Mer­ca­do ibé­ri­co com ta­xa de re­tor­no de 7%

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

Nos úl­ti­mos 16 anos, o mer­ca­do ibé­ri­co de­vol­veu um re­tor­no mé­dio de 7% aos in­ves­ti­do­res. Es­ta foi uma das prin­ci­pais con­clu­sões do Ibe­ri­an Pro­perty Sum­mit, que reu­niu em Lon­dres 153 pro­fis­si­o­nais do se­tor imo­bi­liá­rio in­ter­na­ci­o­nal num en­con­tro de­di­ca­do ao in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio em Por­tu­gal e Es­pa­nha.

Na me­sa re­don­da de­di­ca­da aos re­tor­nos do imo­bi­liá­rio, os ora­do­res con­vi­da­dos não che­ga­ram a con­sen­so so­bre qual o se­tor mais atra­ti­vo: uns apos­tam no se­tor re­si­den­ci­al e es­cri­tó­ri­os, ou­tros o re­ta­lho e o in­dus­tri­al e lo­gís­ti­ca. Cer­to é que “atu- al­men­te há com­pe­ti­ção, e há mais di­nhei­ro”, ates­tou Pe­dro Co­e­lho, da Squa­re AM. E as opor­tu­ni­da­des es­tão à vis­ta.

O Ibe­ri­an Pro­perty Sum­mit fi­cou mar­ca­do pe­la pre­sen­ça dos prin­ci­pais in­ves­ti­do­res imo­bi­liá­ri­os in­ter­na­ci­o­nais da atu­a­li­da­de, in­cluin­do a Cas­te­la­ke, a CBRE GI, a Blacks­to­ne, en­tre vá­ri­os ou­tros, bem co­mo das prin­ci­pais So­ci­mis de Es­pa­nha. A pri­mei­ra ini­ci­a­ti­va de­di­ca­da ao mer­ca­do ibé­ri­co de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio em Lon­dres de­cor­reu no Hyatt Re­gency – The Chur­chill, e con­tou tam­bém com a par­ti­ci­pa­ção de mais de 20 ora­do­res de re­no­me.

Ru­pert Na­bar­ro, Con­fe­ren­ce Chair­man des­te even­to, sa­li­en­tou na aber­tu­ra da con­fe­rên­cia que “o mer­ca­do ibé­ri­co, Por­tu­gal e Es­pa­nha, não é ain­da co­nhe­ci­do o su­fi­ci­en­te em Lon­dres e no mun­do. Um mer­ca­do que é ver­da­dei­ra­men­te vi­bran­te e cheio de opor­tu­ni­da­des”, con­si­de­rou. Tra­ta-se de dois paí­ses que “es­tão a re­cu­pe­rar de uma cri­se se­ve­ra e a cres­cer ex­po­nen­ci­al­men­te”, pe­lo que são nes­te mo­men­to mer­ca­dos re­al­men­te in­te­res­san­tes”.

Na mes­ma li­nha, o eco­no­mis­ta Da­ni­el La­cal­le lem­brou na sua apre­sen­ta­ção que “nos úl­ti­mos anos a eco­no­mia ibé­ri­ca trans­for­mou-se, e nos úl­ti­mos cin­co anos re­cu­pe­ra de uma for­ma ex­pres­si­va, apoi­a­da por vá­ri­as for­ças ex­ter­na”. Des­de lo­go, “uma po­lí­ti­ca de aber­tu­ra ao ex­te­ri­or das em­pre­sas”, que “saí­ram da cri­se mui­to mais com­pe­ti­ti­vas em vá­ri­os as­pe­tos”. “Es­ta­mos a vi­ver a mais sau­dá­vel das re­cu­pe­ra­ções, mas te­mos de en­ten­der ris­cos”, co­lo­ca­dos por ele­men­tos co­mo a ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, mo­ne­tá­ria ou eco­nó­mi­ca.

Na óti­ca do in­ves­ti­men­to, es­te res­pon­sá­vel acre­di­ta que foi ul­tra­pas­sa­da a “ne­ces­si­da­de de im­pul­si­o­nar a pro­cu­ra in­ter­na, que es­tá con­so­li­da­da”. “Pre­ci­sa­mos ago­ra de es­ti­mu­lar a pro­cu­ra ex­ter­na”, con­cluiu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.