As ci­da­des são mui­to mais que os seus cen­tros ur­ba­nos

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Dis­cu­tem-se, ho­je, ques­tões re­la­ci­o­na­das com o mer­ca­do da ha­bi­ta­ção, co­lo­can­do o en­fo­que em du­as áre­as cha­ve. Por um la­do, no aces­so à ha­bi­ta­ção a cus­tos con­tro­la­dos, o que nos con­duz a te­mas mui­to re­le­van­tes co­mo, a ha­bi­ta­ção so­ci­al, o in­ves­ti­men­to público na ha­bi­ta­ção, a es­tra­té­gia de com­ba­te à po­bre­za e ex­clu­são so­ci­al e o aces­so a ins­tru­men­tos de fi­nan­ci­a­men­to ade­qua­dos.

Por ou­tro la­do, no fun­ci­o­na­men­to do pró­prio mer­ca­do da ha­bi­ta­ção, âm­bi­to on­de se des­ta­ca o seg­men­to da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na en­quan­to fa­tor de cri­a­ção de em­pre­go e de di­na­mi­za­ção da eco­no­mia e a im­por­tân­cia do ar­ren­da­men­to. São áre­as que, co­mo pou­cas, en­con­tram con­sen­so alar­ga­do na so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa. To­dos os par­ti­dos po­lí­ti­cos in­cluí­ram- nas en­tre as su­as pri­o­ri­da­des de atu­a­ção. O Go­ver­no as­su­me a sua re­le­vân­cia, os agen­tes eco­nó­mi­cos re­cla­mam a sua di­na­mi­za­ção e as po­pu­la­ções es­pe­ram pe­la im­ple­men­ta­ção de me­di­das ajus­ta­das às su­as ne­ces­si­da­des.

To­da­via, num mo­men­to em que se anun­ci­am no­vas pri­o­ri­da­des pa­ra a ha­bi­ta­ção e se pers­pe­ti­va o pró­xi­mo man­da­to au­tár­qui­co, com qua­tro anos em que, a par de uma re­dis­tri­bui­ção de com­pe­tên­ci­as, as po­lí­ti­cas de trans­por­te urbano e de ha­bi­ta­ção de­ve­rão cen­trar a atu­a­ção dos mu­ni­cí­pi­os, é fun­da­men­tal não con­fun­dir a par­te co­mo um to­do.

As ci­da­des são mui­to mais do que o es­pa­ço ge­o­grá­fi­co ocu­pa­do pe­los seus cen­tros ur­ba­nos e, mui­to mais ain­da do que al­gu­mas par­tes des­tas cen­tra­li­da­des. Quan­do, so­bre­tu­do por for­ça do in­ves­ti­men­to pri­va­do, na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro e da pro­cu­ra mo­ti­va­da pe­lo tu­ris­mo, há um de­sen­vol­vi­men­to acres­ci­do de de­ter­mi­na­das zo­nas de al­gu­mas das ci­da­des por­tu­gue­sas, é fun­da­men­tal con­so­li­dar es­tra­té­gi­as equi­li­bra­das pa­ra alar­gar es­ta di­nâ­mi­ca de de­sen­vol­vi­men­to, per­mi­tin­do-se, des­ta for­ma, a re­ge­ne­ra­ção das nos­sas me­tró­po­les.

É ne­ces­sá­ria uma atu­a­ção trans­ver­sal, ca­paz de pers­pe­ti­var a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na de uma for­ma glo­bal. A atu­al re­a­li­da­de tem que ser en­ca­ra­da co­mo uma ala­van­ca ne­ces­sá­ria pa­ra po­ten­ci­ar o ple­no aces­so à ha­bi­ta­ção, por to­da a po­pu­la­ção, es­pe­ci­al­men­te pe­la mais jo­vem.

Na ver­da­de, são ques­tões de ex­tre­ma re­le­vân­cia, que to­cam áre­as tão di­ver­sas co­mo a po­lí­ti­ca so­ci­al, a fi sca­li­da­de, o or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio ou o tu­ris­mo. Por is­so, há que ter uma vi­são in­te­gra­da que per­mi­ta dar res­pos­ta ao in­te­res­se público na con­ser­va­ção das ci­da­des por­tu­gue­sas en­quan­to fa­to­res de com­pe­ti­ti­vi­da­de na­ci­o­nal.

A As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca e o Go­ver­no, pa­ra além de es­ta­be­le­ce­rem ob­je­ti­vos, têm de ter em con­ta es­ta re­a­li­da­de. Há que pro­cu­rar pre­ser­var pro­ces­sos que, co­mo é o ca­so da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, se têm de­mar­ca­do pe­la po­si­ti­va, ao mo­bi­li­zar o te­ci­do em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal, e ao pro­mo­ver a cri­a­ção de em­pre­go e a cap­ta­ção de re­cur­sos, con­tri­buin­do efi­caz­men­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­ta­do de Por­tu­gal.

Quan­do, so­bre­tu­do por for­ça do in­ves­ti­men­to pri­va­do, na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro e da pro­cu­ra mo­ti­va­da pe­lo tu­ris­mo, há um de­sen­vol­vi­men­to acres­ci­do de de­ter­mi­na­das zo­nas de al­gu­mas das ci­da­des por­tu­gue­sas, é fun­da­men­tal con­so­li­dar es­tra­té­gi­as equi­li­bra­das

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.