Até quan­do va­mos pa­gar dois IMI?

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Pa­ra mui­tos con­tri­buin­tes, ain­da mal ter­mi­nou o pra­zo li­mi­te pa­ra o pa­ga­men­to da se­gun­da pres­ta­ção do IMI, o im­pos­to pa­ra as au­tar­qui­as, a que se jun­tou, es­te ano, o no­vo Adi­ci­o­nal do IMI (AIMI), ou se­ja, o no­vo IMI pa­ra o Es­ta­do, e já se apro­xi­ma, a pas­sos lar­gos, a ter­cei­ra pres­ta­ção. Ou se­ja, es­te ano, o IMI “é pa­ra dois”, pa­ra uti­li­zar uma ex­pres­são que es­tá na mo­da. Mas tam­bém sa­be­mos que, nes­te mo­men­to, es­tão a ser de­fi­ni­das as li­nhas ori­en­ta­do­ras do no­vo Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2018, pe­lo que é a al­tu­ra cer­ta pa­ra ques­ti­o­nar es­ta pe­na­li­za­ção do imo­bi­liá­rio.

Tal co­mo foi es­ta­be­le­ci­da, es­ta não é uma tri­bu­ta­ção dos pa­tri­mó­ni­os “de lu­xo”, mas an­tes um im­pos­to ce­go, que se tra­duz num efe­ti­vo au­men­to do cus­to das ca­sas e afe­ta to­dos os por­tu­gue­ses que que­rem com­prar uma ca­sa, em es­pe­ci­al, a clas­se mé­dia e os jo­vens. Ao abar­car to­do o pa­tri­mó­nio ha­bi­ta­ci­o­nal de­ti­do pe­las em­pre­sas, in­cluin­do ter­re­nos pa­ra cons­tru­ção, sem qual­quer pa­ta­mar de isen­ção, que ape­nas se apli­ca aos par­ti­cu­la­res até aos 600 mil eu­ros, mais do que du­pli­cou o cus­to de de­ter ou cons­truir as ca­sas que se des­ti­nam à ge­ne­ra­li­da­de das fa­mí­li­as.

Pa­ra as em­pre­sas que se de­di­cam à cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção pa­ra ven­da, é uma in­con­ce­bí­vel pe­na­li­za­ção. Es­ta é, tan­to quan­to se sai­ba, a úni­ca ati­vi­da­de que pa­ga im­pos­tos por man­ter em stock mer­ca­do­ri­as – ca- sas –, que não con­se­gue ven­der. E, ago­ra, so­ma-se a tri­bu­ta­ção do AIMI ao já in­jus­to IMI.

Es­ta­mos a fa­lar de pa­gar um du­plo IMI, que po­ten­ci­al­men­te in­ci­de, no ca­so das em­pre­sas, so­bre to­do o ti­po de ca­sas e ter­re­nos, por mais mo­des­tos que pos­sam ser. As ca­sas fi­cam mais ca­ras, as em­pre­sas atra­ves­sam di­fi­cul­da­des pa­ra su­por­tar mais en­car­gos so­bre bens que es­tão com di­fi­cul­da­des em es­co­ar, os in­ves­ti­do­res re­tra­em-se e são as fa­mí­li­as e o país quem fi­ca a per­der.

É ne­ces­sá­rio cor­ri­gir os de­se­qui­lí­bri­os que, ao lon­go dos anos, fo­ram ge­ra­dos no mer­ca­do imo­bi­liá­rio. Es­te no­vo IMI que re­ver­te a fa­vor do Es­ta­do é um fa­tor dis­su­a­sor do in­ves­ti­men­to no mer­ca­do ha­bi­ta­ci­o­nal. Por­tu­gal tem mais de um mi­lhão de ca­sas a ne­ces­si­tar de obras, 468 mil fa­mí­li­as a vi­ver em ca­sas so­bre­lo­ta­das e pre­ci­sa­mos de uma es­tra­té­gia trans­ver­sal pa­ra uma po­lí­ti­ca de ha­bi­ta­ção. O Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2018, o tal que, ao que tu­do in­di­ca, pre­vê o dé­fi­ce mais bai­xo da nos­sa de­mo­cra­cia, não po­de ig­no­rar os de­síg­ni­os es­tra­té­gi­cos que en­fren­ta­mos.

Es­ta não é uma tri­bu­ta­ção dos pa­tri­mó­ni­os “de lu­xo”, mas an­tes um im­pos­to ce­go, que se tra­duz num efe­ti­vo au­men­to do cus­to das ca­sas e afe­ta to­dos os por­tu­gue­ses que que­rem com­prar uma ca­sa

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.