Re­fle­xão so­bre o pro­ble­ma

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Ore­cen­te ajus­ta­men­to go­ver­na­ti­vo in­cluiu – e bem – a cri­a­ção de uma Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção. De acor­do com o se­nhor Pri­mei­roMi­nis­tro, a ha­bi­ta­ção tem de ser uma no­va área pri­o­ri­tá­ria nas po­lí­ti­cas pú­bli­cas, di­ri­gi­da ago­ra às clas­ses mé­di­as e em es­pe­ci­al às no­vas ge­ra­ções.

Na ba­se des­ta de­ci­são e des­ta pro­nún­cia, de­ve­rá es­tar a cons­ta­ta­ção que as prin­ci­pais ci­da­des do país se de­ba­tem ho­je com gran­des di­fi­cul­da­des no que diz res­pei­to à ofer­ta de ha­bi­ta­ção, não só pa­ra com­pra, co­mo tam­bém pa­ra ar­ren­da­men­to, a pre­ços aces­sí­veis, que as fa­mí­li­as e os jo­vens por­tu­gue­ses pos­sam su­por­tar.

Na ori­gem des­te pro­ble­ma es­tão vá­ri­as cau­sas: di­mi­nui­ção do stock de ati­vos imo­bi­liá­ri­os dis­po­ní­veis no mer­ca­do; um mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ur­ba­no es­tag­na­do há dé­ca­das; pro­li­fe­ra­ção dos ati­vos di­ri­gi­dos pa­ra alo­ja­men­to lo­cal, en­tre ou­tros, que têm si­do am­pla­men­te dis­cu­ti­dos pu­bli­ca­men­te.

A so­lu­ção não se­rá de­cer­to fá­cil e Ana Pi­nho, que ago­ra as­su­me a pas­ta da ha­bi­ta­ção, te­rá pe­la fren­te um enor­me de­sa­fio. No en­tan­to, uma coi­sa é cer­ta: en­con­trar um pon­to de equi­lí­brio se­rá ful­cral pa­ra dar iní­cio à so­lu­ção dos pro­ble­mas ha­bi­ta­ci­o­nais que ho­je se apre­sen­tam no mer­ca­do.

A an­gús­tia dos jo­vens e fa­mí­li­as faz com que se­ja ten­ta­dor apon­tar as cul­pas ao tu­ris­mo (por via do alo­ja­men­to lo­cal) e ao in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro pa­ra os pro­ble­mas que ago­ra sur­gem.

No en­tan­to, é im­por­tan­te que nos lem­bre­mos que es­tes fo­ram tam­bém gran­des res­pon­sá­veis pe­la re­to­ma eco­nó­mi­ca a que o país tem vin­do a as­sis­tir, e aci­ma de tu­do, pe­la cri­a­ção de em­pre­go que “sal­vou” mui­tos jo­vens e fa­mí­li­as do de­sem­pre­go de lon­ga du­ra­ção ou da ne­ces­si­da­de de emi­gra­rem pa­ra pro­cu­rar so­lu­ções fo­ra do seu país. O in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro e pri­va­do foi tam­bém o “cul­pa­do” da re­cu­pe­ra­ção dos cen­tros das ci­da­des, que du­ran­te dé­ca­das se vi­ram vo­ta­das ao aban­do­no, à de­gra­da­ção e tam­bém à de­ser­ti­fi­ca­ção…

Ma­tar o tu­ris­mo e o alo­ja­men­to lo­cal não se­rá por is­so, de­cer­to, a so­lu­ção. Se­ria ten­tar cu­rar uma do­en­ça, com ou­tra ain­da mais gra­ve.

A so­lu­ção pas­sa por en­con­trar fór­mu­las de tor­nar o ar­ren­da­men­to ur­ba­no um mer­ca­do mais atra­ti­vo e se­gu­ro pa­ra os pro­pri­e­tá­ri­os, e is­so obri­ga à cri­a­ção de po­lí­ti­cas fis­cais que be­ne­fi­ci­em (ou, pe­lo me­nos, que não pre­ju­di­quem) quem di­ri­ja os seus ati­vos pa­ra es­te seg­men­to. Pas­sa por in­cen­ti­var e pro­mo­ver a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, pa­ra­le­la­men­te à cons­tru­ção no­va em lo­cais on­de a pro­cu­ra o jus­ti­fi­que, por for­ma a equi­li­brar os pre­ços do mer­ca­do. Pas­sa pe­las au­tar­qui­as, que de­ve­rão apos­tar em po­lí­ti­cas de fo­men­to à ha­bi­ta­ção, atra­vés de pro­gra­mas de ren­da aces­sí­vel, e cha­man­do tam­bém os pri­va­dos a in­te­grar pro­je­tos di­ri­gi­dos pa­ra as clas­ses mais bai­xas.

Há no ho­ri­zon­te a ne­ces­si­da­de de im­ple­men­tar po­lí­ti­cas pú­bli­cas de ha­bi­ta­ção, sem es­que­cer que o mer­ca­do imo­bi­liá­rio não fun­ci­o­na de igual for­ma em to­do o País, sen­do por is­so in­dis­pen­sá­vel que as Au­tar­qui­as te­nham um pa­pel ati­vo nes­te pa­no­ra­ma.

Ini­cia-se ago­ra a cha­ma­da “silly se­a­son”, com a gran­de mai­o­ria dos por­tu­gue­ses a en­trar de fé­ri­as, dan­do-se o ha­bi­tu­al in­ter­va­lo me­diá­ti­co na dis­cus­são dos te­mas pre­men­tes. Que a au­sên­cia de dis­cus­são, não se tra­du­za na au­sên­cia de re­fle­xão so­bre os de­sa­fi­os que se co­lo­cam no ho­ri­zon­te, e que re­cla­mam ur­gên­cia na sua re­so­lu­ção.

Ma­tar o tu­ris­mo e o alo­ja­men­to lo­cal não se­rá por is­so, de­cer­to, a so­lu­ção. Se­ria ten­tar cu­rar uma do­en­ça, com ou­tra ain­da mais gra­ve

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.