Vo­ca­ção in­dus­tri­al da re­gião Nor­te com no­vo di­na­mis­mo

A cons­tru­ção, am­pli­a­ção e mo­der­ni­za­ção de fá­bri­cas con­cen­tra a mai­or par­te dos €665 mi­lhões de apoi­os con­ce­di­dos às PME no âm­bi­to do pro­gra­ma de apoio co­mu­ni­tá­rio NOR­TE 2020.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Su­sa­na Cor­reia

A 5ª re­gião mais in­dus­tri­a­li­za­da da União Eu­ro­peia-15, o Nor­te es­tá a re­gis­tar um no­vo im­pul­so na sua vo­ca­ção in­dus­tri­al, con­for­me com­pro­vam os mais re­cen­tes da­dos de ba­lan­ço da exe­cu­ção do pro­gra­ma de apoio co­mu­ni­tá­rio re­gi­o­nal NOR­TE 2020. De acor­do com a CCDR-N (Co­mis­são de Co­or­de­na­ção e De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal do Nor­te), que ge­re es­te pro­gra­ma ope­ra­ci­o­nal e que apre­sen­tou há di­as a lis­ta­gem de pro­je­tos de in­ves­ti­men­to apro­va­dos à da­ta de 30 de ju­nho, há “um mai­or des­ta­que de pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas”. Es­tas em­pre­sas as­se­gu­ra­ram um apoio de €665 mi­lhões no âm­bi­to NOR­TE 2020, mon­tan­te es­se que se di­ri­ge, “so­bre­tu­do, à cons­tru­ção, am­pli­a­ção ou mo­der­ni­za­ção de fá­bri­cas”, em­bo­ra in­clua tam­bém pro­je­tos de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção ou de lan­ça­men­to de no­vas em­pre­sas. Já no an­te­ri­or ba­lan­ço re­a­li­za­do pe­la CCDR-N em iní­cio do ano (re­la­ti­vo à exe­cu­ção no fi­nal de 2016), se da­va con­ta de que a rú­bri­ca de in­ves­ti­men­to na cons­tru­ção e/ou ex­pan­são de no­vas uni­da­des pro­du­ti­vas con­cen­tra­va mais de 320 pro­je­tos de in­ves­ti­men­to, no to­tal de €372 mi­lhões, o que de acor­do com es­ta en­ti­da­de “re­fle­te um no­vo di­na­mis­mo na vo­ca­ção in­dus­tri­al do Nor­te de Por­tu­gal”.

O se­tor das in­dús­tri­as trans­for­ma­do­ras – de on­de se des­ta­cam as áre­as têx­til, das má­qui­nas e ma­te­ri­al elé­tri­co e do cal­ça­do – é um dos prin­ci­pais mo­to­res eco­nó­mi­cos da re­gião, co­nhe­ci­da tam­bém pe­la sua vo­ca­ção ex­por­ta­do­ra: cer­ca de 45% das em­pre­sas ex­por­ta­do­ras na­ci­o­nais si­tu­am-se na re­gião Nor­te, on­de o vo­lu­me de ex­por­ta­ções as­cen­de a cer­ca de 17 mil mi­lhões de eu­ros, de acor­do com a CCDR-N. Es­te se­tor da eco­no­mia do Nor­te foi mes­mo o “mo­tor de cres­ci­men­to da pro­du­ti­vi­da­de apa­ren­te do tra­ba­lho no pe­río­do en­tre 2008 e 2015, com ele­va­dos ga­nhos de com­pe­ti­ti­vi­da­de, prin­ci­pal­men­te na in­dús­tria do ves­tuá­rio e dos têx­teis”, re­fe­re a mes­ma en­ti­da­de nu­ma aná­li­se à con­jun­tu­ra da re­gião nos úl­ti­mos 10 anos. No mes­mo do­cu­men­to re­fe­re-se ain­da que es­te se­tor deu um dos prin­ci­pais con­tri­bu­tos pa­ra a que a re­gião fos­se o prin­ci­pal “mo­tor do cres­ci­men­to da pro­du­ti­vi­da­de em Por­tu­gal”, du­ran­te o pe­río­do de re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca. Nu­ma aná­li­se aos da­dos es­ta­tís­ti­cos, reu­ni­dos du­ran­te os 10 anos do re­la­tó­rio Nor­te Con­jun­tu- ra, “con­clui-se que a pro­du­ti­vi­da­de apa­ren­te do tra­ba­lho era na re­gião do Nor­te a quar­ta mai­or em Por­tu­gal em 2015 e cres­ceu 6,5% en­tre 20082015, aci­ma da mé­dia na­ci­o­nal”. O “se­tor das in­dús­tri­as trans­for­ma­do­ras des­ta­ca-se cla­ra­men­te com um con­tri­bu­to re­la­ti­vo de 7,3%. Sem es­te con­tri­bu­to, a pro­du­ti­vi­da­de to­tal das em­pre­sas da re­gião do Nor­te te­ria ti­do um de­crés­ci­mo em vez dos +6,5% ve­ri­fi­ca­dos”, in­di­ca o ain­da re­la­tó­rio. Es­ta área foi tam­bém uma das res­pon­sá­veis pe­la re­cu­pe­ra­ção do in- ves­ti­men­to na re­gião, que após uma que­da de 50% en­tre 2009 e 2012 vol­tou a cres­cer de for­ma sus­ten­ta­da.

