Par­que em­pre­sa­ri­al do Por­to com per­fil ina­de­qua­do à pro­cu­ra

Por­to Bu­si­ness Lo­ca­ti­on Pla­ta­form (PBLP) apu­ra que Bo­a­vis­ta e Bai­xa são as lo­ca­li­za­ções com as ren­das mé­di­as de ofer­ta mais ele­va­das

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

A ofer­ta atu­al dos es­pa­ços em­pre­sa­ri­ais do Por­to ca­re­ce de “uma ope­ra­ção de es­ca­la ade­qua­da de pro­mo­ção de um par­que de es­cri­tó­ri­os que res­pon­da ao mer­ca­do e con­cre­ti­ze o po­ten­ci­al” da pro­cu­ra.

Se­gun­do Ri­car­do Gui­ma­rães, di­re­tor da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio, “ape­sar da vas­ta ofer­ta de es­pa­ços com po­ten­ci­al de ocu­pa­ção em­pre­sa­ri­al na ci­da­de, con­ti­nua a exis­tir uma fal­ta de pro­du­to com­pa­tí­vel com o per­fil atu­al da pro­cu­ra” na ci­da­de.

No âm­bi­to do pro­je­to Por­to Bu­si­ness Lo­ca­ti­on Pla­ta­form (PBLP), de­sen­vol­vi­do pe­la au­tar­quia por­tu­en­se, atra­vés da In­vestPor­to, e pe­la Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio, foi pos­sí­vel apu­rar que as zo­nas da Bo­a­vis­ta e da Bai­xa são as lo­ca­li­za­ções do Por­to com as ren­das mé­di­as de ofer­ta mais ele­va­das pa­ra es­pa­ços em­pre­sa­ri­ais.

A ini­ci­a­ti­va iden­ti­fi­cou um uni­ver­so de mais de 418 mil m2 de es­pa­ços edi­fi­ca­dos dis­po­ní­veis pa­ra ocu­pa­ção em­pre­sa­ri­al na ci­da­de, dos quais 86% di­zem res­pei­to a ar­ma­zéns e os res­tan­tes 14% a es­cri­tó­ri­os. A es­te vo­lu­me, so­mam-se cer­ca de 620 mil m2 de ter­re­nos com po­ten­ci­al pa­ra lo­ca­li­za­ção em­pre­sa­ri­al.

Es­te no­vo sis­te­ma de in­for­ma­ção, que tem re­a­li­za­do um le­van­ta­men­to sis­te­má­ti­co do par­que de imó­veis dis­po­ní­veis com po­ten­ci­al pa­ra ocu­pa­ção em­pre­sa­ri­al na ci­da­de, re­ve­lou ain­da que as ren­das mé­di­as dos es­cri­tó­ri­os em ofer­ta na Bo­a­vis­ta em mar­ço des­te ano eram de 12,3 eu­ros/ m2/mês e na Bai­xa si­tu­a­ram-se nos 11 eu­ros/m2/mês. Já no ca­so dos ar­ma­zéns, es­ses va­lo­res fo­ram de 6,4 eu­ros/m2/mês na Bai­xa, sen­do que não foi iden­ti­fi­ca­do stock de ar­ma­zéns dis­po­ní­veis na zo­na da Bo­a­vis­ta.

Por sua vez, Cam­pa­nhã e a Zo­na Em­pre­sa­ri­al do Por­to (ZEP) apre­sen­tam os va­lo­res mais con­ti­dos da ci­da­de em am­bos os seg­men­tos. Os es­cri­tó­ri­os em ofer­ta apre­sen­tam ren­das mé­di­as de 10,3 eu­ros/m2/mês em Cam­pa­nhã e de 9,6 eu­ros/m2/mês na ZEP. Nos ar­ma­zéns, es­ses va­lo- res são de, res­pe­ti­va­men­te, 5,1 eu­ros/m2/mês e de 4,4 eu­ros/m2/mês.

Zo­na Ori­en­tal po­de cres­cer

Es­tes da­dos vão de en­con­tro ao es­tu­do re­fe­ren­te ao mer­ca­do de es­cri­tó­ri­os do Por­to que ha­via si­do apre­sen­ta­do pe­las con­sul­to­ras Pre­di­bi­sa e Cush­man & Wa­ke­fi­eld, se­gun­do o qual ape­nas 10% da ofer­ta dis­po­ní­vel no Gran­de Por­to é con­si­de­ra­da de qu­a­li­da­de al­ta.

Por ou­tro la­do, ape­nas 13% da ofer­ta exis­ten­te no Gran­de Por­to per­ten­ce a in­ves­ti­do­res ins­ti­tu­ci­o­nais. Eric van Leuw­ven, res­pon­sá­vel da CW, afir­mou que “o Por­to vi­ve um mo­men­to úni­co da sua his­tó­ria, com a pro­cu­ra a cres­cer e a fal­ta de es­cri­tó­ri­os a ve­ri­fi­car-se”. E se a “ofer­ta é mai­or do que se pen­sa­va, em ter­mos de qu­a­li­da­de dei­xa a de­se­jar”, com ape­nas 10% dos es­cri­tó­ri­os con­si­de­ra­dos de qu­a­li­da­de al­ta.

No mes­mo es­tu­do, é pos­sí­vel afe­rir que o Por­to con­cen­tra a mai­o­ria da ofer­ta dos con­ce­lhos ana­li­sa­dos, com 55% do to­tal, num stock de 800 mil m2 re­par­ti­dos por mais de 200 edi­fí­ci­os. No Gran­de Por­to, a ofer­ta to­tal é de 1,5 mi­lhões de m2 de área bru­ta lo­cá­vel. Pre­do­mi­nam edi­fí­ci­os de pe­que­na e mé­dia di­men­são, sen­do a zo­na ori­en­tal a que tem a di­men­são mé­dia mais ele­va­da, se­guin­do-se a Bo­a­vis­ta. A zo­na ori­en­tal do Por­to, en­glo­ban­do as fre­gue­si­as de Bon­fim e Cam­pa­nhã, ofe­re­ce gran­des opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­to na re­a­bi­li­ta­ção de es­pa­ços in­dus­tri­ais an­ti­gos pa­ra o re­for­ço da ofer­ta de es­cri­tó­ri­os de qu­a­li­da­de al­ta na ci­da­de.

Cam­pa­nhã e a Zo­na Em­pre­sa­ri­al do Por­to apre­sen­tam os va­lo­res mais con­ti­dos em es­cri­tó­ri­os e ar­ma­zéns

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.