San­ta Ca­sa in­ves­te na re­a­bi­li­ta­ção de uni­da­des de saú­de

Hos­pi­tal de Sant´Ana e hos­pi­tal da Es­tre­la en­tre os pro­je­tos apre­sen­tar respostas ade­qua­das aos pro­ble­mas iden­ti­fi­ca­dos na área da saú­de

Publico - Imobiliario - - Santa Casa Da Misericórdia De Lisboa -

Lo­ca­li­za­do jun­to ao mar, na mar­gi­nal que une Lis­boa a Cas­cais, o Hos­pi­tal de Sant’Ana, na Pa­re­de, é, há 112 anos, uma re­fe­rên­cia nas áre­as da Or­to­pe­dia e da Trau­ma­to­lo­gia. Es­te equi­pa­men­to nas­ceu co­mo Sa­na­tó­rio de Sant’An­na, em 1904, ten­do si­do le­ga­do, se­te anos de­pois, à San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa, pe­la be­ne­mé­ri­ta Clau­di­na Cha­mi­ço.

Ao lon­go dos tem­pos, o hos­pi­tal foi-se adap­tan­do às ne­ces­si­da­des que iam sur­gin­do, pre­o­cu­pan­do­se com a mo­der­ni­za­ção, pa­ra dis­po­ni­bi­li­zar no­vas va­lên­ci­as, sem es­que­cer a vo­ca­ção ori­gi­nal na área de or­to­pe­dia.

O no­vo hos­pi­tal, cu­ja obra es­tá em cur­so, te­rá dois pi­sos e uma am­pla ga­le­ria, aber­ta e trans­pa­ren­te, que acom­pa­nha lon­gi­tu­di­nal­men­te to­do o cor­po cons­truí­do.

Com uma área bru­ta de 6.688 m2, a uni­da­de acres­cen­ta­rá, ao hos­pi­tal, no­vas es­pe­ci­a­li­da­des, co­mo of­tal­mo­lo­gia, neu­ro­ci­rur­gia ou otor­ri­no­la­rin­go­lo­gia, 60 ca­mas pa­ra in­ter­na­men­to, blo­co ope­ra­tó­rio com qua­tro sa­las, uni­da­de de cui­da­dos in­ten­si­vos com seis ca­mas, uni­da­de de re­co­bro com 32 lu­ga­res, cen­tral de es­te­ri­li­za­ção e área de ges­tão de uten­tes.

Em su­ma, o no­vo hos­pi­tal al­ber­ga­rá uma área técnica e lo­gís­ti­ca no pi­so -1. O pi­so 0, in­clui­rá a en­tra­da prin­ci­pal, a uni­da­de de cui­da­dos in­ten­si­vos, os blo­cos ope­ra­tó­ri­os, o re­co­bro e o no­vo ser­vi­ço de es­te­ri­li­za­ção. Por úl­ti­mo, o pi­so 1 des­ti­na­se, na sua to­ta­li­da­de, ao ser­vi­ço de in­ter­na­men­to.

O pro­je­to, que re­pre­sen­ta um in­ves­ti­men­to dez mi­lhões, vai do­tar o Hos­pi­tal de Sant’Ana de in­fra­es­tru­tu­ras mo­der­nas, que res­pon­dem às atu­ais exi­gên­ci­as que se im­põem nu­ma prá­ti­ca clí­ni­ca de ex­ce­lên­cia. Aci­ma de tu­do, vai, tam­bém, per­mi­tir que se­jam reu­ni­das as con­di­ções pa­ra que se trans­for­me num hos­pi­tal po­li­va­len­te.

Es­te é um dos mais sig­ni­fi­ca­ti­vos pro­je­tos da ins­ti­tui­ção que cor­res­pon­de à von­ta­de da ad­mi­nis­tra- ção da San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa, e do seu pro­ve­dor, em apre­sen­tar respostas ade­qua­das aos pro­ble­mas iden­ti­fi­ca­dos na área da saú­de (um dos prin­ci­pais ei­xos de atu­a­ção da San­ta Ca­sa, a par da ação so­ci­al).

Nes­se sen­ti­do, a ins­ti­tui­ção tem vin­do a tra­ba­lhar em es­trei­ta co­la­bo­ra­ção com o Mi­nis­té­rio da Saú­de, no sen­ti­do de de­sen­vol­ver par­ce­ri­as que con­tri­bu­am pa­ra me­lho­rar as re­pos­tas nes­ta área. Es­ta co­la­bo­ra­ção tem si­do es­pe­ci­al­men­te no­tó­ria nos cui­da­dos con­ti­nu­a­dos in­te­gra­dos. Exem­plos dis­so são o no­vo Hos­pi­tal da Es­tre­la, que se pre­vê ser a mai­or uni­da­de da ca­pi­tal des­ta es­pe­ci­a­li­da­de, e a Uni­da­de de Cui­da­dos Con­ti­nu­a­dos Ma­ria Jo­sé Nogueira Pin­to. Re­fi­ra-se, tam­bém, o con­tra­to as­si­na­do com es­te Mi­nis­té­rio, pa- ra a ins­ta­la­ção de uma uni­da­de de cui­da­dos con­ti­nu­a­dos no Par­que de Saú­de Pu­li­do Valente, em Lis­boa.

