Apar­ta­men­tos in­te­gra­dos no Fo­rum Bar­rei­ro en­tram em co­mer­ci­a­li­za­ção

As vis­tas ím­pa­res so­bre Lis­boa e o Te­jo são ape­nas um dos ar­gu­men­tos des­ta no­va ofer­ta. Nes­ta fa­se, es­tão em ven­da 17 uni­da­des de ti­po­lo­gia T3 e T4

Publico - Imobiliario - - Oportunidade - Ana Ta­va­res

Já es­tão em ven­da os pri­mei­ros apar­ta­men­tos in­te­gra­dos no com­ple­xo do cen­tro co­mer­ci­al Fo­rum Bar­rei­ro, no cen­tro da ci­da­de ho­mó­ni­ma si­tu­a­da na mar­gem Sul do Te­jo. A com­po­nen­te re­si­den­ci­al nas­ce na par­te su­pe­ri­or des­te shop­ping, jun­to à en­tra­da Sul, e es­tá em per­fei­ta in­te­gra­ção es­té­ti­ca com o res­tan­te com­ple­xo, par­ti­lhan­do da mes­ma lin­gua­gem ar­qui­te­tó­ni­ca con­tem­po­râ­nea e uso de ma­te­ri­ais que nor­te­a­ram o pro­je­to do Fo­rum Bar­rei­ro, inau­gu­ra­do em 2008 e de­se­nha­do pe­lo con­cei­tu­a­do ga­bi­ne­te in­ter­na­ci­o­nal de ar­qui­te­tu­ra Bro­adway Malyan.

Nes­ta fa­se, es­tão em ven­da 17 uni­da­des de ti­po­lo­gi­as T3 e T4, pro­du­to que, de acor­do com Jo­sé Araú­jo, Di­re­tor da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, Ban­co que de­tém os imó­veis, con­fi­gu­ra ”uma ofer­ta ex­clu­si­va e úni­ca” na ci­da­de do Bar­rei­ro. O res­pon­sá­vel vai mes­mo mais lon­ge, con­si­de­ran­do que “é um dos me­lho­res pro­du­tos que já ti­ve­mos pa­ra co­lo­car em mer­ca­do fo­ra de Lis­boa”.

Os ar­gu­men­tos são mui­tos. Des­de lo­go, as “vis­tas fan­tás­ti­cas” so­bre o Te­jo e Lis­boa, e ain­da pa­ra a Ser­ra da Ar­rá­bi­da, des­ta­ca Jo­sé Ro­cha, di­re­tor co­mer­ci­al da ERA Bar­rei­ro, me­di­a­do­ra que es­tá a di­na­mi­zar a co­mer­ci­a­li­za­ção des­te pro­du­to. Mas tam­bém e, prin­ci­pal­men­te, a pró­pria qua­li­da­de dos apar­ta­men­tos quer a “ní­vel de aca­ba­men­tos quer a ní­vel de layouts in­te­ri­o­res, com uma or­ga­ni­za­ção de es­pa­ços dig­na de um con­do­mí­nio de lu­xo”, com­ple­men­ta Jo­sé Araú­jo. Mas o pre­ço, es­se, é de “ga­ma mé­dia”, fri­sa es­te res­pon­sá­vel, evi­den­ci­an­do a ex­ce­len­te re­la­ção qua­li­da­de/pre­ço do pro­du­to, cu­jos va­lo­res de co­mer­ci­a­li­za­ção os­ci­lam en­tre os 185.000 e os 235.000 eu­ros. “São pre­ços de ven­da mui­to com­pe­ti­ti­vos, ten­do em con­ta as ca­ra­te­rís­ti­cas e lo­ca­li­za­ção dos apar­ta­men­tos”, con­fir­ma Jo­sé Ro­cha. Ou­tras ca­ra­te­rís­ti­cas apon­ta­das pe­lo ge­ren­te co­mer­ci­al da ERA Bar­rei­ro in­clu­em as áre­as ge­ne­ro­sas dos apar­ta­men­tos en­tre os 180 e os 210 m2 de área bru­ta de cons­tru­ção – por exem­plo, além de co­zi­nhas se­mi-equi­pa­das, as sa­las com cer­ca de 50 m2 e, no ca­so dos T3 to­dos os quar­tos com Wc - e o fac­to de to­das as uni­da­des te­rem fa­cha­da quer pa­ra a zo­na fron­tal quer a tar­doz, além de dis­po­rem de es­ta­ci­o­na­men­to e ar­re­ca­da­ção. Além dis­so, é uma “ofer­ta de cons­tru­ção no­va”, al­go que é pra­ti­ca­men­te ine­xis­ten­te na ci­da­de e, prin­ci­pal­men­te no cen­tro”, mas que a pro­cu­ra es­tá a va­lo­ri­zar ca­da vez mais. “No­ta­mos atu­al­men­te uma cres­cen­te ape­tên­cia pa­ra ca­sas no­vas e mo­der­nas”, re­fe­re Jo­sé Ro­cha. A lo­ca­li­za­ção cen­tral e a sua in­te­gra­ção no prin­ci­pal cen­tro co­mer­ci­al da ci­da­de tam­bém são fa­to­res di­fe­ren­ci­a­do­res, ga­ran­tin­do “con­ve­ni­ên­cia e fun­ci­o­na­li­da­de aos mo­ra­do­res, que têm tu­do que ne­ces­si­tam pa­ra o seu di­aa-dia, sem pre­ci­sar de se des­lo­car na sua vi­a­tu­ra”, re­fe­re Jo­sé Araú­jo. As bo­as aces­si­bi­li­da­des e vas­ta re- de de trans­por­tes pú­bli­cos na zo­na são tam­bém as­pe­tos des­ta­ca­dos.

