A

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

ler­tá­mos em tem­po útil es­te go­ver­no e a mai­o­ria par­la­men­tar que o sus­ten­ta de que as su­as po­lí­ti­cas de pror­ro­ga­ção do con­ge­la­men­to das ren­das e de au­men­to dos im­pos­tos so­bre o imo­bi­liá­rio iri­am pro­vo­car o co­lap­so do mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, fa­zen­do de­sa­pa­re­cer a ofer­ta de ha­bi­ta­ção, o que te­ria co­mo con­sequên­cia na­tu­ral o dis­pa­rar do pre­ço das ren­das. Ape­nas pa­ra man­ter uma si­tu­a­ção de pri­vi­lé­gio de al­guns in­qui­li­nos com ren­das con­ge­la­das, o go­ver­no le­va­ria as­sim a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos nos­sos jo­vens a dei­xar de con­se­guir ter aces­so à ha­bi­ta­ção.

O go­ver­no fez ou­vi­dos de mer­ca­dor e in­sis­tiu nes­sas po­lí­ti­cas, sem que o pre­si­den­te exer­ces­se qu­al­quer con­tro­lo, co­mo se im­po­ria. Os re­sul­ta­dos es­tão à vis­ta, es­tan­do ago­ra os nos­sos go­ver­nan­tes a co­lher no sec­tor imo­bi­liá­rio as tem­pes­ta­des dos ven­tos que se­me­a­ram. Co­mo era im­pos­sí­vel ig­no­rar o de­sas­tre em que co­lo­ca­ram es­te sec­tor — aqui não se po­de acu­sar down­bursts nem des­va­lo­ri­zar o ma­te­ri­al mi­li­tar rou­ba­do — o go­ver­no de­ci­diu re­a­gir e An­tó­nio Costa anun­ci­ou ago­ra a cri­a­ção de uma Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção. Pa­ra is­so apre­sen­tou co­mo jus­ti­fi­ca­ção que “a ha­bi­ta­ção tem que ser uma no­va área pri­o­ri­tá­ria nas po­lí­ti­cas pú­bli­cas, di­ri­gi­da ago­ra às clas­ses mé­di­as e em es­pe­ci­al às no­vas ge­ra­ções, não as con­de­nan­do ao en­di­vi­da­men­to e ao aban­do­no dos cen­tros das ci­da­des, pro­mo­ven­do an­tes a ofer­ta de ha­bi­ta­ção pa­ra ar­ren­da­men­to aces­sí­vel”.

Es­tas pa­la­vras só de­mons­tram o re­co­nhe­ci­men­to do de­sas­tre que tem si­do a po­lí­ti­ca do go­ver­no nes­te úl­ti­mo ano e meio, dei­xan­do de con­si­de­rar a ha­bi­ta­ção co­mo pri­o­ri­da­de e con­de­nan­do as no­vas ge­ra­ções ao en­di­vi­da­men­to e ao aban­do­no do cen­tro das ci­da­des. Na ver­da­de, a es­te dis­cur­so só fal­tou An­tó­nio Costa di­zer “mea cul­pa, mea ma­xi­ma cul­pa”, uma vez que foi a sua obs- ti­na­ção ide­o­ló­gi­ca que con­du­ziu o país a es­te re­sul­ta­do.

A so­lu­ção pa­ra o pro­ble­ma da ha­bi­ta­ção em Por­tu­gal não re­si­de, po­rém, nu­ma sim­ples al­te­ra­ção da or­gâ­ni­ca do Go­ver­no. O que é pre­ci­so é adop­tar me­di­das que res­ti­tu­am a con­fi­an­ça aos pro­pri­e­tá­ri­os. Pa­ra is­so a As­so­ci­a­ção Lis­bo­nen­se de Pro­pri­e­tá­ri­os apre­sen­tou um pla­no de emer­gên­cia pa­ra sal­var o ar­ren­da­men­to tra­di­ci­o­nal.

Es­se pla­no as­sen­ta em três me­di­das des­ti­na­das a de­vol­ver a con­fi­an­ça aos pro­pri­e­tá­ri­os, es­ti­mu­lan­do o ar­ren­da­men­to de lon­ga du­ra­ção. Tal pas­sa­ria por uma di­mi­nui­ção da ta­xa li­be­ra­tó­ria do IRS pe­las ren­das su­ces­si­va­men­te em três pon­tos sem­pre que se ve­ri­fi­que uma re­no­va­ção dos con­tra­tos de ar­ren­da­men­to, até se atin­gir uma ta­xa de 10% sem­pre que o con­tra­to ul­tra­pas­se seis anos.

A so­lu­ção pa­ra o pro­ble­ma da ha­bi­ta­ção em Por­tu­gal não re­si­de, po­rém, nu­ma sim­ples al­te­ra­ção da or­gâ­ni­ca do Go­ver­no. O que é pre­ci­so é adop­tar me­di­das que res­ti­tu­am a con­fi­an­ça aos pro­pri­e­tá­ri­os

Ao mes­mo tem­po es­ta­be­le­cer-se-ia a de­du­ção in­te­gral à co­lec­ta do IMI no IRS so­bre as ren­das, evi­tan­do as­sim a du­pla tri­bu­ta­ção que ho­je in­ci­de so­bre os imó­veis ar­ren­da­dos. Fi­nal­men­te, de­ve­ria ser con­sa­gra­da no Es­ta­tu­to dos Be­ne­fí­ci­os Fis­cais uma du­ra­ção mí­ni­ma de 10 anos pa­ra es­tas me­di­das.

Se o go­ver­no acei­tar es­tas pro­pos­tas po­de ser que se con­si­ga co­me­çar a re­ver­ter a si­tu­a­ção, de­pois de to­do o mal que já foi fei­to, e os pro­pri­e­tá­ri­os vol­tem a ga­nhar con­fi­an­ça pa­ra co­lo­car os seus imó­veis no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to. No ca­so con­trá­rio, é me­lhor co­me­çar des­de já a de­no­mi­nar a no­va Se­cre­ta­ria de Es­ta­do co­mo a da Fal­ta de Ha­bi­ta­ção.

Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Lis­bo­nen­se de Pro­pri­e­tá­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.