Hos­pi­tal da Es­tre­la

A San­ta Ca­sa ad­qui­riu o an­ti­go Hos­pi­tal Mi­li­tar da Es­tre­la pa­ra cons­truir a mai­or uni­da­de de cui­da­dos con­ti­nu­a­dos in­te­gra­dos em Lis­boa. O equi­pa­men­to te­rá va­gas pa­ra adul­tos e cri­an­ças e pre­ten­de ser mai­or uni­da­de da ca­pi­tal des­ta es­pe­ci­a­li­da­de.

Quan­do foi for­ma­li­za­da a aqui­si­ção do an­ti­go Hos­pi­tal Mi­li­tar da Es­tre­la, em 2015, o pro­ve­dor da San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa, Pe­dro San­ta­na Lo­pes, as­su­miu es­te pro­je­to co­mo “uma enor­me res­pon­sa­bi­li­da­de e uma opor­tu­ni­da­de de dar uma res­pos­ta às ne­ces­si­da­des das pes­so­as”. Des­de o pri­mei­ro mo­men­to, a von­ta­de ex­pres­sa pe­los res­pon­sá­veis da ins­ti­tui­ção foi a de cri­ar uma uni­da­de pa­ra col­ma­tar uma ne­ces­si­da­de iden­ti­fi­ca­da a ní­vel na­ci­o­nal, com es­pe­ci­al en­fo­que na Gran­de Lis­boa: a fal­ta de va­gas de cui­da­dos con­ti­nu­a­dos in­te­gra­dos, na re­de na­ci­o­nal.

O pro­je­to con­sis­te na re­qua­li­fi­ca­ção do an­ti­go Hos­pi­tal Mi­li­tar da Es­tre­la, cons­ti­tuí­do por três edi­fí­ci­os in­ter­li­ga­dos, com uma área bru­ta de, sen­si­vel­men­te, 17.000 m². O ob­je­ti­vo é cri­ar uma es­tru­tu­ra mo­der­na e fle­xí­vel, fiá­vel e hu­ma­ni­za­da, on­de o de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co de­sem­pe­nha um pa­pel ful­cral.

O fu­tu­ro Hos­pi­tal da Es­tre­la im­pli­ca um in­ves­ti­men­to su­pe­ri­or a 15 mi­lhões de eu­ros. Vai ter 79 ca­mas pa­ra adul­tos, dez ca­mas de in­ter­na­men­to e dez pos­tos de hos­pi­tal de dia pa­ra a uni­da­de de cui­da­dos pe­diá­tri­cos in­te­gra­dos. Es­tá, ain­da, a ser pon­de­ra­da a ins­ta­la­ção de ou­tra uni­da­de, pa­ra tratar de pes­so­as com pro­ble­mas de de­mên­cia.

Ten­do co­mo pon­to de par­ti­da um edi­fí­cio já exis­ten­te e to­das as con­di­ci­o­nan­tes ine­ren­tes, a es­tra­té­gia uti­li­za­da com­pa­ti­bi­li­za os re­qui­si­tos do no­vo pro­gra­ma fun­ci­o­nal com o edi­fi­ca­do e a sua es­tru­tu­ra e or­ga­ni­za­ção in­ter­na. Es­ta in­ter­ven­ção as­su­me um ca­rác­ter de ex­ce­lên­cia, em ter­mos de pres­ta­ção de cui­da­dos de saú­de, co­lo­can­do o be­mes­tar do uten­te co­mo pri­o­ri­da­de de to­da a or­ga­ni­za­ção hos­pi­ta­lar, ga­ran­ti­do a qua­li­da­de do am­bi­en­te de tra­ba­lho a to­dos os pro­fis­si­o­nais de saú­de.

Re­fi­ra- se que, de acor­do com da­dos do por­tal da Ad­mi­nis­tra­ção Cen­tral do Sis­te­ma de Saú­de de se­tem­bro de 2016, a lis­ta de es­pe­ra pa­ra en­trar na Re­de de Cui­da­dos Con­ti­nu­a­dos In­te­gra­dos do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de ul­tra­pas­sa­va as 1850 pes­so­as, nú­me­ro que re­fle­te uma la­cu­na alar­man­te. Des­te mo­do, e por es­tar aten­ta a es­ta re­a­li­da­de, a Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa, em es­trei­ta co­la­bo­ra­ção com o Mi­nis­té­rio da Saú­de, es­tá a cri­ar so­lu­ções pa­ra es­ta área.

FOTOS DR

Hos­pi­tal de Sant’Ana te­rá no­vas es­pe­ci­a­li­da­des, co­mo of­tal­mo­lo­gia, neu­ro­ci­rur­gia ou otor­ri­no­la­rin­go­lo­gia

O fu­tu­ro Hos­pi­tal da Es­tre­la im­pli­ca um in­ves­ti­men­to su­pe­ri­or a 15 mi­lhões de eu­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.