No­va abor­da­gem pa­ra re­cu­pe­rar vis­tos Gold

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Fernanda Cer­quei­ra

As que­bras su­ces­si­vas re­gis­ta­das nos úl­ti­mos me­ses no vo­lu­me de in­ves­ti­men­to cap­ta­do atra­vés do pro­gra­ma de Au­to­ri­za­ção de Re­si­dên­cia pa­ra Ati­vi­da­de de In­ves­ti­men­to (ARI), mais co­nhe­ci­do por re­gi­me dos ‘ Vis­tos Gold’, pre­o­cu­pam o se­tor da cons­tru­ção.

Nes­se sen­ti­do, é pre­ci­so “re­cu­pe­rar a ex­ce­len­te re­pu­ta­ção” de Por­tu­gal, vol­tar a po­si­ci­o­nar o país en­tre “os melhores pro­gra­mas de Vis­tos Dou­ra­dos”, com “uma no­va abor­da­gem” ao pro­gra­ma. Es­ta foi a no­ta do­mi­nan­te da in­ter­ven­ção do ex-se­cre­tá­rio de Es­ta­do da In­ter­na­ci­o­na­li­za­ção, Jor­ge Costa Oli­vei­ra, na ses­são de aber­tu­ra do pri­mei­ro Fó­rum Anu­al dos Em­pre­sá­ri­os Por­tu­gue­ses da Cons­tru­ção no Mun­do, pro­mo­vi­do pe­la As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas – AICCOPN.

En­tre as me­di­das des­ta­cou o Pro­gra­ma Ca­pi­ta­li­zar, que “aju­da a fa­ci­li­tar a cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to e o fo­men­to do em­pre­en­de­do­ris­mo”.

O re­co­nhe­ci­men­to das “cres­cen­tes exi­gên­ci­as” im­pos­tas ao Ser­vi­ço de Es­tran­gei­ros e Fron­tei­ras (SEF) pre­o­cu­pa, sen­do “ma­ni­fes­to que não con­se­gui­rá dar va­zão às ne­ces­si­da­des nos pró­xi­mos anos”. As­sim, o in­ves­ti­men­to no imo­bi­liá­rio de­ve ter “uma no­va abor­da­gem”, fei­ta “por en­ti­da­des com sen­si­bi­li­da­de pa­ra as ques­tões do in­ves­ti­men­to e do em­pre­en­de­do­ris­mo”.

Por sua vez, a “in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção” das em­pre­sas na­ci­o­nais es­tá no cer­ne do pro­gra­ma In­ter­na­ci­o­na­li­zar. Na cons­tru­ção, fo­ram mais de 80% as em­pre­sas do se­tor que se in­ter­na­ci­o­na­li­za­ram du­ran­te os anos mais se­ve­ros da cri­se.

Na úl­ti­ma dé­ca­da, “a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da cons­tru­ção tem cres­ci­do cer­ca de 23% por ano e os nú­me­ros de 2015 apon­tam pa­ra 10,4 mil mi­lhões de eu­ros, sen­do o se­tor de ati­vi­da­de que já re­pre­sen­ta 16,6% da fa­tu­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal, re­la­ti­va­men­te ao ne­gó­cio com o ex­te­ri­or”, sa­li­en­tou Ma­nu­el Reis Cam­pos, pre­si­den­te da AICCOPN.

De acor­do com o res­pon­sá­vel, Áfri­ca re­pre­sen­ta­va cer­ca de 63% do mer­ca­do, com um gran­de pe­so de An­go­la (cer­ca de 34%), sen­do Por­tu­gal o se­gun­do país com mais im­plan­ta­ção em Áfri­ca e o ter­cei­ro na Amé­ri­ca La­ti­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.