Ní­vel de ati­vi­da­de na re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na cres­ce 22,6%

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Em Maio, o Ba­ró­me­tro AICCOPN da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na apon­tou pa­ra um cres­ci­men­to do ní­vel de ati­vi­da­de de 22,6%, em ter­mos ho­mó­lo­gos, e que, não me­nos im­por­tan­te, foi acom­pa­nha­do por uma su­bi­da de 29% no ín­di­ce que me­de a evo­lu­ção da car­tei­ra de en­co­men­das.

São va­lo­res cla­ra­men­te po­si­ti­vos e que evi­den­ci­am, não ape­nas uma ma­ni­fes­ta me­lho­ria da ati­vi­da­de das em­pre­sas que se de­di­cam a es­te seg­men­to, co­mo uma im­por­tan­te re­cu­pe­ra­ção dos vo­lu­mes de em­pre­go as­se­gu­ra­dos pe­lo se­tor. Com efei­to, no pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano, re­gis­ta­va-se a cri­a­ção lí­qui­da de 23.045 pos­tos de tra­ba­lho fa­ce a 2016, num con­tex­to em que o in­ves­ti­men­to pri­va­do e, par­ti­cu­lar­men­te, a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, as­su­mem um lu­gar de des­ta­que.

Es­ta evo­lu­ção é sen­ti­da, de for­ma es­pe­ci­al­men­te in­ten­sa, nos cen­tros his­tó­ri­cos das du­as prin­ci­pais ci­da­des do país, e re­sul­ta, em gran­de me­di­da, do bom mo­men­to que o tu­ris­mo na­ci­o­nal es­tá a atra­ves­sar.

O for­te cres­ci­men­to da car­tei­ra de en­co­men­das das em­pre­sas que atu­am na re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na si­na­li­za a atu­al con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res que, pe­ran­te o mai­or di­na­mis­mo do mer­ca­do, e a pou­ca atra­ti­vi­da­de dos pro­du­tos fi­nan­cei­ros ofe­re­ci­dos pe­la ban­ca, iden­ti­fi­cam um ele­va­do po­ten­ci­al no in­ves­ti­men­to nes­tes es­pa­ços. E a ver­da­de é que, num mun­do al­ta­men­te glo­ba­li­za­do co­mo o nos­so, o imo­bi­liá­rio é um ati­vo que com­pe­te a uma es­ca­la ver­da­dei­ra­men­te in­ter­na­ci­o­nal e, a es­se ní­vel, Por­tu­gal apre­sen­ta uma re­la­ção pre­ço-qua­li­da­de que é al­ta­men­te com­pe­ti­ti­va.

A ex­pres­si­vi­da­de des­tes cres­ci­men­tos e o seu im­pac­to nes­tes cen­tros his­tó­ri­cos, não nos po­dem des­vi­ar da­que­les que sem­pre fo­ram con­si­de­ra­dos os gran­des de­síg­ni­os as­so­ci­a­dos à Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na. O de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel das nos­sas ci­da­des e vi­las, a cri­a­ção de em­pre­go, a po­lí­ti­ca de ha­bi­ta­ção e a co­e­são so­ci­al e ter­ri­to­ri­al de Por­tu­gal, são ele­men­tos es­sen­ci­ais de uma es­tra­té­gia glo­bal que sem­pre de­fen­de­mos: o de­sa­fio de alar­gar o atu­al ci­clo de in­ves­ti­men­to à ge­ne­ra­li­da­de do país, in­cluin­do o In­te­ri­or, as­so­ci­a­do ao de­sen­vol­vi­men­to de um mer­ca­do de Ar­ren­da­men­to que con­ti­nua mui­to aquém do que se ve­ri­fi­ca na res­tan­te Eu­ro­pa ou, mes­mo, a ques­tões tão atu­ais e re­le­van­tes co­mo as ci­da­des in­te­li­gen­tes.

A Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na cres­ce. É um fac­to. Mas es­te cres­ci­men­to tem de ser apro­vei­ta­do pa­ra que se pos­sa cons­truir um fu­tu­ro sus­ten­ta­do e, con­se­quen­te­men­te, com ci­da­des vi­vas, com um país equi­li­bra­do e um te­ci­do em­pre­sa­ri­al com­pe­ti­ti­vo e sau­dá­vel.

A im­ple­men­ta­ção dos me­ca­nis­mos de apoio ao fi­nan­ci­a­men­to da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na e, de­sig­na­da­men­te, do pro­gra­ma “Ca­sa Efi­ci­en­te”, que con­ta­rá com a CPCI, en­quan­to en­ti­da­de par­cei­ra dos Mi­nis­té­ri­os do Am­bi­en­te, Pla­ne­a­men­to e In­fra­es­tru­tu­ras e da Eco­no­mia, irá cons­ti­tuir uma re­a­li­da­de a cur­to pra­zo. E o Es­ta­do não po­de es­que­cer o seu im­por­tan­te pa­pel de re­gu­la­dor.

A pro­mo­ção da sã con­cor­rên­cia, o com­ba­te à clan­des­ti­ni­da­de e a pro­li­fe­ra­ção de agen­tes que não cum­prem as mais ele­men­ta­res re­gras de se­gu­ran­ça e qua­li­da­de nas obras, são uma das prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções dos em­pre­sá­ri­os, que têm de ser aten­di­das. O cres­ci­men­to da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na im­pli­ca, tam­bém, um cres­ci­men­to das res­pon­sa­bi­li­da­des de quem de­ve ga­ran­tir o equi­lí­brio e a efi­ci­ên­cia do mer­ca­do.

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.