No­va Mi­tra vai apoi­ar mais de 500 pes­so­as por dia

Mi­tra – Po­lo de Ino­va­ção So­ci­al quer con­tri­buir pa­ra uma ci­da­de mais so­li­dá­ria, in­clu­si­va e di­ver­sa

Publico - Imobiliario - - Santa Casa Da Misericórdia De Lisboa -

O pro­je­to “Mi­tra – Po­lo de Ino­va­ção So­ci­al”, da San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa, vai dar lu­gar a uma res­pos­ta ino­va­do­ra, nas áre­as da re­si­li­ên­cia so­ci­al, eco­nó­mi­ca e am­bi­en­tal num lo­cal, o an­ti­go Al­ber­gue da Mi­tra, que aco­lhia men­di­gos e sem-abri­go.

Es­tas cons­tru­ções são do fi­nal do séc. XIX pa­ra ins­ta­la­ção de uma Cor­ti­cei­ra, que al­ber­ga, atu­al­men­te, 76 pes­so­as, a mai­o­ria das quais ido­sas, mui­tas de­las com de­fi­ci­ên­cia.

O pro­je­to de re­a­bi­li­ta­ção do edi­fi­ca­do da Mi­tra, le­va­do a ca­bo por equi­pas in­ter­nas do De­par­ta­men­to de Pa­tri­mó­nio e Ges­tão Imo­bi­liá­ria da San­ta Ca­sa da Mi­se­ri­cór­dia de Lis­boa, tem em con­ta as prá­ti­cas de ino­va­ção e sus­ten­ta­bi­li­da­de, con­ci­li­an­do so­lu­ções téc­ni­cas eco­no­mi­ca­men­te viá­veis e con­si­de­ran­do a ar­qui­te­tu­ra do edi­fi­ca­do.

A es­tra­té­gia de re­a­bi­li­ta­ção des­te es­pa­ço as­sen­ta em respostas so­ci­ais sus­ten­tá­veis. In­te­gra 12 pa­vi­lhões, ex­plo­ra­ção agrí­co­la da quin­ta ad­ja­cen­te, com dois hec­ta­res, e apro­xi­ma os pú­bli­cos mais vul­ne­rá­veis da co­mu­ni­da­de, fo­men­tan­do a in­ter­ge­ra­ci­o­na­li­da­de.

A pri­mei­ra fa­se da obra já es­tá a de­cor­rer e en­glo­ba a re­a­bi­li­ta­ção das co­ber­tu­ras do edi­fi­ca­do, fa­cha­das e in­fra­es­tru­tu­ras. Já a se­gun­da fa­se se­rá de­di­ca­da aos am­bi­en­tes in­te­ri­o­res e às su­as di­ver­sas uti­li­da­des.

Pro­je­to pro­mo­ve efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca

As prin­ci­pais va­lên­ci­as da “No­va Mi­tra”, que vai apoi­ar mais de 500 pes­so­as e es­tar aber­ta 24 ho­ras por dia, são: um res­tau­ran­te (que ser­vi­rá de po­lo de for­ma­ção); re­si­dên­ci­as (que po­de­rão ser uti­li­za­das em si­tu­a­ções de emer­gên­cia); cre­che, es­pa­ço mul­tiu­sos, aco­lhi­men­to pa­ra cri­an­ças e jovens em ris­co; uma la­van­da­ria (que apro­vei­ta­rá a água plu­vi­al que cai nas co­ber­tu­ras da Mi­tra e po­de ser usa­da tan­to por uten­tes, co­mo pe­la co­mu­ni­da­de); quin­ta (vo­ca­ci­o­na­da pa­ra a pro­du­ção hor­tí­co­la, dan­do em­pre­go uten­tes); e um cen­tro psi­co­ge­riá­tri­co.

Ca­da uma des­tas va­lên­ci­as cor­res­pon­de a um pro­je­to com uma ma­triz de ino­va­ção e in­clu­são so­ci­al, que foi ba­ti­za­da co­mo “Nau”, e que aco­lhe, cui­da e in­te­gra to­dos os uten­tes, pen­san­do no bem-es­tar de to­dos.

O uso de sis­te­mas re­no­vá­veis foi uma pri­o­ri­da­de nes­te pro­je­to. Foi, por­tan­to, con­ce­bi­da uma es­tra­té­gia ener­gé­ti­ca, que re­cor­re a pai­néis so­la­res tér­mi­cos e fo­to­vol­tai­cos.

No que diz res­pei­to à água, op­tou-se por apro­vei­tá-la ten­do em con­ta qua­tro ori­gens, pa­ra re­du­zir o con­su­mo glo­bal em cer­ca de 36%. Se­rão, as­sim, apro­vei­ta­das a água po­tá­vel (pa­ra con­su­mo di­re­to); a plu­vi­al (re­co­lhi­da na co­ber­tu­ra dos 11 pa­vi­lhões, re­en­ca­mi­nha­da pa­ra re­ser­va­tó­ri­os e reu­ti­li­za­da pa­ra la­va­gem de rou­pa); a de uma mi­na (um po­ço na­tu­ral que for­ne­ce água pa­ra re­gar a quin­ta e la­var os es­pa­ços ex­te­ri­o­res); e águas cin­zen­tas (pro­ve­ni­en­tes da la­va­gem das mãos e dos du­ches, que se­rão re­ci­cla­das atra­vés da ve­ge­ta­ção da fa­cha­da).

DR

Pri­mei­ra fa­se da obra já es­tá a de­cor­rer e en­glo­ba a re­a­bi­li­ta­ção das co­ber­tu­ras do edi­fi­ca­do, fa­cha­das e in­fra­es­tru­tu­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.