His­tó­ri­cas li­de­ram pre­ços na ha­bi­ta­ção re­a­bi­li­ta­da

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

A zo­na da Bai­xa-Chi­a­do-Ave­ni­da da Li­ber­da­de con­ti­nua a ser a mais ca­ra de Lis­boa pa­ra apar­ta­men­tos in­te­gra­dos em pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, mas foi no ei­xo Es­tre­la-Cam­po de Ou­ri­que que se ob­ser­vou a va­lo­ri­za­ção mais ex­pres­si­va dos pre­ços mé­di­os de ofer­ta en­tre 2016 e 2017.

Se­gun­do o es­tu­do “Re­a­bi­li­ta­ção pa­ra Uso Re­si­den­ci­al em Lis­boa 2017”, a car­go da con­sul­to­ra Pri­me Yi­eld, o va­lor mé­dio de ofer­ta des­te ti­po de pro­du­to si­tua-se atu­al­men­te nos 6.367 eu­ros/m2, apre­sen­tan­do uma su­bi­da de 8,7% fa­ce a 2016. Já na zo­na Es­tre­la-Cam­po de Ou­ri­que a va­lo­ri­za­ção foi de 12,3%, com o pre­ço mé­dio de ofer­ta a si­tu­ar-se em 2017 nos 4.958 eu­ros/m2.

Na zo­na das Ave­ni­das No­vas, os pre­ços mé­di­os dos apar­ta­men­tos re­a­bi­li­ta­dos em ofer­ta su­bi­ram cer­ca de 6,6% en­tre 2016 e 2017, si­tu­an­do­se nos 5.514 eu­ros/m2; en­quan­to no ei­xo Ar­roi­os-São Vi­cen­te-Pe­nha de Fran­ça, a su­bi­da foi de 4,7% (4.721 eu­ros/m2). “Ape­sar de ob­ser­var­mos va­lo­ri­za­ções em ter­mos mé­di­os na or­dem dos 5% a 12%, exis­tem pro­du­tos nas di­ver­sas zo­nas que apre­sen­tam su­bi­das dos pre­ços de ofer­ta bas­tan­te mais ex­pres­si­vas de en­tre 15% a 25%. São os ca­sos dos apar­ta­men­tos T0 nas zo­nas His­tó­ri­cas, com uma su­bi­da anu­al de 20%; dos T2 na zo­na da Es­tre­la-Cam­po de Ou­ri­que (25%) e dos T2 na zo­na das Ave­ni­das No­vas (15%)”, co­men­ta Nel­son Rê­go, CEO da Pri­me Yi­eld.

As zo­nas his­tó­ri­cas man­têm-se co­mo o prin­ci­pal des­ti­no de in­ves­ti­men­to pa­ra es­te ti­po de pro­du­to, con­cen­tran­do em 2017 cer­ca de 70% da ofer­ta em co­mer­ci­a­li­za­ção na ci­da­de, com as res­tan­tes três zo­nas ana­li­sa­das a apre­sen­ta­rem, ca­da uma, pe­sos em tor­no dos 10%. Os pre­ços mé­di­os de ofer­ta nes­te ei­xo es­tão 35% a 16% aci­ma das ou­tras zo­nas da ci­da­de e é es­ta a zo­na que apre­sen­ta tam­bém os apar­ta­men­tos re­a­bi­li­ta­dos com os pre­ços má­xi­mos ob­ser­va­dos no mer­ca­do.

Ape­sar da mé­dia da zo­na se si­tu­ar nos 6.400 € /m2, exis­tem al­guns apar­ta­men­tos nas áre­as his­tó­ri­cas on­de os va­lo­res po­dem atin­gir o do­bro, si­tu­an­do-se em pa­ta­ma­res que ron­dam os 10.000 €/m2 a 12.000 €/m2.

Em ter­mos de ca­rac­te­ri­za­ção da ofer­ta, o es­tu­do da Pri­me Yi­eld re­ve­la que são as ti­po­lo­gi­as T1 e T2 as mais co­muns nos pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na pa­ra uso re­si- den­ci­al, con­cen­tran­do, nas qua­tro zo­nas, mais de me­ta­de da ofer­ta em co­mer­ci­a­li­za­ção. A mai­o­ria dos pro­je­tos di­ri­ge-se aos seg­men­tos mé­di­o­al­to e al­to, re­fe­re ain­da o es­tu­do, que in­ci­de so­bre uma amos­tra de 1.465 apar­ta­men­tos in­te­gra­dos em pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção atu­al­men­te em fa­se de co­mer­ci­a­li­za­ção e dis­tri­buí­dos por qua­tro zo­nas da ci­da­de. A mai­o­ria des­ta ofer­ta en­con­tra-se já em fa­se de cons­tru­ção e es­ti­ma-se que cer­ca de 65% do stock es­te­ja já co­mer­ci­a­li­za­do.

Por ou­tro la­do, emer­gem “no­vas lo­ca­li­za­ções pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to des­te ti­po de pro­du­to. To­da a fren­te ri­bei­ri­nha, des­de a zo­na oci­den­tal até ao Par­que das Na­ções, é uma das áre­as de po­ten­ci­al ex­pan­são des­te mer­ca­do, além de áre­as co­mo a Aju­da, Al­cân­ta­ra, Mou­ra­ria, a Co­li­na de San­ta­na e a Al­mi­ran­te Reis”, con­clui.

DR

Ti­po­lo­gi­as T1 e T2 são as mais co­muns na re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na re­si­den­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.