A su­bir…

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Es­te ano tem to­das as con­di­ções pa­ra se afir­mar co­mo ano re­cor­de no que ao in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio diz res­pei­to. Só no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017, tran­sa­ci­o­na­ram-se 35 178 alo­ja­men­tos fa­mi­li­a­res, re­gis­tan­do-se um au­men­to de 19,4% fa­ce a igual pe­río­do de 2016. Es­te cres­ci­men­to re­for­ça o des­ti­no “Por­tu­gal” co­mo um dos mais ape­te­cí­veis pa­ra o in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio.

De acor­do com os da­dos di­vul­ga­dos num re­la­tó­rio do Glo­bal Pro­perty Gui­de, que ana­li­sa os pre­ços das ca­sas em 45 paí­ses, Por­tu­gal en­con­tra-se no top 20 ( mais pre­ci­sa­men­te no 17º lu­gar) dos paí­ses do mundo em que o imo­bi­liá­rio es­tá mais “quen­te”, ten­do os pre­ços da ha­bi­ta­ção re­gis­ta­do, no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017, um au­men­to de 4,18% fa­ce ao pe­río­do ho­mó­lo­go.

Es­ta com­pa­ra­ção, a ní­vel mun­di­al, con­fir­ma que Por­tu­gal se tem vin­do a des­ta­car en­quan­to país atra­en­te pa­ra cap­tar in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio, não só por apre­sen­tar pre­ços in­fe­ri­o­res à gran­de mai­o­ria dos paí­ses, so­bre­tu­do os eu­ro­peus, mas tam­bém por ter um po­ten­ci­al de va­lo­ri­za­ção cres­cen­te, co­mo se tem vin­do a con­fir­mar tri­mes­tre após tri­mes­tre.

Co­mo sem­pre de­fen­di, o nos­so imo­bi­liá­rio con­ti­nua a ter to­das as con­di­ções pa­ra ser­vir de re­fú­gio a pou­pan­ças e a in­ves­ti­men­tos, na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, co­mo al­ter­na­ti­va a ou­tros in­ves­ti­men­tos que re­ve­la­ram ser me­nos se­gu­ros.

Es­te é um sec­tor que con­se­guiu so­bre­vi­ver, mes­mo com as di­fi­cul­da­des que vi­veu du­ran­te o pe­río­do de cri­se eco­nó­mi­ca que aba­lou o país, ten­do con­se­gui­do re­sis­tir a uma bo­lha imo­bi­liá­ria que afe­tou paí­ses co­mo a Es­pa­nha, a Ir­lan­da ou os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, que vi­ram os pre­ços dos ati­vos cair de for­ma drás­ti­ca.

Mes­mo com di­fi­cul­da­des, o nos­so imo­bi­liá­rio con­se­guiu re­sis­tir à ten­ta­ção da des­va­lo­ri­za­ção for­ça­da dos ati­vos, re­for­çan­do-se co­mo por­to se­gu­ro pa­ra o in­ves­ti­men­to, que com a aju­da de pro­gra­mas de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to pa­ra o sec­tor, con­se­guiu lan­çar-se no pa­no­ra­ma in­ter­na­ci­o­nal, ape­lan­do a olha­res de paí­ses a qu­em, até en­tão, tí­nha­mos pas­sa­do com­ple­ta­men­te des­per­ce­bi­dos.

O nos­so país man­tém-se na ro­ta da in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção, con­ti­nu­an­do a ser per­ce­ci­o­na­do co­mo um des­ti­no se­gu­ro pa­ra o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, mos­tran­do-se tam­bém, in­ter­na­men­te, ca­paz de con­tri­buir de for­ma de­ci­si­va pa­ra a cri­a­ção de em­pre­go e recuperação eco­nó­mi­ca do país.

O no­me de Por­tu­gal e do imo­bi­liá­rio por­tu­guês es­tá lan­ça­do, mas con­ti­nua a ser ne­ces­sá­rio pro­mo­vê­lo, so­bre­tu­do além-fron­tei­ras. Be­ne­fi­ci­a­mos ain­da do fac­to de ser­mos um país se­gu­ro, com um bom cli­ma, boa gas­tro­no­mia, hos­pi­ta­lei­ro, com praia, ci­da­de, cam­po, mon­ta­nha, e um sem nú­me­ro de ofer­tas tu­rís­ti­cas pa­ra qu­em nos quei­ra vi­si­tar e por cá fi­car.

As opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­to man­têm-se e ain­da há mui­to por des­co­brir, so­bre­tu­do fo­ra das gran­des ci­da­des.

O de­sa­fio pren­de-se ago­ra com a pro­mo­ção das po­ten­ci­a­li­da­des de ou­tras re­giões do país, que têm ain­da mui­to por ex­plo­rar no­me­a­da­men­te nos mer­ca­dos da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e ar­ren­da­men­to que, ali­a­dos ao tu­ris­mo re­si­den­ci­al, cri­am espaço pa­ra a ex­pan­são do in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio. Sai­ba­mos nós dei­xar o mer­ca­do fun­ci­o­nar sem so­bres­sal­tos, dan­do con­fi­an­ça a qu­em nos procura, e a tem­pe­ra­tu­ra do sec­tor imo­bi­liá­rio con­ti­nu­a­rá a su­bir…

O de­sa­fio pren­de-se ago­ra com a pro­mo­ção das po­ten­ci­a­li­da­des de ou­tras re­giões do país, que têm ain­da mui­to por ex­plo­rar, no­me­a­da­men­te nos mer­ca­dos da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e ar­ren­da­men­to que, ali­a­dos ao tu­ris­mo re­si­den­ci­al, cri­am espaço pa­ra a ex­pan­são do in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.