Hou­ses of Por­tu­gal – um pro­je­to de união

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Na pas­sa­da se­ma­na te­ve lu­gar no Por­to a apre­sen­ta­ção do Hou­ses of Por­tu­gal – Va­lue and Sty­le, um pro­je­to que nas­ceu de um con­vi­te que a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos Co­mer­ci­an­tes de Ma­te­ri­ais de Cons­tru­ção (APCMC) fez à As­so­ci­a­ção dos Pro­fis­si­o­nais e Em­pre­sas de Me­di­a­ção Imo­bi­liá­ria de Por­tu­gal (APEMIP), e que re­pre­sen­ta a im­por­tân­cia da união en­tre du­as as­so­ci­a­ções que, ape­sar de te­rem com­pe­tên­ci­as dis­tin­tas, se com­ple­men­tam nos ob­je­ti­vos de cres­ci­men­to e de pro­mo­ção do mer­ca­do imo­bi­liá­rio por­tu­guês jun­to dos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais.

Daí, nas­ceu o Hou­ses of Por­tu­gal, um pla­no con­jun­to le­va­do a ca­bo no âm­bi­to do Pro­gra­ma Ope­ra­ci­o­nal de Com­pe­ti­ti­vi­da­de e In­ter­na­ci­o­na­li­za­ção, o COMPETE 2020, em que am­bas as as­so­ci­a­ções acre­di­ta­ram des­de o iní­cio e que co­lo­ca­rão em prá­ti­ca no de­cor­rer dos pró­xi­mos dois anos, as­su­min­do a res­pon­sa­bi­li­da­de de au­men­tar a no­to­ri­e­da­de in­ter­na­ci­o­nal e po­ten­ci­ar as qua­li­da­des da fi­lei­ra da cons­tru­ção e do imo­bi­liá­rio além­fron­tei­ras, atra­vés de cam­pa­nhas co­le­ti­vas e es­tra­té­gi­as de pro­mo­ção da ima­gem e da vi­si­bi­li­da­de da ofer­ta de va­lor jun­to de mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais e da opi­nião pú­bli­ca dos mer­ca­dos ex­ter­nos.

A pro­mo­ção no es­tran­gei­ro se­rá ci­rúr­gi­ca e dis­tri­buí­da nos paí­ses que fo­ram iden­ti­fi­ca­dos co­mo pri­o­ri­tá­ri­os pa­ra es­ta ação: o Bra­sil, mer­ca­do es­tra­té­gi­co com uma pro­cu­ra cres­cen­te por Por­tu­gal; a Fran­ça, o Rei­no Uni­do, mer­ca­dos que tra­di­ci­o­nal­men­te in­ves­tem no imo­bi­liá­rio por­tu­guês; e o Du­bai, um mer­ca­do emer­gen­te, que ca­re­ce ain­da da di­vul­ga­ção de Por­tu­gal en­quan­to des­ti­no de in­ves­ti­men­to.

Ao pro­mo­ver­mos o nos­so país e o nos­so imo­bi­liá­rio e ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, es­ta­mos a tra­zer in­ves­ti­men­to que se­rá da mai­or im­por­tân­cia, não só pa­ra os sec­to­res que re­pre­sen­ta­mos, mas tam­bém da nos­sa eco­no­mia. Um dos gran­des ob­je­ti­vos até o fi­nal do pro­je­to que ter­mi­na­rá em 2019, é de au­men­tar a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de do in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro no sec­tor dos atu­ais 23% pa­ra cer­ca de 30%.

A fi­lei­ra da cons­tru­ção e do imo­bi­liá­rio é uma das mais im­por­tan­tes pa­ra o nos­so de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, e a nós, pro­fis­si­o­nais, ca­be-nos o pa­pel de pro­cu­rar sem­pre as op­ções mais viá­veis e as me­lho­res saí­das pa­ra que os mer­ca­dos fun­ci­o­nem com um di­na­mis­mo po­si­ti­vo. E é mais fá­cil fa­zê-lo em con­jun­to, agre­gan­do di­ver­sos ato­res do mer­ca­do e in­ver­ten­do uma cer­ta ten­dên­cia que exis­te pa­ra a di­vi­são, em vez da con­ci­li­a­ção. É com o fo­co no bem co­mum que as es­tru­tu­ras de­vem fo­car os seus ob­je­ti­vos, pro­mo­ven­do e de­fen­den­do la­do a la­do e a uma só voz os ele­men­tos de união que os po­dem cre­di­bi­li­zar.

O in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro e a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção são por is­so uma das prin­ci­pais apos­tas da APEMIP e da APCMC, e jus­ti­fi­car-se-á en­quan­to re­gis­tar­mos in­te­res­se e pro­cu­ra por par­te de po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res. Vi­ve­mos num mun­do glo­ba­li­za­do, e não te­nho dú­vi­das de que o fu­tu­ro des­ta fi­lei­ra pas­sa pe­la pro­fis­si­o­na­li­za­ção e in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do sec­tor.

A fi­lei­ra da cons­tru­ção e do imo­bi­liá­rio é uma das mais im­por­tan­tes pa­ra o nos­so de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, e a nós, pro­fis­si­o­nais, ca­be-nos o pa­pel de pro­cu­rar sem­pre as op­ções mais viá­veis e as me­lho­res saí­das pa­ra que os mer­ca­dos fun­ci­o­nem com um di­na­mis­mo po­si­ti­vo

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.