O al­vo cer­to

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Apu­jan­ça do mer­ca­do imo­bi­liá­rio por­tu­guês é re­al, no en­tan­to, não é trans­ver­sal a to­dos os seg­men­tos. O mer­ca­do de com­pra e ven­da tem vin­do a as­sis­tir a di­nâ­mi­cas po­si­ti­vas nos úl­ti­mos anos, ten­do já ba­ti­do re­cor­des no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017, ao apre­sen­tar o me­lhor nú­me­ro de tran­sa­ções de alo­ja­men­tos fa­mi­li­a­res des­de que há re­gis­to.

No en­tan­to, por seu la­do, o mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ur­ba­no ha­bi­ta­ci­o­nal tem vin­do a per­der a pou­ca re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de que ga­nhou aquan­do o fe­cho da tor­nei­ra do cré­di­to à ha­bi­ta­ção du­ran­te os anos de cri­se.

A pre­fe­rên­cia pe­la pro­pri­e­da­de pri­va­da é um dos mo­ti­vos, mas o prin­ci­pal pren­de-se com as vá­ri­as dé­ca­das pas­sa­das de um mer­ca­do de ar­ren­da­men­to to­tal­men­te ine­fi­caz, com di­ver­sos en­tra­ves a que con­ti­nu­a­mos a as­sis­tir nos di­as de ho­je, e que se agra­vam com os va­lo­res de ren­das de­sa­de­qua­dos que se pra­ti­cam, e que não cor­res­pon­dem ao ní­vel de vi­da da gran­de mai­o­ria dos por­tu­gue­ses.

Há mui­to que di­go que a lei do Ar­ren­da­men­to Ur­ba­no pre­ci­sa de al­guns ajus­tes, não con­fun­dí­veis com al­te­ra­ções drás­ti­cas que po­de­ri­am de al­gu­ma for­ma cri­ar ins­ta­bi­li­da­de no mer­ca­do.

Mas pa­ra tal, é im­pe­ra­ti­vo ten­tar que ha­ja con­sen­sos en­tre os di­fe­ren­tes agen­tes do mer­ca­do, e não há dú­vi­da de que se há te­ma que é trans­ver­sal a to­dos as par­tes e que ge­ra es­te con­sen­so, é a ele­va­da fis­ca­li­da­de que é apli­ca­da so­bre o imo­bi­liá­rio, no ge­ral.

Re­ver a fis­ca­li­da­de apli­cá­vel aos ren­di­men­tos pro­ve­ni­en­tes dos ar­ren­da­men­tos ur­ba­nos é por is­so mais do que ur­gen­te pa­ra pro­mo­ver um mer­ca­do a fun­ci­o­nar com na­tu­ra­li­da­de.

Uma re­vi­são que se im­põe por jus­ti­ça, de for­ma a ga­ran­tir que quem in­ves­te se­ja tri­bu­ta­do pe­lo seu ren­di­men­to, e não pe­la pos­se. Há ho­je mui­tos pro­pri­e­tá­ri­os tri­bu­ta­dos em se­de de IRS ou na al­ter­na­ti­va da ta­xa li­be­ra­tó­ria, que são al­vo de uma au­tên­ti­ca du­pla tri­bu­ta­ção aquan­do o pa­ga­men­to do IMI, por exem­plo.

Sur­ge ago­ra a no­tí­cia de que o Go­ver­no es­ta­rá fi­nal­men­te a olhar pa­ra a fis­ca­li­da­de so­bre es­te mer­ca­do e a pre­pa­rar uma me­di­da de in­cen­ti­vo ao ar­ren­da­men­to a lon­go pra­zo (apa­ren­te­men­te, por um pe­río­do mí­ni­mo de dez anos), atra­vés de cor­tes no IRS dos pro­pri­e­tá­ri­os que co­lo­cam os seus imó­veis no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to “nor­mal”.

Uma pro­pos­ta que aplau­do, e que fi­nal­men­te me­xe em as­pe­tos que po­dem pro­mo­ver al­gu­ma mu­dan­ça efe­ti­va nes­te seg­men­to, por via de uma di­fe­ren­ci­a­ção po­si­ti­va que per­mi­ti­rá ge­rar al­gu­ma es­ta­bi­li­da­de, tan­to a se­nho­ri­os quan­to a in­qui­li­nos, e que é pre­fe­rí­vel a pe­na­li­zar o alo­ja­men­to lo­cal, que tem si­do o bo­de ex­pi­a­tó­rio pa­ra os pro­ble­mas de ar­ren­da­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal em Por­tu­gal.

A in­for­ma­ção ain­da não é mui­ta, mas é in­dis­pen­sá­vel que as me­di­das pre­vis­tas se­jam ci­rúr­gi­cas e não ape­nas sim­bó­li­cas, sob pe­na de não ter qual­quer im­pac­to no de­sen­vol­vi­men­to do mer­ca­do de ar­ren­da­men­to.

Fi­nal­men­te, o Es­ta­do pa­re­ce es­tar a olhar pa­ra o al­vo cer­to. Res­ta sa­ber se lhe acer­ta­rá em cheio, ou se apon­ta­rá uma vez mais ao la­do…

A lei do Ar­ren­da­men­to Ur­ba­no pre­ci­sa de al­guns ajus­tes, não con­fun­dí­veis com al­te­ra­ções drás­ti­cas que po­de­ri­am de al­gu­ma for­ma cri­ar ins­ta­bi­li­da­de no mer­ca­do. Re­ver a fis­ca­li­da­de apli­cá­vel aos ren­di­men­tos pro­ve­ni­en­tes dos ar­ren­da­men­tos ur­ba­nos é por is­so mais do que ur­gen­te pa­ra pro­mo­ver um mer­ca­do a fun­ci­o­nar com na­tu­ra­li­da­de

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.