Cen­tros de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal não po­dem ser des­vir­tu­a­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Aim­por­tân­cia dos Cen­tros de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal, de­sig­na­da­men­te os cen­tros de for­ma­ção de Ges­tão Par­ti­ci­pa­da, co­mo o Cen­tro de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal da In­dús­tria da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas do Nor­te (CICCOPN), é ma­ni­fes­ta.

Na ver­da­de, há de­ze­nas de anos que con­tri­bu­em pa­ra a cer­ti­fi­ca­ção de com­pe­tên­ci­as de for­man­dos, jo­vens e adul­tos, de­sem­pre­ga­dos e em­pre­ga­dos, can­di­da­tos a 1º em­pre­go ou no­vo em­pre­go qua­li­fi­ca­do, pro­mo­ven­do a sua in­ser­ção di­re­ta no mer­ca­do de tra­ba­lho e a rein­te­gra­ção pro­fis­si­o­nal nas em­pre­sas do se­tor. A re­pu­ta­ção dos nos­sos pro­fis­si­o­nais, una­ni­me­men­te re­co­nhe­ci­da, de­ve-se, em mui­to, ao tra­ba­lho que foi de­sen­vol­vi­do por es­tes Cen­tros.

No atu­al con­tex­to, mar­ca­do por pro­fun­dos pro­ces­sos de re­con­ver­são da es­tru­tu­ra pro­du­ti­va, a sua im­por­tân­cia ga­nha mai­or re­le­vân­cia. Com efei­to, é ne­ces­sá­rio as­su­mir co­mo pri­o­ri­tá­ria a ado­ção de po­lí­ti­cas so­ci­ais e de em­pre­go, ten­do por fi­na­li­da­de, não ape­nas a me­lho­ria da qu­a­li­da­de dos atu­ais em­pre­gos, mas, tam­bém, o com­ba­te efe­ti­vo ao de­sem­pre­go.

Ora, é evi­den­te que o se­tor da cons­tru­ção es­tá em re­cu­pe­ra­ção e, nes­te pri­mei­ro tri­mes­tre do ano e em ter­mos ho­mó­lo­gos, foi res­pon­sá­vel pe­la cri­a­ção lí­qui­da de 23.045 pos­tos de tra­ba­lho. Vi­ve­mos um de­sen­vol­vi­men­to ím­par, ao ní­vel dos de­sa­fi­os tec­no­ló­gi­cos, no­me­a­da­men­te com a in­tro­du­ção de no­vos ma­te­ri­ais e me­to­do­lo­gi­as ino­va­do­ras, a ren­di­bi­li­za­ção dos re­cur­sos de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, au­to­ma­ção da in­for­ma­ção na cons­tru­ção, di­gi­ta­li­za­ção da cons­tru- ção, bi­o­cons­tru­ção, re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção.

A res­pos­ta a es­tes de­sa­fi­os não po­de ser pos­ta em cau­sa pe­la ado­ção de po­lí­ti­cas que ten­dem a con­cen­trar a for­ma­ção pro­fis­si­o­nal nas es­co­las que, sem cor­res­pon­dên­cia com as efe­ti­vas ne­ces­si­da­des do mer­ca­do, ori­en­tam os seus alu­nos pa­ra cur­sos pro­fi ssi­o­nais, nes­sa mes­ma ins­ti­tui­ção. Não nos po­de­mos es­que­cer que os Cen­tros de Re­de Se­to­ri­al, ads­tri­tos ao Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, So­li­da­ri­e­da­de e Se­gu­ran­ça So­ci­al, têm as po­ten­ci­a­li­da­des for­ma­ti­vas ade­qua­das pa­ra pro­mo­ver os cur­sos de for­ma in­te­gral.

Por is­so, o seu pa­pel não po­de ser me­no­ri­za­do. Se atri­buí­rem aos Agru­pa­men­tos de Es­co­las o que de­ve­ria ser atri­bui­ção dos Cen­tros de Ges­tão Di­re­ta e de Ges­tão Par­ti­ci­pa­da do Ins­ti­tu­to do Em­pre­go e For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal – IEFP, I.P., des­per­di­çam-se os re­cur­sos que es­tes Cen­tros dis­põem, em par­ti­cu­lar na área da Cons­tru­ção. Na ver­da­de, o seu a seu do­no e o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção não es­tá, por na­tu­re­za, vo­ca­ci­o­na­do pa­ra es­ta fun­ção.

Es­tas cir­cuns­tân­ci­as co­ar­tam a ca­pa­ci­da­de for­ma­ti­va e de in­ter­ven­ção dos Cen­tros de For­ma­ção na qua­li­fi­ca­ção dos pro­fi ssi­o­nais do se­tor e, em úl­ti­ma ins­tân­cia, a com­pe­ti­ti­vi­da­de das pró­pri­as em­pre­sas. Ao lon­go dos anos, os Cen­tros têm da­do pro­vas da sua com­pe­tên­cia, dis­po­ni­bi­li­zan­do ao se­tor os for­man­dos que aju­da­ram a cons­truir e a en­gra­de­cer um te­ci­do em­pre­sa­ri­al, ho­je, de pres­tí­gio mun­di­al. Porquê al­te­rar es­ta me­to­do­lo­gia que tan­tas pro­vas deu do seu êxi­to?

Pre­si­den­te da AICCOPN – As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.