Pes­qui­sa on­li­ne é o pri­mei­ro pas­so na com­pra de ca­sa pa­ra 57% das pes­so­as

Es­ta pro­cu­ra in­ci­de quer so­bre os imó­veis em ofer­ta quer so­bre a in­for­ma­ção re­la­ti­va às eta­pas de com­pra, re­ve­la um es­tu­do glo­bal.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Ana Ta­va­res

O es­tu­do in­ter­na­ci­o­nal “Re­al Es­ta­te in a Di­gi­tal Age 2017”, re­a­li­za­do pe­la nor­te-ame­ri­ca­na Na­ti­o­nal As­so­ci­a­ti­on of Re­al­tors, re­ve­la que 57% das pes­so­as que de­ci­dem com­prar ca­sa ini­ci­am es­te pro­ces­so com uma pes­qui­sa on­li­ne. “Vi­ve­mos atu­al­men­te num mun­do di­gi­tal e pro­cu­rar uma ca­sa não fo­ge a es­ta re­a­li­da­de”, no­ta o do­cu­men­to. A mai­o­ria das pes­qui­sas (44% nes­ses 57%) diz res­pei­to à pro­cu­ra de po­ten­ci­ais imó­veis, sen­do es­ta uma for­ma de “ma­xi­mi­zar a ca­pa­ci­da­de de com­pa­ra­ção en­tre ca­sas num de­ter­mi­na­do mer­ca­do de acor­do com as ca­ra­te­rís­ti­cas se­le­ci­o­na­das”, re­fe­re o es­tu­do. Os res­tan­tes 13% (da fa­tia de 57%)que re­cor­rem aos mei­os on­li­ne num pri­mei­ro con­tac­to com es­te pro­ces­so pro­cu­ram in­for­ma­ção so­bre as eta­pas de com­pra. Es­tas pes­qui­sas nu­ma fa­se ini­ci­al do pro­ces­so de ven­da per­mi­tem ao com­pra­dor “es­tar ho­je mais in­for­ma­do so­bre o mer­ca­do an­tes de fa­lar com um me­di­a­dor”, que con­ti­nua a ser uma op­ção a que mai­o­ria dos com­pra­do­res recorre pos­te­ri­or­men- te pa­ra o apoi­ar na com­pra.

Es­ta pa­re­ce ser tam­bém a re­a­li­da­de em Por­tu­gal. De acor­do com Jo­sé Fa­ri­nha, do Mar­ke­ting da Di­re­ção de Negócio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, uma das en­ti­da­des ban­cá­ri­as mais di­nâ­mi­cas na ati­vi­da­de de de­sin­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio, “atu­al­men­te é di­fí­cil en­con­trar no seg­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal um in­te­res­sa­do que não pas­se pri­mei­ro pe­los por­tais imo­bi­liá­ri­os pa­ra fa­zer a pré-se­le­ção do que pre­ten­de”. E com is­so em vis­ta, o Ban­co aca­ba de lan­çar uma no­va edi­ção da cam­pa­nha “Fa­ça a Sua Ofer­ta”, ex­clu­si­va do seu por­tal M Imó­veis. No âm­bi­to des­ta ação, os in­te­res­sa­dos po­dem fa­zer, ape­nas a par­tir des­te por­tal, “uma pro­pos­ta de com­pra de um imó­vel por um va­lor di­fe­ren­te do que es­tá anun­ci­a­do”, ape­sar dos imó­veis abran­gi­dos es­ta­rem tam­bém co­lo­ca­dos em me­di­a­ção. “Os me­di­a­do­res têm um pa­pel de­ci­si­vo nes­tas ações”, fa­zen­do “uma di­na­mi­za­ção ex­tra” dos imó­veis, em­bo­ra a pro­pos­ta de com­pra te­nha que ser sem­pre fei­ta pe­los in­te­res­sa­dos di­re­ta­men­te no por­tal M Imó­veis.

Es­ta com­ple­men­ta­ri­da­de en­tre o re­cur­so aos ca­nais di­gi­tais e os me­di­a­do­res é ain­da evi­den­ci­a­da por Ri­car­do Sou­sa, Ad­mi­nis­tra­dor da Cen­tury 21 Por­tu­gal. A re­de ana­li­sou as ten­dên­ci­as de con­su­mo de ha­bi­ta­ção dos Mil­len­ni­als, i.e., a ge­ra­ção de pes­so­as nas­ci­das en­tre 1981 e 2000; e que pro­cu­ra, con­sul­ta, com­pa­ra in­for­ma­ção na In­ter­net e com­pra, ca­da vez mais, em ca­nais di­gi­tais. Per­ma­nen­te­men­te co­nec­ta­dos, es­tes con­su­mi­do­res “es­tão a obri­gar o se­tor imo­bi­liá­rio a aban­do­nar a ló­gi­ca de fo­co no pro­du­to pa­ra pas­sar a fo­car­se no ser­vi­ço, nas pes­so­as e nas su­as ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas”, co­men­ta aque­le res­pon­sá­vel. Por is­so, e ain­da “que os con­su­mi­do­res pro­cu­rem Em 1981, 22% dos com­pra­do­res de ca­sa con­sul­ta­vam clas­si­fi­ca­dos do jor­nal pa­ra en­con­trar o seu imó­vel. Em 2016, 44% pro­cu­ram ca­sa on­li­ne pri­mei­ro. in­for­ma­ção e con­teú­dos on­li­ne pa­ra ini­ci­ar o pro­ces­so de com­pra ou ar­ren­da­men­to de um imó­vel, pre­ci­sam do apoio do con­sul­tor imo­bi­liá­rio”, o qual “tem que es­tar tam­bém co­nec­ta­do, em qual­quer ca­nal ou re­de so­ci­al”. Até por­que, os Mil­len­ni­als es­tão ha­bi­tu­a­dos a en­con­trar , a par­tir dos seus dis­po­si­ti­vos mó­veis, tu­do o que ne­ces­si­tam e a com­pra de ca­sa não é di­fe­ren­te.

O es­tu­do nor­te-ame­ri­ca­no mos­tra que es­ta ge­ra­ção é uma das mais ati­vas no re­cur­so aos mei­os di­gi­tais, com uma per­cen­ta­gem de 99% des­tes in­di­ví­du­os a afir­mar ter re­cor­ri­do à in­ter­net, em ge­ral, co­mo fon­te de in­for­ma­ção na sua pes­qui­sa por imó­veis. São os dis­po­si­ti­vos mó­veis os mais uti­li­za­dos nes­tas pes­qui­sas on­li­ne, pro­cu­ran­do-se in­for­ma­ção so­bre­tu­do em si­tes com fo­tos, lis­tas de imó­veis em ofer­ta e com in­for­ma­ção so­bre os pas­sos num pro­ces­so da com­pra. As fo­to­gra­fi­as, a in­for­ma­ção de­ta­lha­da so­bre o imó­vel, as vi­si­tas vir­tu­ais, in­for­ma­ção so­bre o bair­ro e en­vol­ven­te, além de ma­pas in­te­ra­ti­vos são os fa­to­res mais va­lo­ri­za­dos num si­te por quem faz es­tas pes­qui­sas.

ISTOCK.COM/ WELLGLAD

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.