Uma vez mais: o que se pas­sa com o pro­gra­ma dos Vis­tos Gold?

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Há cer­ca de um mês, co­me­ça­va es­ta co­lu­na de opinião com a mes­ma per­gun­ta. Fa­ço-o no­va­men­te, uma vez que se tra­ta de uma ques­tão que per­ma­ne­ce por es­cla­re­cer. Na ver­da­de, a per­gun­ta não era, de to­do, re­tó­ri­ca e mui­to me­nos vi­sa­va ob­ter res­pos­tas quan­ti­ta­ti­vas so­bre uma re­a­li­da­de que co­nhe­ce­mos de­ma­si­a­da­men­te bem.

As que­bras de 60% em ju­nho, qu­an­do com­pa­ra­das com igual pe­río­do do ano pas­sa­do, são su­fi­ci­en­te­men­te ex­pres­si­vas, tal co­mo é mui­to re­le­van­te o fac­to de, em 2016, o nos­so país ter per­di­do uma po­si­ção de li­de­ran­ça en­tre os paí­ses eu­ro­peus que, tal co­mo nós, têm re­gi­mes se­me­lhan­tes em vi­gor.

Sa­be­mos, por­tan­to, que es­te me­ca­nis­mo de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to es­tá a apre­sen­tar uma evo­lu­ção cla­ra­men­te in­sa­tis­fa­tó­ria e a ques­tão di­ri­ge-se, mui­to con­cre­ta­men­te, a to­dos aque­les que têm res­pon­sa­bi­li­da­des po­lí­ti­cas ou téc­ni­cas nes­ta ma­té­ria.

Ou se­ja, o que es­te se­tor de ati­vi­da­de, res­pon­sá­vel por 50,5% do In­ves­ti­men­to To­tal da economia e por um em cada seis empregos cri­a­dos, no ano pas­sa­do, pre­ten­de sa­ber é que me­di­das es­tão a ser to­ma­das pa­ra que pos­sa­mos re­gres­sar a um pa­ta­mar de cap­ta­ção de in­ves­ti­do­res que é es­sen­ci­al pa­ra ve­to­res es­tra­té­gi­cos do nos­so de­sen­vol­vi­men­to co­le­ti­vo, des­de a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, à di­na­mi­za­ção do tu­ris­mo e à pró­pria co­e­são ter­ri­to­ri­al do país, ma­té­ri­as que, por for­ça das im­po­si­ções de na­tu­re­za fi­nan­cei­ra, es­tão há de­ma­si­a­do tempo afas­ta­das do nos­so de­ba­te po­lí­ti­co.

Es­ta não é a primeira vez que sur­gem di­fi­cul­da­des sé­ri­as com um pro­gra­ma que apre­sen­tou re­sul­ta­dos nun­ca an­tes vis­tos. Fi­ze­mos o mais di­fí­cil. Cap­tá­mos o in­te­res­se dos in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros e de- pois não con­se­gui­mos dar res­pos­ta às su­as ex­pec­ta­ti­vas. Porquê? Em Es­pa­nha, o per­cur­so foi to­tal­men­te in­ver­so. O pro­gra­ma ar­ran­cou com de­fi­ci­ên­ci­as, so­bre­tu­do de na­tu­re­za bu­ro­crá­ti­ca, que ra­pi­da­men­te fo­ram cor­ri­gi­das e, em 2016, com um to­tal de 1,1 mil mi­lhões, su­pe­ra­ram em 227 mi­lhões o va­lor glo­bal cap­ta­do pa­ra o nos­so país.

Es­ta é uma opor­tu­ni­da­de que não po­de­mos des­per­di­çar. A qua­li­da­de do nos­so ter­ri­tó­rio e do pa­tri­mó­nio cons­truí­do, a ri­que­za his­tó­ri­co-cul­tu­ral que pos­suí­mos e um in­fin­dá­vel rol de ca­ra­te­rís­ti­cas en­dó­ge­nas, di­ver­si­fi­ca­das e úni­cas, co­mo a gas­tro­no­mia lo­cal, a au­ten­ti­ci­da­de das po­pu­la­ções, são fa­to­res que nos po­si­ci­o­nam de for­ma mui­to com­pe­ti­ti­va num mer­ca­do que é glo­bal. O Imo­bi­liá­rio Por­tu­guês é atra­ti­vo, Por­tu­gal es­tá na mo­da, por is­so te­mos de ser ca­pa­zes de trans­for­mar es­te mo­men­to po­si­ti­vo, cri­an­do uma di­nâ­mi­ca de cres­ci­men­to e de in­ves­ti­men­to.

Ce­le­ri­da­de e se­gu­ran­ça nos pro­ce­di­men­tos le­gais, que de­vem ser pau­ta­dos pe­lo ri­gor, mas tam­bém pe­la ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta, em tempo útil, aos po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res, são o mí­ni­mo que se exi­ge a um Estado que, só de ta­xas e im­pos­tos di­re­tos as­so­ci­a­dos a es­te Pro­gra­ma, já ar­re­ca­dou mais de 210 mi­lhões de eu­ros. Ig­no­rar as di­fi­cul­da­des que, des­ne­ces­sa­ri­a­men­te, es­ta­mos a in­tro­du­zir no Pro­gra­ma dos Vis­tos Gold e, con­se­quen­te­men­te, a per­der di­a­ri­a­men­te in­ves­ti­do­res pa­ra ou­tros paí­ses eu­ro­peus, é al­go que não po­de acon­te­cer. O Go­ver­no tem de as­su­mir, co­mo pri­o­ri­tá­ria, uma res­pos­ta a es­tes pro­ble­mas e fa­zer re­gres­sar, de ime­di­a­to, a con­fi­an­ça num ins­tru­men­to que se tem re­ve­la­do cru­ci­al pa­ra o país.

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.