ra­ção, per­mi­tem ao con­do­mí­nio es­co­lher as con­di­ções em que é pos­sí­vel le­van­tar o di­nhei­ro.

E ten­do em vis­ta que os be­ne­fí­ci­os fis­cais as­so­ci­a­dos às con­tas pou­pan­ça con­do­mí­nio fo­ram re­ti­ra­dos em 2002, dei­xan­do de ser vantajosas, de­fen­de­mos há mui­to que o Ban­co de Por­tu­gal de­ve pro­mo­ver a fle­xi­bi­li­za­ção das con­di­ções de mo­bi­li­za­ção pa­ra que os con­do­mí­ni­os apli­quem as su­as pou­pan­ças em pro­du­tos mais ren­tá­veis. Is­to im­pli­ca a pos­si­bi­li­da­de de mo­vi­men­tar o di­nhei­ro acu­mu­la­do an­tes do pra­zo as­sim co­mo po­der uti­li­zá-lo da for­ma mais ade­qua­da ao con­do­mí­nio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.