Ar­ma­zéns e uni­da­des in­dus­tri­ais no Nor­te com mai­or pro­cu­ra

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Ana Ta­va­res

A pro­cu­ra de ar­ma­zéns e uni­da­des in­dus­tri­ais na re­gião Nor­te tem vin­do a re­cu­pe­rar, em es­pe­ci­al des­de 2015. “Nos úl­ti­mos dois anos, na Zo­na Nor­te, ti­ve­mos pro­cu­ra pa­ra to­dos os ti­pos de imó­veis de ar­ma­ze­na­gem e uso in­dus­tri­al, dos mais pe­que­nos aos de mai­or di­men­são”, re­fe­re Nu­no Mar­çal, Res­pon­sá­vel de Ven­das - Gran­des Imó­veis Nor­te da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp.

O res­pon­sá­vel ex­pli­ca que as PME pro­cu­ram so­bre­tu­do áre­as en­tre os 500 e os 2.500 m2, pa­ra ex­pan­são da sua ati­vi­da­de ou mu­dan­ça de ins­ta­la­ções. Já no ca­so das áre­as de me­nor di­men­são, des­ta­cam-se as em­pre­sas mais pe­que­nas, com ne­ces­si­da­des de es­pa­ço en­tre os 250 e os 1.000 m2, um ti­po de pro­du­to que “é tam­bém pro­cu­ra­do por investidores pa­ra pos­te­ri­or co­lo­ca­ção no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to”, diz Nu­no Mar­çal. As uni­da­des de gran­de di­men­são (i.e, aci­ma dos 5.000 m2) são pro­cu­ra­das quer por em­pre­sas na­ci­o­nais com ne­ces­si­da­des de ex­pan­são e de au­men­to de pro­du­ção, quer por em­pre­sas es­tran­gei­ras que pre­ten­dem ins­ta­lar-se em Por­tu­gal, re­que­ren­do, nes­tes ca­sos, es­pa­ços su­pe­ri­o­res a 10.000 m2 com ca­ra­te­rís­ti­cas mui­to es­pe­cí­fi­cas. Es­tas são, de acor­do com Nu­no Mar­çal, as fran­jas da pro­cu­ra que mais con­tri­buí­ram pa­ra a re­to­ma da pro­cu­ra de ar­ma­zéns e uni- da­des in­dus­tri­ais na re­gião Nor­te. Na sua pers­pe­ti­va, além do ca­pi­tal es­tran­gei­ro, o te­ci­do in­dus­tri­al da re­gião tam­bém sou­be re­sis­tir du­ran­te o pe­río­do da cri­se, po­si­ci­o­nan­do-se ago­ra pa­ra a re­to­ma e de­sem­pe­nhan­do um pa­pel de re­le­vo no au­men­to da pro­cu­ra des­te ti­po de imo­bi­liá­rio. No ca­so das PME e gran­des em­pre­sas, a ex­por­ta­ção foi uma das prin­ci­pais saí­das pa­ra “se po­de­rem man­ter, de­sen­vol­ver e cres­cer na sua ati­vi­da­de”. Já as pe­que­nas e mi­cro­em­pre­sas man­ti­ve­ram- se “vol­ta­das pa­ra o mer­ca­do na­ci­o­nal, apro­vei­tan­do ni­chos de mer­ca­do, bem co­mo tra­ba­lhan­do pa­ra as em­pre­sas de mai­or di­men­são que se vol­ta­ram pa­ra o ex­te­ri­or”. Só na re­gião Nor­te do país, o Mil­len­nium bcp tem atu­al­men­te em ven­da mais de 50 uni­da­des des­te ti­po de imo­bi­liá­rio dis­tri­buí­das por 25 con­ce­lhos, com so­lu­ções que po­dem va­ri­ar en­tre os 200 m2 e os 19.000 m2 e va­lo­res de co­mer­ci­a­li­za­ção en­tre os 35.000 eu­ros e os 3,7 mi­lhões de eu­ros. Em Mo­ze­los (San­ta Ma­ria da Fei­ra), por exem­plo, o Ban­co tem em ven­da ins­ta­la­ções in­dus­tri­ais com­pos­tas por 2 edi­fí­ci­os e lo­gra­dou­ro num ter­re­no com 29.1000 m2, que in­clu­em uma área de ar­ma­zém de 11.703 m2. Ou­tro exem­plo é uma ins­ta­la­ção in­dus­tri­al em Vi­la Ver­de, Bra­ga, co­mo uma área bru­ta pri­va­ti­va de 19.288 m2; ou o con­jun­to de es­cri­tó­rio/ar­ma­zém/ ins­ta­la­ção in­dus­tri­al, com 2.420 m2, na Cam­pa­nhã, Por­to; ou ain­da ins­ta­la­ções com 6.000 m2 de área co­ber­ta e 3.000 m2 de área des­co­ber­ta, pró­xi­mas da A42, na saí­da de Pa­ços de Ferreira, com “bo­as con­di­ções pa­ra ati­vi­da­de de mo­bi­liá­rio, cal­ça­do, têx­til ou lo­gís­ti­ca, en­tre ou­tros”, re­fe­re Nu­no Mar­çal.

Ven­das cres­cem no in­dus­tri­al

De acor­do co­mo Mil­len­nium bcp, as ven­das des­te ti­po de ati­vos têm es­ta­do a re­cu­pe­rar nos úl­ti­mos dois anos, com es­pe­ci­al des­ta­que pa­ra 2015, “ano em que ven­de­mos mais do do­bro em mon­tan­te e mais de 35% em nú­me­ro do que os re­sul­ta­dos ob­ti­dos no ano se­guin­te (em 2016)”, co­men­ta Nu­no Mar­çal. Fo­ram uni­da­des de pe­que­na e mé­dia di­men­são, mas tam­bém al­gu­mas de mai­or di­men­são. 2017 es­tá tam­bém a ser um ano po­si­ti­vo, “atin­gin­do-se até ago­ra mais em mon­tan­te do que no to­tal de 2016 (+ 106%)” e com um cres­ci­men­to de mais de 40% em ter­mos de nú­me­ro de imó­veis tran­sa­ci­o­na­dos. Es­te ano e no ano pas­sa­do, “já ti­ve­mos mai­or pro­cu­ra pa­ra uni­da­des de mai­or di­men­são, con­se­guin­do fe­char ne­gó­ci­os in­te­res­san­tes com en­ti­da­des na­ci­o­nais”. Os fa­to­res mais va­lo­ri­za­dos pe­la pro­cu­ra nes­te ti­po de imó­veis são o “pé di­rei­to ele­va­do (mais de 6 me­tros de al­tu­ra), área am­plas e de ape­nas um pi­so, lo­gra­dou­ro com aces­so e cir­cu­la­ção de ca­miões”, ter­mi­na Nu­no Mar­çal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.