Alo­ja­men­to lo­cal en­qua­dra­do no uso ha­bi­ta­ci­o­nal

Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça en­ten­de que as­sem­blei­as de con­dó­mi­nos não po­dem im­pe­dir pro­pri­e­tá­ri­os de de­sen­vol­ver ati­vi­da­de

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

Em de­ci­são re­cen­te, o Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de­ci­diu a fa­vor de uma pro­pri­e­tá­ria do alo­ja­men­to lo­cal, que a opu­nha à res­pe­ti­va as­sem­bleia de con­dó­mi­nos, no sen­ti­do de ver a ati­vi­da­de do alo­ja­men­to lo­cal en­qua­dra­da no uso ha­bi­ta­ci­o­nal e não na uti­li­za­ção co­mer­ci­al ou ou­tro.

As­sim sen­do, e re­ver­ten­do an­te­ri­or de­ci­são do Tri­bu­nal da Re­la­ção de Lis­boa, a as­sem­bleia de con­dó­mi­nos não po­de proi­bir os pro­pri­e­tá­ri­os da prá­ti­ca do alo­ja­men­to lo­cal.

O acór­dão do Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça ago­ra pu­bli­ca­do veio no mes­mo sen­ti­do de an­te­ri­or de­ci­são do Tri­bu­nal da Re­la­ção do Por­to, de­ter­mi­nan­do que “a ati­vi­da­de de alo­ja­men­to lo­cal exer­ci­da nu­ma fra­ção des­ti­na­da a ha­bi­ta­ção não vi­o­la o res­pe­ti­vo tí­tu­lo cons­ti­tu­ti­vo da pro­pri­e­da­de ho­ri­zon­tal, não po- den­do o con­do­mí­nio, por es­sa via, proi­bir o exer­cí­cio da ati­vi­da­de de alo­ja­men­to lo­cal”.

Se­gun­do a As­so­ci­a­ção do Alo­ja­men­to Lo­cal em Portugal (ALEP), es­ta ati­vi­da­de “en­qua­dra-se no uso ha­bi­ta­ci­o­nal”, pe­lo que não re­quer “apro­va­ção do con­do­mí­nio”. Em co­mu­ni­ca­do, a mes­ma as­so­ci­a­ção afir­ma a im­por­tân­cia des­ta de­ci­são “pois traz es­ta­bi­li­da­de ju­rí­di­ca a uma ati­vi­da­de que tem ga­nho um pe­so cres­cen­te não só ao ní­vel eco­nó­mi­co mas tam­bém so­ci­al, uma vez que há já mi­lha­res de fa­mí­li­as que de­pen­dem do alo­ja­men­to lo­cal”.

Ma­nu­al de bo­as prá­ti­cas

Não obs­tan­te, pa­ra além da ju­ris­pru­dên­cia que pos­sa ser cri­a­da nes­te âm­bi­to, a ALEP con­si­de­ra “fun­da­men­tal pro­mo­ver o es­pí­ri­to de boa vi­zi­nhan­ça e de co­o­pe­ra­ção en­tre os pro­pri­e­tá­ri­os que de­sem­pe­nham a ati­vi­da­de do alo­ja­men­to lo­cal e as as­sem­blei­as de con­dó­mi­nos”. Nes­se sen­ti­do, o mes­mo ór­gão es­tá de- sen­vol­ver um pro­je­to de bo­as prá­ti­cas com o ob­je­ti­vo de ga­ran­tir o res­pei­to pe­los in­te­res­ses de to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes: pro­pri­e­tá­ri­os, con­dó­mi­nos, in­qui­li­nos e tu­ris­tas.

Pa­ra o pre­si­den­te da ALEP, Edu­ar­do Mi­ran­da, “acre­di­ta­mos na au­tor­re­gu­la­ção des­ta ati­vi­da­de que, sen­do mui­to re­cen­te, es­tá ain­da a de­fi­nir re­gras, sen­do que há sem­pre as­pe­tos a me­lho­rar. Acre­di­ta­mos que ha­ven­do aber­tu­ra pa­ra o diá­lo­go e o em­pe­nho dos agen­tes, se­rá pos­sí­vel pro­mo­ver um am­bi­en­te e uma con­vi­vên­cia pa­cí­fi­ca en­tre to­dos. Nes­te sen­ti­do, a as­so­ci­a­ção es­tá já a de­sen­vol­ver o pro­je­to de Bo­as Prá­ti­cas, com a pro­du­ção de um ma­nu­al que se­rá uma fer­ra­men­ta fun­da­men­tal”. O Ma­nu­al de Bo­as Prá­ti­cas do Alo­ja­men­to lo­cal de­ve­rá ser apre­sen­ta­do pu­bli­ca­men­te nas pró­xi­mas se­ma­nas.

A ALEP deu ain­da con­ta ter ini­ci­a­do uma série de ses­sões de es­cla­re­ci­men­to com o ob­je­ti­vo de pro­mo­ver as bo­as prá­ti­cas no se­tor.

DR

As­sem­bleia de con­dó­mi­nos não po­de im­pe­dir pro­pri­e­tá­ri­os da prá­ti­ca do alo­ja­men­to lo­cal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.