Lo­te­a­men­to do Rio Se­co pro­mo­ve ofer­ta re­si­den­ci­al

Pro­je­to lo­ca­li­za­do na fre­gue­sia da Aju­da re­pre­sen­ta in­ves­ti­men­to es­ti­ma­do é de em cer­ca de um mi­lhão de eu­ros, pa­ra a pri­mei­ra fa­se

Publico - Imobiliario - - Santa Casa Da Misericórdia De Lisboa -

O lo­te­a­men­to do Rio Se­co é um pro­je­to mai­o­ri­ta­ri­a­men­te re­si­den­ci­al, com 126 fra­ções, com ti­po­lo­gi­as de T0 a T4, e es­pa­ços de co­mér­cio e ser­vi­ços no pi­so tér­reo, sen­do que 60% das ti­po­lo­gi­as são T1 e T2. Pre­vê-se ain­da que par­te des­tes fo­gos se­ja pa­ra se­ni­o­res, con­tem­plan­do al­guns ser­vi­ços de apoio.

Ino­var pa­ra cons­truir um fu­tu­ro me­lhor é um dos ob­je­ti­vos das obras da San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa. Um in­ves­ti­men­to pa­ra cons­truir Ci­da­de, fa­zer Ci­da­de, res­pei­tan­do o pas­sa­do e hon­ran­do o fu­tu­ro. Es­ta obra é a pro­va de que a San­ta Ca­sa con­tri­bui pa­ra a qua­li­da­de do te­ci­do ur­ba­no e pa­ra o re­ju­ve­nes­ci­men­to dos edi­fí­ci­os de Lis­boa, ga­ran­tin­do a sua ple­na uti­li­za­ção pa­ra as ge­ra­ções fu­tu­ras.

No­te-se que es­te pro­je­to, ago­ra em tra­ba­lhos de de­mo­li­ção, con­sis­te na re­vi­ta­li­za­ção e ren­ta­bi­li­za­ção do es­pa­ço ocu­pa­do pe­lo An­ti­go Hos­pi­tal Ve­te­ri­ná­rio Mi­li­tar, um ter­re­no com 13.640 m², lo­ca­li­za­do na Aju­da, em Lis­boa. Tem oi­to lo­tes agre­ga­dos em dois quar­tei­rões, ca­da um com uma ca­ve de es­ta­ci­o­na­men­to co­mum e uma su­per­fí­cie to­tal de pa­vi­men­to de 16.336,00 m². Tem, ain­da, es­pa­ços ver­des de uti­li­za­ção co­le­ti­va de 3.090,00 m². O lo­te­a­men­to vai in­cluir, igual­men­te, a in­te­gra­ção de um Cen­tro de Saú­de com 993,00 m².

In­ver­ter de­ser­ti­fi­ca­ção

O no­vo pla­no re­si­den­ci­al pre­ten­de pro­mo­ver a in­ver­são da ten­dên­cia de en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção e a de­ser­ti­fi­ca­ção des­ta zo­na de Lis­boa. A in­ter­ven­ção pro­põe um pro­gra­ma mai­o­ri­ta­ri­a­men­te ha­bi­ta­ci­o­nal, com­ple­men­ta­do pe­la exis­tên­cia de es­pa­ços de co­mér­cio e ser­vi­ços, no pi­so tér­reo. As 126 fra­ções, de ti­po­lo­gia T0 a T4, col­ma­tam a fal­ta de fo­gos que exis­te, no bair­ro da Aju­da, pa­ra a es­tu­dan­tes e a se­ni­o­res.

O no­vo pro­je­to de lo­te­a­men­to do Rio Se­co é ino­va­dor e sin­gu­lar. Um con­jun­to de es­pa­ços e so­lu­ções con­tem­po­râ­ne­as, com vo­lu­mes cons­truí­dos e va­zi­os ur­ba­nos, pro­cu­ra re­pen­sar e va­lo­ri­zar o ter­ri­tó­rio, nas su­as di­men­sões ur­ba­na, so­ci­al e am­bi­en­tal. Uma das pre­o­cu­pa­ções do ar­qui­te­to, Ma­nu­el Ai­res Ma­teus, foi a de man­ter es­pa­ços aber­tos e áre­as ver­des.

A Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa re­a­bi­li­ta o te­ci­do ur­ba­no, fa­vo­re­cen­do a in­ver­são da ten­dên­cia de en­ve­lhe- ci­men­to da po­pu­la­ção e a de­ser­ti­fi­ca­ção da área, atra­vés da ofer­ta de pro­du­tos re­si­den­ci­ais. Com es­te pro­je­to, a ins­ti­tui­ção vi­sa, igual- men­te, a li­ga­ção en­tre o lar­go do Rio Se­co e a Calçada da Aju­da, ga­ran­tin­do uma mai­or per­me­a­bi­li­da­de do es­pa­ço ur­ba­no.

Pla­no re­si­den­ci­al pre­ten­de pro­mo­ver a in­ver­são da ten­dên­cia de en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção e a de­ser­ti­fi­ca­ção des­ta zo­na de Lis­boa

In­ter­ven­ção con­sis­te na re­vi­ta­li­za­ção e ren­ta­bi­li­za­ção do es­pa­ço ocu­pa­do pe­lo An­ti­go Hos­pi­tal Ve­te­ri­ná­rio Mi­li­tar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.