IFRRU 2020 abre no­vas li­nhas pa­ra fi­nan­ci­ar re­a­bi­li­ta­ção e efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca

Ins­tru­men­to Fi­nan­cei­ro pa­ra a Re­a­bi­li­ta­ção e Re­vi­ta­li­za­ção Ur­ba­nas co­lo­ca 1,4 mil mi­lhões de eu­ros à dis­po­si­ção dos pri­va­dos

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

O Ins­tru­men­to Fi­nan­cei­ro pa­ra a Re­a­bi­li­ta­ção e Re­vi­ta­li­za­ção Ur­ba­nas (IFRRU 2020), mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to a pri­va­dos pa­ra a exe­cu­ção de pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, en­con­tra-se dis­po­ní­vel pa­ra re­ce­ber as pri­mei­ras can­di­da­tu­ras. Re­cor­de-se que es­te ins­tru­men­to dis­põe de 1,4 mil mi­lhões de eu­ros pa­ra fi­nan­ci­ar pro­je­tos des­ta ín­do­le, dos quais 703 mi­lhões de fun­dos pú­bli­cos.

Se­gun­do re­fe­riu o Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te, res­pon­sá­vel pe­la ha­bi­ta­ção e re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, “os in­te­res­sa­dos já po­dem pre­pa­rar o aces­so ao fi­nan­ci­a­men­to, sen­do exi­gi­do ape­nas três pas­sos: ob­ten­ção de pa­re­cer de en­qua­dra­men­to da ope­ra­ção pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal, ob­ten­ção do cer­ti­fi­ca­do ener­gé­ti­co e pre­pa­ra­ção do pe­di­do de fi­nan­ci­a­men­to a apre­sen­tar aos ban­cos se­le­ci­o­na­dos”.

Re­cor­de-se que o IFRRU 2020 foi cri­a­do no âm­bi­to do mais re­cen­te qua­dro co­mu­ni­tá­rio de apoio e vi­sa “con­tri­buir pa­ra a re­vi­ta­li­za­ção das ci­da­des e pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção in­te­gral de edi­fí­ci­os”, bem co­mo de­sen­vol­ver uma mai­or “apos­ta na efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca”. O mo­de­lo de­se­nha­do pre­vê a dis­po­ni­bi­li­za­ção de em­prés­ti­mos com con­di­ções mais fa­vo­rá­veis fa­ce às exis­ten­tes no mer­ca­do”.

As en­ti­da­des fi­nan­cei­ras que irão in­ter­me­di­ar a li­ga­ção en­tre o IFRRU 2020 e o pú­bli­co fo­ram es­co­lhi­dos em con­cur­so pú­bli­co in­ter­na­ci­o­nal, ten­do si­do se­le­ci­o­na­das co­mo en­ti­da­des ges­to­ras fi­nan­cei­ras as ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as San­tan­der Tot­ta, BPI, Mil­len­nium BCP e Po­pu­lar Por­tu­gal, sen­do que, pa­ra o ins­tru­men­to de con­tra­ga­ran­tia foi se­le­ci­o­na­do o Fun­do de Con­tra­ga­ran­tia Mú­tuo.

Pro­je­tos ele­gí­veis

São apoi­a­dos pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção in­te­gral de edi­fí­ci­os com ida­de igual ou su­pe­ri­or a 30 anos, ou, no ca­so de ida­de in­fe­ri­or, que de­mons­trem um ní­vel de con­ser­va­ção igual ou in­fe­ri­or a dois (co­mo de­ter­mi­na­do nos ter­mos do De­cre­to-Lei n.º 266-B/2012, de 31 de de­zem­bro). Os edi­fí­ci­os re­a­bi­li­ta­dos po­de­rão des­ti­nar-se a ha­bi­ta­ção ou ati­vi­da­des eco­nó­mi­cas.

Os imó­veis de­vem ain­da es­tar lo­ca­li­za­dos den­tro de Área de Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na (ARU), em zo­nas ri­bei­ri­nhas, cen­tros his­tó­ri­cos ou zo­nas in­dus­tri­ais aban­do­na­das pre­vis­tas no Pla­no de Ação de Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na (PARU) ou em Pla­no de Ação In­te­gra­do pa­ra as Co­mu­ni­da­des Des­fa­vo­re­ci­das (PAICD) ou ins­tru­men­tos de pla­ne­a­men­to si­mi­la­res no ca­so das Re­giões Au­tó­no­mas.

Uma vez que to­dos os in­ves­ti­men­tos de­ve­rão es­tar en­qua­dra­dos em ARU e, pa­ra apoio dos fun­dos eu­ro­peus, es­tes pla­nos são ela­bo­ra­dos pe­los mu­ni­cí­pi­os, é im­pres­cin­dí­vel con­tac­tar a au­tar­quia a fim de ob­ter o pa­re­cer pré­vio obri­ga­tó­rio do mu­ni­cí­pio so­bre o en­qua­dra­men­to do pro­je­to.

