Li­cen­ci­a­men­to de em­pre­en­di­men­tos tu­rís­ti­cos mais sim­ples

Publico - Imobiliario - - Casas De Luxo - Fer­nan­da Cer­quei­ra

No âm­bi­to do Pro­gra­ma Sim­plex, o Go­ver­no fez pu­bli­car o De­cre­toLei n.º 80/2017 que al­te­ra e re­pu­bli­ca o Re­gi­me ju­rí­di­co da ins­ta­la­ção, ex­plo­ra­ção e fun­ci­o­na­men­to dos em­pre­en­di­men­tos tu­rís­ti­cos. A me­di­da Sim­pex ‘Li­cen­ci­a­men­tos Tu­rís­ti­cos + Sim­ples’ pro­ce­de à al­te­ra­ção e re­pu­bli­ca­ção do Re­gi­me Ju­rí­di­co da Ins­ta­la­ção, Ex­plo­ra­ção e Fun­ci­o­na­men­to dos Em­pre­en­di­men­tos Tu­rís­ti­cos.

En­tre as prin­ci­pais al­te­ra­ções con­sa­gra-se o pro­ce­di­men­to de co­mu­ni­ca­ção pré­via com pra­zo co­mo re­gi­me re­gra e rein­tro­duz-se a pos­si­bi­li­da­de de aber­tu­ra dos em­pre­en­di­men­tos lo­go após a con­clu­são das obras.

O di­plo­ma es­ta­be­le­ce que uma vez de­cor­ri­dos os pra­zos pre­vis­tos (20 di­as, mais 60 di­as qu­an­do ha­ja lu­gar a con­sul­ta de en­ti­da­des ex­ter­nas) sem que a co­mu­ni­ca­ção pré­via te­nha si­do re­jei­ta­da ou o pe­di­do in­de­fe­ri­do, pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal, se­rá dis­po­ni­bi­li­za­da no sis­te­ma in­for­má­ti­co, atra­vés do qual são tra­mi­ta­dos os pro­ce­di­men­tos ur­ba­nís­ti­cos, a in­for­ma­ção de que a co­mu­ni­ca­ção pré­via não foi re­jei­ta­da, o que equi­va­le­rá à sua ad­mis­são.

Con­tu­do, o in­te­res­sa­do fi­ca obri­ga­do a en­tre­gar “um ter­mo de res­pon­sa­bi­li­da­de subs­cri­to pe­lo di­re­tor da obra ou di­re­tor da fis­ca­li­za­ção as­se­gu­ran­do a con­for­mi­da­de da edi­fi­ca­ção ou da sua fra­ção au­tó­no­ma com os fins a que se des­ti­na e o res­pei­to pe­las nor­mas le­gais e re­gu­la­men­ta­res apli­cá­veis”.

Adi­ci­o­nal­men­te, pre­vê- se um me­ca­nis­mo mais ágil de al­te­ra­ção do uso de um edi­fí­cio ou de uma fra­ção au­tó­no­ma pa­ra ins­ta­la­ção de um em­pre­en­di­men­to tu­rís­ti­co, qu­an­do as obras de adap­ta­ção a re­a­li­zar es­te­jam isen­tas de con­tro­lo pré­vio. Nes­tes ca­sos as obras são de­cla­ra­das ao Tu­ris­mo de Por­tu­gal no pra­zo de 30 di­as após a sua con­clu­são, sem­pre que im­pli­quem a al­te­ra­ção da clas­si­fi­ca­ção ou da ca­pa­ci­da­de má­xi­ma do em­pre­en­di­men­to ou afe­tem os re­qui­si­tos mí­ni­mos exi­gi­dos pa­ra a clas­si­fi­ca­ção do em­pre­en­di­men­to.

Foi ain­da cri­a­do um pro­ce­di­men­to es­pe­cí­fi­co pa­ra os pe­di­dos de in­for­ma­ção pré­via (PIP) re­la­ti­vos à ins­ta­la­ção de em­pre­en­di­men­tos tu­rís­ti­cos em so­lo rús­ti­co, “as­sen­te num me­ca­nis­mo de apre­ci­a­ção e de­ci­são con­cer­ta­da en­tre to­das as en­ti­da­des com com­pe­tên­cia no ter­ri­tó­rio”.

Em vez de so­li­ci­tar in­di­vi­du­al­men­te pa­re­ce­res às di­ver­sas en­ti­da­des, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal con­vo­ca uma co­mis­são que reú­ne os re­pre­sen­tan­tes de to­das as en­ti­da­des que de­vam pro­nun­ci­ar-se so­bre a vi­a­bi­li­da­de do pro­je­to num mes­mo mo­men­to. Acres­ce a im­po­si­ção le­gal de de­ci­são no pra­zo de 60 di­as, pror­ro­gá­vel até 120 di­as, pa­ra co­mu­ni­ca­ção da de­ci­são re­la­ti­va ao PIP.

O di­plo­ma eli­mi­na a obri­ga­to­ri­e­da­de da in­ter­ven­ção do Tu­ris­mo de Por­tu­gal na fa­se de con­tro­lo pré­vio (apre­ci­a­ção de pro­je­to de edi­fi­ca­ção), “pas­san­do a au­to­ri­da­de na­ci­o­nal de tu­ris­mo a in­ter­vir ape­nas em se­de de clas­si­fi­ca­ção de em­pre­en­di­men­tos tu­rís­ti­cos”. O in­te­res­sa­do po­de­rá con­ti­nu­ar a so­li­ci­tar o pa­re­cer do Tu­ris­mo de Por­tu­gal se as­sim o en­ten­der, con­tu­do a apre­ci­a­ção te­rá um ca­rác­ter me­ra­men­te fa­cul­ta­ti­vo e sem for­ça vin­cu­la­ti­va. De re­fe­rir, ain­da, que o sis­te­ma de clas­si­fi­ca­ção de em­pre­en­di­men­tos tu­rís­ti­cos por es­tre­las, aban­do­na­do em 2014, é re­to­ma­do.

DR

Di­plo­ma per­mi­te aber­tu­ra dos em­pre­en­di­men­tos lo­go após a con­clu­são das obras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.