No­vos ha­bi­tan­tes ain­da es­te ano

Os apar­ta­men­tos em ven­da es­tão em fa­se fi­nal de aca­ba­men­tos e de­ve­rão fi­car to­tal­men­te pron­tos a es­cri­tu­rar em fi­nais de ou­tu­bro, uma al­tu­ra em que Jo­sé Ro­cha es­pe­ra ter já con­cluí­da a co­mer­ci­a­li­za­ção. “Acre­di­to que em 3 me­ses con­se­gui­mos ven­der os 17 apar­ta­men­tos”, diz. Lo­go nos pri­mei­ros di­as de ven­das, “ti­ve­mos uma re­ser­va”, re­fe­re o me­di­a­dor, su­bli­nhan­do que “es­te pro­du­to in­te­res­sa mui­to à po­pu­la­ção do Bar­rei­ro”, e es­pe­ci­al­men­te a um seg­men­to de ren­di­men­to mé­dio-al­to em que que “o re­cur­so ao cré­di­to à ha­bi­ta­ção se­ja com­ple­men­tar”. Ou se­ja, pa­ra com­pra­do­res que “dis­põem tam­bém de ca­pi­tal pró­prio”. Os bar­rei­ren­ses e com­pra­do­res dos con­ce­lhos vi­zi­nhos es­tão en­tre os prin­ci­pais pú­bli­cos-al­vo pa­ra a ven­da des­tes apar­ta­men­tos, es­pe­ci­al­men­te “quem gos­te de vi­ver no cen­tro da ci­da­de a ape­nas 10 mi­nu­tos do com­boio ou do bar­co pa­ra a ou­tra mar­gem e a pou­co mais de meia ho­ra de car­ro de Lis­boa, com uma qua­li­da­de de vi­da ini­gua­lá­vel”, acres­cen­ta Jo­sé Araú­jo. A pri­mei­ra ha­bi­ta­ção se­rá a mo­ti­va­ção mais for­te pa­ra a com­pra, mas Jo­sé Araú­jo, acre­di­ta que “se al­guém qui­ser com­prar pa­ra co­lo­car em ar­ren­da­men­to jun­to de fa­mí­li­as, con­se­gui­rá ren­ta­bi­li­da­des bem in­te­res­san­tes fa­ce a ou­tras al­ter­na­ti­vas de apli­ca­ções no mer­ca­do”. Além dis­so, acres­cen­ta Jo­sé Ro­cha, nes­ta óti­ca de com­pra de imó­veis pa­ra in­ves­ti­men­to, há que lem­brar que “o Bar­rei­ro po­de pro­por­ci­o­nar ta­xas de ren­ta­bi­li­da­de se­me­lhan­tes ou até su­pe­ri­o­res a Lis­boa, mas com ní­veis de in­ves­ti­men­to mui­to in­fe­ri­o­res pa­ra o mes­mo ti­po de pro­du­to”. Por is­so, quer por es­ta ra­zão quer pe­la re­la­ção qua­li­da­de/pre­ço, tam­bém “os cli­en­tes de fo­ra do Bar­rei­ro”, in­cluin­do de Lis­boa, es­tão na mi­ra das es­tra­té­gi­as co­mer­ci­ais, diz Jo­sé Ro­cha, que su­bli­nha ain­da ao Pú­bli­co Imo­bi­liá­rio o cres­cen­te in­te­res­se dos es­tran­gei­ros pe­la ci­da­de. “Há ca­da vez mais es­tran­gei­ros, es­pe­ci­al­men­te oriun­dos de Ir­lan­da e Fran­ça, que nos co­me­çam a pro­cu­rar, pe­la pro­xi­mi­da­de da ca­pi­tal e pe­la re­la­ção pre­ço/qua­li­da­de dos imó­veis”, ter­mi­na.

MIL­LEN­NIUM BCP

Os apar­ta­men­tos si­tu­am-se no cen­tro do Bar­rei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.