Ven­das de imó­veis da Cai­xa Eco­nó­mi­ca Mon­te­pio Ge­ral cres­cem 32% no pri­mei­ro se­mes­tre

Es­tra­té­gia imo­bi­liá­ria do Mon­te­pio es­tá a dar fru­tos e tu­do in­di­ca que “a ten­dên­cia se man­te­nha ou ain­da me­lho­re nos se­mes­tres se­guin­tes”

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Su­sa­na Cor­reia

A in­for­ma­ção foi re­ve­la­da por Fer­nan­do San­to, ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo da Cai­xa Eco­nó­mi­ca Mon­te­pio Ge­ral (CEMG) e ad­mi­nis­tra­dor do Mon­te­pio Ges­tão de Ati­vos Imo­bi­liá­ri­os (MGAI), o agru­pa­men­to com­ple­men­tar de em­pre­sas cri­a­do em 2014 pa­ra ge­rir de for­ma in­te­gra­da to­da a car­tei­ra de imó­veis de­ti­dos pe­las dez en­ti­da­des que com­põem o gru­po Mon­te­pio e que, des­de 2015 até ao pri­mei­ro se­mes­tre de 2017, já con­cluiu com su­ces­so a ven­da a re­ta­lho de cer­ca 2.900 imó­veis de ne­go­ci­a­ção, no va­lor de 450 mi­lhões de eu­ros, da CEMG e das en­ti­da­des do seu pe­rí­me­tro de con­so­li­da­ção.

Além de cri­ar es­ta en­ti­da­de, o MGAI, “con­tra­ri­a­men­te ao que tem si­do ha­bi­tu­al nou­tras ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, con­si­de­rá­mos que, fa­ce ao va­lor, ti­po de imó­veis re­ce­bi­dos por da­ções em pa­ga­men­to ou in­sol­vên­ci­as e ao es­ta­do em que se en­con­tra­vam, com um sig­ni­fi­ca­ti­vo va­lor por aca­bar, te­ría­mos que as­su­mir uma in­ter­ven­ção se­me­lhan­te à dos pro­mo­to­res imo­bi­liá­ri­os, com com­pe­tên­ci­as téc­ni­cas in­ter­nas ade­qua­das à ges­tão imo­bi­liá­ria des­se pa­tri­mó­nio”.

Ou se­ja, “as­su­mi­mos a ges­tão in­te­gra­da das di­fe­ren­tes fa­ses do pro­ces­so de cri­a­ção de va­lor do imo­bi­liá­rio, com com­pe­tên­ci­as pa­ra, se for pre­ci­so, po­der­mos ini­ci­ar um pro­je­to de lo­te­a­men­to, de­fi­nir o con­cei­to de pro­du­to até con­cluir a cons­tru­ção do edi­fí­cio e en­tre­ga-lo cha­ve-na-mão”, co­me­ça por ex­pli­car Fer­nan­do San­to.

Uma op­ção que faz a di­fe­ren­ça, diz aque­le res­pon­sá­vel, so­bre­tu­do quan­do a car­tei­ra de ati­vos in­clui ter­re­nos em di­fe­ren­tes es­ta­dos de de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­nís­ti­co e em­pre­en­di­men­tos ina­ca­ba­dos. “Não con­cor­do que se ven­dam es­tes ati­vos com um des­con­to agres­si­vo, quan­do é pos­sí­vel, com tem­po, cri­ar va­lor”, ad­vo­ga, su­bli­nhan­do que “no au­ge da cri­se po­de­ría­mos ter ven­di­do ter­re­nos com des­con­tos agres­si­vos de 50% ou 60%, mas não me pa­re­ce que se­ria bom ne­gó­cio”.

Pois, “co­mo sem­pre acon­te­ceu no imo­bi­liá­rio, iria che­gar um no­vo ci­clo, que é o mo­men­to on­de es­ta­mos ago­ra, em que os va­lo­res dos ter­re­nos co­me­çam a apro­xi­mar-se das ava­li­a­ções an­te­ri­o­res; e no qual quem te­ve ca­pa­ci­da­de pa­ra man­ter o seu pa­tri­mó­nio já não vai per­der di­nhei­ro, com os des­con­tos do tem­po do pi­co da cri­se. Por­que, 50% do va­lor num ati­vo, que é o que te­ría­mos de ab­di­car há qua­tro ou cin­co anos, é mui­to di­nhei­ro pa­ra per­der, e is­so é al­go que só faz sen­ti­do se hou­ver mui­to di­nhei­ro pa­ra co­lo­car em ci­ma dos pro­ble­mas ou mes­mo mui­ta ne­ces­si­da­de em li­ber­tar a car­tei­ra de ati­vos imo­bi­liá­ri­os”.

