In­ter­ven­ção so­ci­al e efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca fe­cham le­que de pre­mi­a­dos

Agro-tu­ris­mo e ha­bi­ta­ção com­ple­men­tam atri­bui­ção de ga­lar­dões

Publico - Imobiliario - - Prémio Nacional De Reabilitação Urbana -

O pré­mio pa­ra a Me­lhor So­lu­ção de Efi­ci­ên­cia Ener­gé­ti­ca foi pa­ra o Edi­fí­cio Pa­da­ria, lo­ca­li­za­do no cen­tro his­tó­ri­co do Por­to. De­se­nha­do pe­la ar­qui­te­ta Di­a­na Barros, o edi­fí­cio, cons­ti­tuí­do por três pi­sos, apre­sen­ta uma área de cons­tru­ção de apro­xi­ma­da­men­te 500 m2.

O pro­je­to de adap­ta­ção pro­cu­rou “re­a­pro­vei­tar ao má­xi­mo os re­cur­sos exis­ten­tes no edi­fí­cio, ti­rar par­ti­do da sua ori­en­ta­ção, ex­po­si­ção so­lar, dos ven­tos e do so­lo, in­tro­du­zir sis­te­mas au­tó­no­mos de ar­re­fe­ci­men­to e aque­ci­men­to pas­si­vos, uti­li­za­ção de ma­te­ri­ais na­tu­rais e apro­vei­ta­men­to das águas das chu­vas e águas de sa­bão”.

Com os sis­te­mas pro­pos­tos “não se pro­cu­ra uma to­tal au­to­no­mia do edi­fí­cio, mas sim, um apro­vei­ta­men­to má­xi­mo dos re­cur­sos dis­po­ní­veis de for­ma pas­si­va e na­tu­ral sem in­tro­du­ção de equi­pa­men­tos e sis­te­mas dis­pen­di­o­sos ou com ele­va­do con­su­mo ener­gé­ti­co”.

No âm­bi­to tu­rís­ti­co, o pré­mio foi en­tre­gue a um pro­je­to de Agro­tu­ris­mo em Mel­ga­ço, a car­go do ate­li­er Cor­reia/Ra­gaz­zi Ar­qui­tec­tos. Tra­ta­se de uma pro­pri­e­da­de com­pos­ta por uma ha­bi­ta­ção em ruí­nas, ter­re­no de cul­ti­vo, vi­nha e pi­nhal, vi­san­do a sua re­cu­pe­ra­ção e am­pli­a­ção da ca­sa pa­ra ins­ta­lar um em­pre­en­di­men­to de Agro-Tu­ris­mo e ain­da cons­truir uma ade­ga e uma área de pro­va de vi­nhos.

A am­pli­a­ção “deu ori­gem a um no­vo vo­lu­me, em diá­lo­go e com uma re­la­ção de im­plan­ta­ção se­me­lhan­te à do vo­lu­me exis­ten­te, en­cos­tan­do­se ao mu­ro do so­cal­co ime­di­a­ta­men­te abai­xo”.

Por sua vez, o ga­lar­dão re­fe­ren­te à Me­lhor In­ter­ven­ção em Lis­boa foi pa­ra o edi­fí­cio re­si­den­ci­al 8 Buil­ding, num pro­je­to a car­go do ar­qui­te­to Ma­nu­el Ai­res Ma­teus.

Es­te propôs a re­cu­pe­ra­ção do edi­fí­cio exis­ten­te em to­dos os seus ele­men­tos, nu­ma in­ter­ven­ção cla­ra de con­ser­var a sua ima­gem ur­ba­na e ar­qui­te­tó­ni­ca.

Pa­ra­le­la­men­te à con­ser­va­ção e re­cu­pe­ra­ção das fa­cha­das exis­ten­tes, foi man­ti­do o sis­te­ma exis­ten­te de la­jes, vi­gas e pi­la­res es­tru­tu­rais. Con­si­de­ra­do, nos anos 50, o mais mo­der­no de Portugal, es­te es­pa­ço é mais um exem­plo de co­mo a re­a­bi­li­ta­ção po­de man­ter a au­ten­ti­ci­da­de dos imó­veis, en­quan­to ga­ran­te a mo­der­ni­za­ção e va­lo­ri­za­ção da ci­da­de de Lis­boa.

Por fim, na ca­te­go­ria Im­pac­to So­ci­al, o pré­mio foi atri­buí­do às Es­tu­fas Tro­pi­cais do Jar­dim Bo­tâ­ni­co da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, pro­je­to de­sen­vol­vi­do pe­lo ar­qui­te­to João Men­des Ri­bei­ro.

As Es­tu­fas Tro­pi­cais lo­ca­li­zam-se na Al­ta de Coim­bra e fa­zem par­te do Jar­dim Bo­tâ­ni­co da Uni­ver­si­da­de, cons­truí­do em 1772 pe­lo Marquês de Pom­bal. As Es­tu­fas Tro­pi­cais, con­cluí­das em 1859, são um dos pri­mei­ros exem­pla­res da ar­qui­te­tu­ra do fer­ro em Portugal, ten­do co­mo re­fe­rên­cia as Kew Gar­dens (In­gla­ter­ra).

A in­ter­ven­ção le­va­da a ca­bo en­vol­veu o res­tau­ro e re­cu­pe­ra­ção das es­tru­tu­ras exis­ten­tes e a im­ple­men­ta­ção de so­lu­ções téc­ni­cas ade­qua­das ao de­sen­vol­vi­men­to das plan­tas e ao uso do es­pa­ço, no­me­a­da­men­te, pa­ra re­a­li­za­ção de vi­si­tas. Es­tas con­di­ções im­pli­ca­ram no­vos mei­os de som­bre­a­men­to e de ven­ti­la­ção, a ga­ran­tia de ní­veis hi­gro­mé­tri­cos e de hu­mi­da­de ade­qua­dos e a aces­si­bi­li­da­de ao edi­fí­cio e no seu in­te­ri­or.

DR

Es­tu­fas Tro­pi­cais fa­zem par­te do Jar­dim Bo­tâ­ni­co da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, cons­truí­do em 1772

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.