Es­cas­sez de oferta de­ter­mi­na su­bi­da do pre­ço das ca­sas

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

A fal­ta de oferta de ha­bi­ta­ção con­ti­nua a ser um dos prin­ci­pais fa­to­res a in­flu­en­ci­ar o au­men­to dos pre­ços, num ce­ná­rio de cres­ci­men­to da procura. Se­gun­do o úl­ti­mo Por­tu­gue­se Hou­sing Mar­ket Sur­vey, inqué­ri­to men­sal de con­fi­an­ça re­a­li­za­do pe­la Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio (Ci) e pe­lo RICS jun­to de me­di­a­do­res e pro­mo­to­res imo­bi­liá­ri­os, os in­qui­ri­dos an­te­ci­pam pa­ra os pró­xi­mos 12 me­ses um au­men­to dos pre­ços das ca­sas em tor­no dos 4% a ní­vel na­ci­o­nal, ex­pe­ta­ti­vas que se ro­bus­te­cem num ho­ri­zon­te a cin­co anos, no qual se es­pe­ra um au­men­to mé­dio de 5% ao ano.

“Pa­ra os agen­tes in­qui­ri­dos, a es­cas­sez da oferta é a prin­ci­pal res­tri­ção à sua ati­vi­da­de e tam­bém o prin­ci­pal fa­tor que es­tá a de­ter­mi­nar a evo­lu­ção dos pre­ços. Es­ta si­tu­a­ção de­ve­rá do­mi­nar as ten­dên­ci­as nos pró­xi­mos me­ses”, ex­pli­ca Ri­car­do Gui­ma­rães, di­re­tor da Ci.

Por ou­tro la­do, “os pre­ços es­tão a co­me­çar a su­bir de for­ma ge­ne­ra­li­za­da em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e já não só nas prin­ci­pais ci­da­des, o que po­de in­du­zir um pon­to de vi­ra­gem no mer­ca­do. Ou se­ja, es­te con­tex­to po­de im­pul­si­o­nar o de­sen­vol­vi­men­to e o fi­nan­ci­a­men­to de no­vas ca­sas, re­du­zin­do as­sim o de­sa­jus­ta­men­to en­tre a oferta e a procura. Mas tal vai de­mo­rar a acon­te­cer”, diz Ri­car­do Gui­ma­rães.

Em maio, a pres­são so­bre a oferta vol­tou a acen­tu­ar-se, com as co­lo­ca­ções de ca­sas pa­ra ven­da a cair nos dois úl­ti­mos me­ses, sen­do a re­gião do Al­gar­ve aque­la que re­por­tou a que­bra mais sig­ni­fi­ca­ti­va. Ao mes­mo tempo, as ven­das acor­da­das con­ti­nu­a­ram a su­bir pe­lo 16º mês con­se­cu­ti­vo e a procura por par­te de no­vos com­pra­do­res tam­bém man­te­ve um cres­ci­men­to só­li­do, sen­do Lis­boa a re­gião on­de se ve­ri­fi­cou um au­men­to mais ex­pres­si­vo des­ta procura. Já em ter­mos de ven­das, to­das as três re­giões (Por­to, Lis­boa e Al­gar­ve) re­gis­ta­ram au­men­to de tran­sa­ções e es­pe­ra-se que es­ta ten­dên­cia se man­te­nha nos pró­xi­mos me­ses.

No mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, a procura por par­te dos ar­ren­da­tá­ri­os tam­bém con­ti­nua a cres­cer, em­bo­ra te­nha re­gis­ta­do em maio uma li­gei­ra de­sa­ce­le­ra­ção. Em sen­ti­do con­trá­rio, a oferta por par­te dos pro­pri­e­tá­ri­os, con­ti­nua a cair de for­ma acen­tu­a­da, um de­se­qui­lí­brio que, tal co­mo no mer­ca­do de com­pra e ven­da, tem man­ti­do as ex­pe­ta­ti­vas re­la­ti­vas ao cres­ci­men­to das ren­das em al­ta.

DR

Ope­ra­do­res es­pe­ram au­men­to dos pre­ços das ca­sas de 4% a ní­vel na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.