24% de cres­ci­men­to con­fir­ma ten­dên­cia da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Omer­ca­do da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na es­tá em cres­ci­men­to e tu­do in­di­ca que con­ti­nu­a­rá a cres­cer. O Ba­ró­me­tro da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na da AICCOPN re­gis­ta va­ri­a­ções po­si­ti­vas bas­tan­te acen­tu­a­das no fim do pri­mei­ro se­mes­tre do ano, quer no ní­vel de ati­vi­da­de, que au­men­ta 24%, quer na car­tei­ra de en­co­men­das, que cres­ce qua­se 47%. Ou se­ja, o in­cre­men­to de obras é sus­ten­ta­do num au­men­to dos pro­je­tos em car­tei­ra e, no ime­di­a­to, es­ta ten­dên­cia con­ti­nu­a­rá a evo­luir fa­vo­ra­vel­men­te. As po­ten­ci­a­li­da­des des­te mer­ca­do es­tão lon­ge de es­tar es­go­ta­das e es­tas ta­xas de cres­ci­men­to re­sul­tam de uma gran­de con­cen­tra­ção ge­o­grá­fi­ca da ati­vi­da­de.

Pa­ra além de ter mui­to pa­ra cres­cer nas ci­da­des de Lis­boa e do Por­to, nas quais a re­a­bi­li­ta­ção ain­da é um fe­nó­me­no lo­ca­li­za­do e cen­tra­do nal­gu­mas zo­nas, a re­a­bi­li­ta­ção ain­da es­tá lon­ge de atin­gir a abran­gên­cia ter­ri­to­ri­al ne­ces­sá­ria. Tra­ta-se de um mer­ca­do que, de acor­do com as nos­sas es­ti­ma­ti­vas, as­cen­de a 24 mil mi­lhões de eu­ros, se con­si­de­rar­mos ape­nas as mé­di­as e gran­des in­ter­ven­ções no pa­tri­mó­nio edi­fi­ca­do ha­bi­ta­ci­o­nal.

Ou se­ja, não só as ne­ces­si­da­des ain­da são mui­tas, co­mo, de igual mo­do, pe­los efei­tos po­si­ti­vos que lhe es­tão sub­ja­cen­tes, de­sig­na­da­men­te ao ní­vel de ati­vi­da­des co­mo o tu­ris­mo e o co­mér­cio, es­te é um cres­ci­men­to que de­ve­rá ser con­so­li­da­do. E, a mai­or abran­gên­cia da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na é, tam­bém, um ele­men­to fun­da­men­tal pa­ra ques­tões de­ter­mi­nan­tes, co­mo o equi­lí­brio do

Tra­ta-se de um mer­ca­do que […] as­cen­de a 24 mil mi­lhões de eu­ros, se con­si­de­rar­mos ape­nas as mé­di­as e gran­des in­ter­ven­ções no pa­tri­mó­nio edi­fi­ca­do ha­bi­ta­ci­o­nal

mer­ca­do imo­bi­liá­rio e a ofer­ta de ha­bi­ta­ção, de­sig­na­da­men­te ao ní­vel do ar­ren­da­men­to.

Nes­te sen­ti­do, a es­ta­bi­li­da­de fis­cal é um as­pe­to de­ter­mi­nan­te, e que tem de ser as­se­gu­ra­do. Ou­tra ma­té­ria que re­quer a mai­or aten­ção é o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, com es­pe­ci­al en­fo­que pa­ra o Pro­gra­ma de Vis­tos Gold e o Re­gi­me de Tri­bu­ta­ção de Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais. Es­tas ini­ci­a­ti­vas fo­ram im­por­tan­tes ala­van­cas pa­ra o mer­ca­do, pre­ci­sam de ser acom­pa­nha­das e a sua com­pe­ti­ti­vi­da­de tem de ser ga­ran­ti­da, pois sa­be­mos que es­ta­mos a per­der in­ves­ti­do­res pa­ra ou­tros paí­ses eu­ro­peus e não po­de­mos fi­car pa­ra­dos, a as­sis­tir a uma gra­du­al de­gra­da­ção da nos­sa po­si­ção com­pe­ti­ti­va.

De igual mo­do, es­ta é uma pre­o­cu­pa­ção que de­ve­rá ser com­ple­men­ta­da com uma ade­qua­da po­lí­ti­ca de in­ves­ti­men­tos em pro­je­tos es­tru­tu­ran­tes que, nu­ma óti­ca de cres­ci­men­to e de de­sen­vol­vi­men­to pro­du­ti­vo, as­sen­te na co­e­são so­ci­al e ter­ri­to­ri­al, per­mi­ta dar res­pos­ta às ne­ces­si­da­des do país. O se­gun­do se­mes­tre de 2017 tem de cor­res­pon­der a es­tes de­sa­fi­os.

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.