Pro­gra­ma Ren­da Aces­sí­vel co­lo­ca 126 fo­gos no ter­re­no

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

O pri­mei­ro con­cur­so pú­bli­co do pro­gra­ma mu­ni­ci­pal Ren­da Aces­sí­vel, ago­ra lan­ça­do, vai dis­po­ni­bi­li­zar nu­ma pri­mei­ra fa­se 126 apar­ta­men­tos a cus­tos re­du­zi­dos em Lis­boa. A sua co­lo­ca­ção no mer­ca­do es­ti­ma pre­ços de ar­ren­da­men­to en­tre 300 eu­ros men­sais pa­ra um T0 e 600 eu­ros pa­ra um apar­ta­men­to T4.

Es­tão abran­gi­dos nes­te pri­mei­ro con­cur­so 16 edi­fí­ci­os mu­ni­ci­pais lo­ca­li­za­dos na Rua de São Lá­za­ro, que se­rão ce­di­dos em di­rei­to de su­per­fí­cie du­ran­te o pe­río­do con­tra­tu­al, pa­ra se­rem re­a­bi­li­ta­dos por pri­va­dos. O con­tra­to é de 10 mi­lhões de eu­ros, va­lor re­fe­ren­te aos 25 anos pre­vis­tos pa­ra a ex­plo­ra­ção dos edi­fí­ci­os pa­ra ha­bi­ta­ção aces­sí­vel, aos cin­co anos do pra­zo es­ti­ma­do pa­ra pro­je­tos e obras e ao va­lor do pa­tri­mó­nio/isen­ções tri­bu­tá­ri­as.

De acor­do com o anún­cio pu­bli­ca­do em Diá­rio da Re­pú­bli­ca, es­te con­cur­so pre­vê a “con­ces­são, com fi­nan­ci­a­men­to, con­ce­ção, pro­je­to, cons­tru­ção/re­a­bi­li­ta­ção, con­ser­va­ção e ex­plo­ra­ção de bens imó­veis do mu­ni­cí­pio de Lis­boa, no âm­bi­to do ‘PRA’, si­tos na Rua de São Lá­za­ro”. A pro­pos­ta mais van­ta­jo­sa é o prin­ci­pal cri­té­rio des­te con­cur­so, cu­jo pra­zo li­mi­te é o dia 28 de ju­lho.

Es­te pri­mei­ro con­cur­so in­se­re-se num to­tal de 6000 fo­gos pre­vis­tos em 15 zo­nas da ci­da­de. O in­ves­ti­men­to mu­ni­ci­pal se­rá de 400 mi­lhões de eu­ros. A in­ten­ção des­te pro­gra­ma se­rá pra­ti­car pre­ços que não re­pre­sen­tem mais de 35% do ren­di­men­to dis­po­ní- vel das fa­mí­li­as, nem me­nos de 10%.

O aces­so a es­te pro­gra­ma se­rá fei­to atra­vés de uma pla­ta­for­ma ele­tró­ni­ca, na qual os in­te­res­sa­dos em be­ne­fi­ci­ar des­te pro­gra­ma po­de­rão re­gis­tar-se e dar in­for­ma­ções so­bre o ti­po de agre­ga­do e ren­di­men­tos, pa­ra cal­cu­lar as ren­das, e quais as zo­nas e ti­po­lo­gi­as que lhes in­te­res­sam. To­das es­tas in­for­ma­ções vão in­flu­en­ci­ar os con­cur­sos pa­ra as con­ces­sões que se­rão de­sen­vol­vi­das. As pri­mei­ras fra­ções só es­ta­rão, no en­tan­to, dis­po­ní­veis pa­ra ar­ren­dar den­tro de três anos, al­tu­ra em que já es­ta­rão con­cluí­das as obras de re­a­bi­li­ta­ção ou cons­tru­ção dos pri­mei­ros pré­di­os.

O pre­si­den­te da au­tar­quia, Fer­nan­do Me­di­na, ha­via já re­fe­ri­do que o pro­gra­ma co­lo­ca­rá no mer­ca­do imó­veis de ti­po­lo­gi­as T0 a T2 com ren­das en­tre os 250 e os 450 eu­ros, ou se­ja, “mui­to abaixo dos va­lo­res pra­ti­ca­dos pe­lo mer­ca­do”. O PRA pre­vê ain­da a cons­tru­ção de co­mér­cio e ser­vi­ços, bem co­mo no­vos equi­pa­men­tos de pro­xi­mi­da­de, co­mo cre­ches e es­co­las.

Mas a par­ti­ci­pa­ção de par­cei­ros pri­va­dos é cen­tral na sua con­cre­ti­za­ção, co­mo ex­pli­cou Fer­nan­do Me­di­na. As­sim, a au­tar­quia dis­po­ni­bi­li­za ter­re­nos ou edi­fí­ci­os seus, se­le­ci­o­nan­do de­pois, atra­vés de con­cur­so pú­bli­co, os con­ces­si­o­ná­ri­os pri­va­dos que vão cons­truir ou re­a­bi­li­tar os fo­gos. “O mu­ni­cí­pio man­te­rá a pro­pri­e­da­de dos ter­re­nos e re­cu­pe­ra­rá as ca­sas alu­ga­das no fim do pra­zo da con­ces­são, que ron­da­rá os 35 anos, em mé­dia”, ex­pli­cou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.