In­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro tam­bém es­tá a cres­cer

Além da vi­ta­li­da­de do te­ci­do em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal, tam­bém o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro es­tá a cres­cer a Nor­te, ates­ta um re­la­tó­rio da con­sul­to­ra EY. A re­gião foi mes­mo a mais di­nâ­mi­ca na cap­ta­ção de In­ves­ti­men­to Di­re­to Es­tran­gei­ro (IDE) em 2016 em Por­tu­gal, li­de­ran­do quer em nú­me­ro de pro­je­tos quer em pos­tos de tra­ba­lho cri­a­dos. De acor­do com o re­la­tó­rio “At­trac­ti­ve­ness Sur­vey Por­tu­gal- 2017”, o Nor­te aco­lheu 21 pro­je­tos de IDE em 2016 (36% dos 59 re­gis­ta­dos a ní­vel na­ci­o­nal) e ge­rou 1.529 pos­tos de tra­ba­lho com es­tes in­ves­ti­men­tos (63% dos cer­ca de 2.500 cri­a­dos em Por­tu­gal). No con­tex­to da re­gião, o re­la­tó­rio des­ta­ca San­ta Ma­ria da Fei­ra, ci­da­de que re­gis­tou o mai­or nú­me­ro de pos­tos de tra­ba­lho ge­ra­do em Por­tu­gal, se­gui­da de Bra­gan­ça, com 400 pos­tos. No pri­mei­ro ca­so, des­ta­ca-se o in­ves­ti­men­to de cer­ca de €60 mi­lhões da nor­te-ame­ri­ca­na do se­tor ali­men­tar Amy’s Kit­chen, que aqui te­rá a la­bo­rar em 2018 uma no­va uni­da­de de fa­bri­ca­ção de re­fei­ções ve­gan rá­pi­das pa­ra for­ne­cer to­da a Eu­ro­pa, cri­an­do 600 pos­tos de tra­ba­lho. No ca­so de Bra­gan­ça, um dos in­ves­ti­men­tos re­ce­bi­dos em 2016 foi a se­gun­da fá­bri­ca da Fau­re­cia, um dos mai­o­res fa­bri­can­tes mun­di­ais de equi­pa­men­to au­to­mó­vel, que in­ves­tiu €41,5 mi­lhões e cri­ou 400 no­vos pos­tos de tra­ba­lho. Os dois in­ves­ti­men­tos ilus­tram bem a ten­dên­cia se­to­ri­al do IDE, já que 59% dos pro­je­tos e 76% dos pos­tos tra­ba­lho ge­ra­dos em 2016 são res­pei­tan­tes “às ati­vi­da­des de ma­nu­fa­tu­ra, sen­do pro­je­tos que vi­sam es­sen­ci­al­men­te os mer­ca­dos ex­ter­nos, con­tan­do com a in­fra­es­tru­tu­ra lo­gís­ti­ca do país”, con­clui a EY.

ISTOCK.COM/.SHOCK

A cons­tru­ção e mo­der­ni­za­ção de fá­bri­cas é uma das pri­o­ri­da­des das PME a Nor­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.