Apoio na efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca

Em com­ple­men­to com a ope­ra­ção de re­a­bi­li­ta­ção, po­dem ain­da ser apoi­a­dos in­ves­ti­men­tos de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, de­ven­do pa­ra tal ser ob­ti­da uma au­di­to­ria ener­gé­ti­ca pré­via, atra­vés de pe­ri­tos cer­ti­fi­ca­dos jun­to da Ade­ne – Agên­cia pa­ra a Ener­gia, de for­ma a se­rem iden­ti­fi­ca­dos os in­ves­ti­men­tos que per­mi­tam ob­ter os me­lho­res be­ne­fí­ci­os em ter­mos de de­sem­pe­nho ener­gé­ti­co.

Por ou­tro la­do, o in­ves­ti­men­to não de­ve ter si­do ini­ci­a­do an­tes de apre­sen­tar um pe­di­do de fi­nan­ci­a­men­to. As­sim, o pe­di­do de fi­nan­ci­a­men­to de­ve ser for­ma­li­za­do an­tes de se­rem ini­ci­a­dos os tra­ba­lhos re­la­ti­vos ao pro­je­to”. En­ten­de-se co­mo iní­cio dos tra­ba­lhos “quer o iní­cio dos tra­ba­lhos de cons­tru­ção re­la­ci­o­na­dos com o in­ves­ti­men­to, quer o pri­mei­ro com­pro­mis­so fir­me de en­co­men­da de equi­pa­men­tos ou qual­quer ou­tro com­pro­mis­so que tor­ne o in­ves­ti­men­to ir­re­ver­sí­vel, con­so­an­te o que acon­te­cer pri­mei­ro”, re­fe­re a mes­ma en­ti­da­de.

A com­pra de ter­re­nos e os tra­ba­lhos pre­pa­ra­tó­ri­os, co­mo a ob­ten­ção de li­cen­ças, a ela­bo­ra­ção de pro­je­tos e a re­a­li­za­ção de es­tu­dos de vi­a­bi­li­da­de, não são con­si­de­ra­dos iní­cio dos tra­ba­lhos. Na re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na são ele­gí­veis as des­pe­sas ne­ces­sá­ri­as à exe­cu­ção da ope­ra­ção: - Re­a­li­za­ção de es­tu­dos, pla­nos, pro­je­tos, ati­vi­da­des pre­pa­ra­tó­ri­as e as­ses­so­ri­as di­re­ta­men­te li­ga­dos à ope­ra­ção, in­cluin­do a ela­bo­ra­ção da Aná­li­se Cus­toBe­ne­fí­cio, quan­do apli­cá­vel; - Tra­ba­lhos de cons­tru­ção ci­vil e ou­tros tra­ba­lhos de en­ge­nha­ria; - Fis­ca­li­za­ção, co­or­de­na­ção de se­gu­ran­ça e as­sis­tên­cia téc­ni­ca; - Tes­tes e en­sai­os; - Re­vi­sões de pre­ços de­cor­ren­tes da le­gis­la­ção apli­cá­vel e do con­tra­to, até ao li­mi­te de 5% do va­lor ele­gí­vel dos tra­ba­lhos efe­ti­va­men­te exe­cu­ta­dos; - Aqui­si­ção de ser­vi­ços de exe­cu­ção de ope­ra­ção de ca­das­tro pre­di­al do pré­dio ou pré­di­os em que in­ci­de a ope­ra­ção, in­cluin­do alu­guer de equi­pa­men­to; - Aqui­si­ção de edi­fí­ci­os e ter­re­nos, cons­truí­dos ou não cons­truí­dos, até ao mon­tan­te má­xi­mo de 10% do in­ves­ti­men­to to­tal ele­gí­vel da ope­ra­ção. As des­pe­sas as­so­ci­a­das à efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca na ha­bi­ta­ção pri­va­da in­clu­em: - In­ter­ven­ções na en­vol­ven­te opa­ca dos edi­fí­ci­os; - In­ter­ven­ções na en­vol­ven­te en­vi­dra­ça­da dos edi­fí­ci­os; - In­ter­ven­ções nos sis­te­mas de pro­du­ção de água quen­te sa­ni­tá­ria (AQS) e em ou­tros sis­te­mas téc­ni­cos; - Ilu­mi­na­ção in­te­ri­or; - Ins­ta­la­ção de sis­te­mas e equi­pa­men­tos que per­mi­tam a ges­tão de con­su­mos de ener­gia; - In­ter­ven­ções nos sis­te­mas de ven­ti­la­ção, ilu­mi­na­ção e ou­tros sis­te­mas ener­gé­ti­cos das par­tes co­muns dos edi­fí­ci­os. As in­ter­ven­ções de ener­gi­as re­no­vá­veis na ha­bi­ta­ção pa­ra au­to­con­su­mo de­vem vi­sar a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca e es­ta­rem li­mi­ta­das a 30% do in­ves­ti­men­to ele­gí­vel da in­ter­ven­ção na com­po­nen­te de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca. Au­di­to­ri­as, es­tu­dos, di­ag­nós­ti­cos e aná­li­ses ener­gé­ti­cas ne­ces­sá­ri­as à re­a­li­za­ção dos in­ves­ti­men­tos, bem co­mo a ava­li­a­ção «ex-post» in­de­pen­den­te, são tam­bém ele­gí­veis.

DR

Ins­tru­men­to apoia pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção em edi­fí­ci­os com 30 anos ou mais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.