Por­tu­guE­xit

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

ORe­gi­me Fis­cal pa­ra Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais, pro­mo­vi­do no fi­nal de 2013 com o in­tui­to de cap­tar in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro pa­ra o país, te­ve um im­pac­to mui­to po­si­ti­vo na eco­no­mia e no sec­tor imo­bi­liá­rio e, a par do pro­gra­ma de Au­to­ri­za­ção de Re­si­dên­cia pa­ra Ati­vi­da­des de In­ves­ti­men­to, foi um dos prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­la re­to­ma des­te sec­tor.

Os pen­si­o­nis­tas es­tran­gei­ros, so­bre­tu­do os eu­ro­peus, fo­ram dos que mais in­te­res­se de­mons­tra­ram nes­te es­ta­tu­to, uma vez que apre­sen­ta be­ne­fí­ci­os fis­cais, no­me­a­da­men­te au­sên­cia de tri­bu­ta­ção de ren­di­men­tos de pen­são au­fe­ri­dos.

No en­tan­to, es­te es­ta­tu­to que mui­to agra­da po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res, tem cri­a­do al­gu­ma po­lé­mi­ca jun­to dos paí­ses de ori­gem, en­tre eles a Sué­cia (cu­ja mi­nis­tra das Fi­nan­ças trans­mi­tiu a Má­rio Cen­te­no o seu de­sa­gra­do pe­la au­sên­cia de tri­bu­ta­ção aos re­for­ma­dos su­e­cos a vi­ver em Por­tu­gal) e a Fin­lân­dia, que apon­tou o Al­gar­ve co­mo a re­gião que tem “rou­ba­do” os seus re­for­ma­dos, pres­si­o­nan­do Por­tu­gal pa­ra aca­bar com o acor­do pa­ra evi­tar a du­pla tri­bu­ta­ção, as­si­na­do há 47 anos en­tre os dois Paí­ses.

Se com a Sué­cia, o Go­ver­no Por­tu­guês ga­ran­tiu que ia to­mar me­di­das so­bre o te­ma, com a Fin­lân­dia já as to­mou, de­fi­ni­ti­va­men­te, ten­do ce­di­do às pres­sões de Hel­sín­quia e as­si­nan­do uma no­va con­ven­ção que tu­do in­di­ca que en­tra­rá em vi­gor em 2018, e que pre­vê que a Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria fin­lan­de­sa pos­sa tri­bu­tar os ren­di­men­tos dos seus pen­si­o­nis­tas, mes­mo que eles vi­vam em Por­tu­gal ao abri­go do Es­ta­tu­to.

Ao acei­tar es­ta con­ven­ção, Por­tu­gal abre um pre­ce­den­te, pa­ra que ou­tros paí­ses que têm vis­to os seus re­for­ma­dos par­tir fa­çam iguais pres­sões, exi­gin­do o fim des­ta be­nes­se do Re­gi­me Fis­cal pa­ra Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais.

Aos ci­da­dãos que já in­ves­ti­ram ao abri­go des­te pro­gra­ma, pas­sa-se uma ima­gem de des­cré­di­to so­bre o nos­so país e so­bre a boa-fé do Go­ver­no, que mu­da as regras a meio do jo­go.

Aos po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res, pas­sa­se um si­nal de des­con­fi­an­ça pa­ra com a fis­ca­li­da­de apli­ca­da em Por­tu­gal, não só ao abri­go des­te pro­gra­ma, mas so­bre o imo­bi­liá­rio em ge­ral, que tem si­do al­vo de cons­tan­tes mu­dan­ças que de­ses­ta­bi­li­zam o mer­ca­do e a confiança do sec­tor.

Por­tu­gal re­ve­la as­sim ter to­ma­do uma me­di­da in­gé­nua, com um pre­ço bem ele­va­do pa­ra o país. Co­mo já ha­via es­cri­to nes­ta mes­ma co­lu­na de opi­nião, se nós não o sa­be­mos apro­vei­tar, ou­tros sa­be­rão, e os nos­sos vi­zi­nhos do sul co­me­çam já a mo­vi­men­tar-se nes­se sen­ti­do. Re­cor­do que, quan­do re­ben­tou o es­cân­da­lo dos Vis­tos Gold no fi­nal de 2014, em Pe­quim os es­pa­nhóis pas­sa­vam a men­sa­gem de que o pro­gra­ma por­tu­guês iria aca­bar, pe­lo que o ide­al se­ria es­tes in­ves­ti­do­res apos­ta­rem em Es­pa­nha…

Se os pen­si­o­nis­tas eu­ro­peus pro­cu­ram o nos­so país pa­ra pas­sar fé­ri­as, vi­ver ou in­ves­tir, a nós ca­be-nos o de­ver de os re­ce­ber o me­lhor pos­sí­vel, per­mi­tin­do que pos­sam dis­fru­tar do nos­so País, con­tri­buin­do des­ta for­ma pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da nos­sa Eco­no­mia. Re­cor­do que, ape­sar de es­ta­rem isen­tos de tri­bu­ta­ção so­bre as su­as re­for­mas, não es­tão isen­tos de de­mais im­pos­tos, co­mo IMT, IMI e IVA, que, com cer­te­za, re­pre­sen­tam be­ne­fí­ci­os pa­ra o Es­ta­do por­tu­guês. Mais uma vez, pas­sa­mos uma ima­gem ex­te­ri­or de que a fis­ca­li­da­de por­tu­gue­sa é ra­pi­da­men­te mu­tá­vel. E es­ta ins­ta­bi­li­da­de te­rá um pre­ço: o Por­tu­guE­xit, não só de pen­si­o­nis­tas, mas tam­bém de in­ves­ti­men­to…

Ao acei­tar es­ta con­ven­ção, Por­tu­gal abre um pre­ce­den­te, pa­ra que ou­tros paí­ses que têm vis­to os seus re­for­ma­dos par­tir fa­çam iguais pres­sões, exi­gin­do o fim des­ta be­nes­se do Re­gi­me Fis­cal pa­ra Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais. Aos ci­da­dãos que já in­ves­ti­ram ao abri­go des­te pro­gra­ma, pas­sa-se uma ima­gem de des­cré­di­to so­bre o nos­so país

Pre­si­den­te da APEMIP Luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.