Co­mo tal, a es­tra­té­gia do Mon­te­pio pas­sou tam­bém por in­ves­tir na con­clu­são dos pro­je­tos ina­ca­ba­dos que fo­ram “her­da­dos”. “Atuá­mos co­mo um gran­de pro­mo­tor, agin­do em to­do o ci­clo nor­mal da pro­mo­ção imo­bi­liá­ria, iden­ti­fi­can­do o que es­ta­va por cons­truir, lan­çan­do con­cur­sos pa­ra as em­prei­ta­das, li­cen­ci­an­do pro­je­tos e aca­ban­do as obras pa­ra, en­tão, ven­der os imó­veis a pre­ço mer­ca­do”.

Uma op­ção que já per­mi­tiu ven­der nos úl­ti­mos dois anos “mais de 100 mi­lhões de eu­ros em imó­veis an­tes ina­ca­ba­dos”, o que “de­mons­tra que, com tem­po, é pos­sí­vel cri­ar va­lor nos ati­vos imo­bi­liá­ri­os em car­tei­ra e ali­e­ná-los a pre­ços de mer­ca­do, apro­vei­tan­do es­sa opor­tu­ni­da­de ao in­vés de se­rem pro­me­ti­dos ven­der a ter­cei­ros, com des­con­tos mui­to su­pe­ri­o­res ao in­ves­ti­men­to a re­a­li­zar e sem es­cri­tu­ra, uma vez que os imó­veis não es­ta­vam con­cluí­dos, ou se­ja, os imó­veis não saíam do ba­lan­ço, mas o ne­gó­cio sim”, re­ma­ta Fer­nan­do San­to.

Pro­mo­to­res es­tão de vol­ta ao jo­go

Si­nal de que um no­vo ci­clo se es­tá a ini­ci­ar, o ad­mi­nis­tra­dor do Mon­te­pio no­ta que “des­de o fi­nal do ano pas­sa­do co­me­çou a ve­ri­fi­car-se al­go a que há mui­to, des­de an­tes da cri­se, não as­sis­tía­mos: a pro­cu­ra de ter­re­nos pa­ra a cons­tru­ção no­va. Te­mos al­guns lo­te­a­men­tos em car­tei­ra nos con­ce­lhos vi­zi­nhos de Lis­boa, no­me­a­da­men­te em Oei­ras, Sin­tra, Ama­do­ra, e tam­bém na mar­gem sul, pa­ra os quais co­me­ça­ram a apa­re­cer ca­da vez mais pro­mo­to­res in­te­res­sa­dos em ad­qui­rir lo­tes pa­ra cons­truir”.

Ao lon­go dos úl­ti­mos dois anos e meio, a CEMG e as em­pre­sas des­te gru­po, já con­cre­ti­za­ram a ven­da a re­ta­lho de cer­ca de 2900 imó­veis de ne­go­ci­a­ção no va­lor apro­xi­ma­do de 450 mi­lhões de eu­ros. “Só pa­ra ter uma ideia, no pri­mei­ro se­mes­tre de 2017 apro­vá­mos pro­pos­tas de ven­da que ul­tra­pas­sa­ram em 32% o re­gis­ta­do no pe­río­do ho­mó­lo­go de 2016, e es­pe­ra­mos que os pró­xi­mos se­mes­tres pos­sam cor­rer ain­da me­lhor”, re­ve­la Fer­nan­do San­to.

E, é pre­ci­sa­men­te nes­se con­tex­to, que a CEMG e o Mon­te­pio Ges­tão de Ati­vos Imo­bi­liá­ri­os aca­bam de dar mais um pas­so em fren­te na sua es­tra­té­gia pa­ra a área imo­bi­liá­ria, com o lan­ça­men­to do no­vo si­te Imo­veis­mon­te­pio.pt.

On­li­ne des­de o iní­cio de ju­lho, o por­tal reú­ne cer­ca de 4800 imó­veis co­mer­ci­ais, re­si­den­ci­ais e ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção de­ti­dos pe­lo gru­po pa­ra ven­da, lo­ca­li­za­dos de nor­te a sul do país e nas ilhas. Um re­for­ço da es­tra­té­gia de co­mer­ci­a­li­za­ção que já vem sen­do de­sen­vol­vi­da “of­fli­ne” atra­vés de uma re­de de 90 me­di­a­do­res a quem o Mon­te­pio atri­buiu a co­mer­ci­a­li­za­ção ex­clu­si­va dos seus ati­vos, ad­mi­tin­do par­ce­ri­as com to­dos os ou­tros me­di­a­do­res.

DR

Es­tra­té­gia do Mon­te­pio pas­sou tam­bém por in­ves­tir na con­clu­são dos pro­je­tos ina­ca­ba­dos que fo­ram “her­da­dos”, re­ve­lou Fer­nan­do San­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.