Imo­bi­liá­rio com ren­ta­bi­li­da­de su­pe­ri­or aos mer­ca­dos de ca­pi­tais

Se­gun­do o mais re­cen­te ín­di­ce IPD - Por­tu­gal An­nu­al Pro­perty In­dex -, o re­tor­no to­tal do imo­bi­liá­rio em Por­tu­gal de­ve­rá man­ter-se em tor­no dos 10% es­te ano

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Ana Ta­va­res

O re­tor­no to­tal do imo­bi­liá­rio em Por­tu­gal de­ve­rá ron­dar os 10% em 2017, cal­cu­lam os es­pe­ci­a­lis­tas, nu­ma li­gei­ra des­ci­da dos 12,2% de­vol­vi­dos em 2016, se­gun­do o mais re­cen­te ín­di­ce IPD Por­tu­gal An­nu­al Pro­perty In­dex.

Po­rém, a 15 anos, a ren­ta­bi­li­da­de mé­dia de 7,1% do imo­bi­liá­rio ul­tra­pas­sa “a do mer­ca­do de ações ou de obri­ga­ções”, sen­do, por is­so, “in­te­res­san­te e ro­bus­to” a ní­vel de per­for­man­ce com­pa­ran­do com as de­mais clas­ses de in­ves­ti­men­to, re­fe­riu Luís Fran­cis­co, vi­ce pre­si­den­te da MSCI Ibe­ria. No en­tan­to, “tem um ní­vel de vo­la­ti­li­da­de mai­or”, sa­li­en­ta.

De acor­do com o eco­no­mis­ta Luís Du­que, “Por­tu­gal pre­ci­sa dra­ma­ti­ca­men­te de in­ves­ti­men­to”, sen­do que “uma das com­po­nen­tes mais sig­ni­fi­ca­ti­vas é a cons­tru­ção, par­te mo­ti­va­da pe­la cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção”, em gran­de par­te atra­vés da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na. Afir­man­do que o “imo­bi­liá­rio é uma ex­ce­len­te saí­da pa­ra Por­tu­gal”, o do­cen­te no ISEG res­sal­va que a “obra tem de ter apli­ca­ção no mer­ca­do”.

Por seu tur­no, Ale­xan­dre Fer­nan­des, di­re­tor de As­set Ma­na­ge­ment da So­nae Si­er­ra, re­fe­re que o imo­bi­liá­rio “é ca­da vez mais es­co­lhi­do co­mo clas­se de ati­vos pa­ra in­ves­ti- men­to”. Mas con­si­de­ra que “es­tas ren­ta­bi­li­da­des são ex­ce­ci­o­nais, não va­mos con­ti­nu­ar a ter es­tes ní­veis, o re­tor­no di­re­to vai bai­xar pa­ra ní­veis mais sus­ten­tá­veis”.

Tu­ris­mo, es­cri­tó­ri­os e saú­de

Nu­ma me­sa re­don­da de de­ba­te mo­de­ra­da por Fran­cis­co Hor­ta e Cos­ta, di­re­tor ge­ral da CBRE, Nu­no Ra­va­ra, Ma­na­ging Di­rec­tor da Fin­so­lu­tia, es­ti­ma ser “mo­de­ra­da­men­te oti­mis­ta, por­que a prin­ci­pal com­po­nen­te de cres­ci­men­to é a va­lo­ri­za­ção dos ati­vos, sen­do Por­tu­gal um mer­ca­do mui­to pe­que­no, num am­bi­en­te com ta­xas de ju­ro mui­to bai­xas e mui­ta li­qui­dez dis­po­ní­vel”, a par de “um cres­ci­men­to eco­nó­mi­co mui­to té­nue”. Por is­so, “se es­ti­ver­mos com o ín­di­ce à vol­ta dos 10% [em 2017] es­ta­re­mos mui­to sa­tis­fei­tos”.

Já Pe­dro Co­e­lho, Ma­na­ging Di­rec­tor da Squa­re AM, lem­brou ser “im­por­tan­te des­co­di­fi­car o con­teú­do do ín­di­ce. O com­por­ta­men­to do se­tor do co­mér­cio re­pre­sen­ta mui­to e, na prá­ti­ca, se ve­ri­fi­car­mos, pra­ti­ca­men­te não hou­ve cons­tru­ção no­va nos úl­ti­mos anos, e is­so vai co­me­çar a par­tir de ago­ra”. Acre­di­ta que, da­qui por um ano, “va­mos ter uma di­mi­nui­ção” do ín­di­ce, pois “é di­fí­cil ter um com­por­ta­men­to tão pu­jan­te. Di­ria 10,1%”.

Os re­sul­ta­dos do ín­di­ce mos­tram que a per­for­man­ce to­tal de­vol­vi­da em 2016 foi de 12,2%, sen­do que a car­tei­ra mé­dia do ín­di­ce IPD Por­tu­gal é for­ma­da 69% por re­ta­lho, no­me­a­da­men­te cen­tros co­mer­ci­ais, que re­pre­sen­tam mais de 50%, e es­cri­tó­ri­os. Luís Fran­cis­co con­si­de­ra que “Por­tu­gal tem um com­por­ta­men­to re­la­ti­va­men­te es­tá­vel em ter­mos de vo­la­ti­li­da­de, de­fen­de-se mais nes­se pon­to con­cre­to. E tem vin­do a cres­cer ao lon­go dos úl­ti­mos três anos”, sen­do um dos pou­cos mer­ca­dos que su­bi­ram a sua ren­ta­bi­li­da­de en­tre os ana­li­sa­dos no úl­ti­mo ano.

No ge­ral, o ín­di­ce re­pre­sen­ta uma boa per­for­man­ce, mas es­ta é dis­tin­ta con­so­an­te os vá­ri­os se­to­res. Se é ver­da­de que o re­ta­lho é o me­lhor se­tor em ter­mos de per­for­man­ce, tam­bém é “o se­tor com mai­or grau de vo­la­ti­li­da­de ao lon­go da sé­rie, por­que acom­pa­nha de per­to as mo­vi­men­ta­ções da eco­no­mia”.

Luís Fran­cis­co des­ta­ca tam­bém o bom com­por­ta­men­to do seg­men­to “saú­de”, do tu­ris­mo e do mer­ca­do de es­cri­tó­ri­os nas zo­nas pri­me de Lis­boa, cu­ja per­for­man­ce di­fe­re mui­to dos es­cri­tó­ri­os fo­ra da ci­da­de, que têm ain­da re­tor­nos ne­ga­ti­vos. As­sim co­mo o mer­ca­do in­dus­tri­al e lo­gís­ti­ca, que ape­sar de me­nos ne­ga­ti­vo que em 2015, con­ti­nua com re­tor­nos abai­xo de ze­ro.

DR

Re­ta­lho é o se­tor com me­lhor per­for­man­ce mas tam­bém o que apre­sen­ta mai­or grau de vo­la­ti­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.