Mer­ca­do de ha­bi­ta­ção com ofer­ta de­sa­jus­ta­da

Aces­so a ha­bi­ta­ção a pre­ços aces­sí­veis é um de­sa­fio do mer­ca­do imo­bi­liá­rio, con­si­de­ra Ri­car­do Sou­sa, ad­mi­nis­tra­dor da re­de imo­bi­liá­ria Cen­tury 21 Por­tu­gal

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

O cres­ci­men­to da ofer­ta de ha­bi­ta­ção aces­sí­vel pa­ra os por­tu­gue­ses é um de­sa­fio que o mer­ca­do imo­bi­liá­rio tem pe­la fren­te. De acor­do com Ri­car­do Sou­sa, ad­mi­nis­tra­dor da re­de imo­bi­liá­ria Cen­tury 21 Por­tu­gal, “é im­por­tan­te ter cons­ci­ên­cia que uma só­li­da es­tra­té­gia de ha­bi­ta­ção é a ba­se pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel do país”.

Na sua pers­pe­ti­va, “os jo­vens pre­ci­sam de ter aces­so a ca­sas ajus­ta­das às su­as ne­ces­si­da­des e ca­pa­ci­da­des eco­nó­mi­cas”, en­quan­to “a po­pu­la­ção en­ve­lhe­ci­da ne­ces­si­ta de so­lu­ções de ha­bi­ta­ção adap­ta­das à sua con­di­ção e ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas”.

Se­gun­do a mes­ma re­de, “a ofer­ta exis­ten­te es­tá bas­tan­te de­sa­jus­ta­da da pro­cu­ra, so­bre­tu­do, em ter­mos das re­ais ca­pa­ci­da­des fi­nan­cei­ras da clas­se mé­dia por­tu­gue­sa, que é o mai­or mo­tor do mer­ca­do imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal”.

Es­se cres­ci­men­to far-se-á, acres­cen­ta, “atra­vés da re­ge­ne­ra­ção dos es­pa­ços pú­bli­cos ur­ba­nos, pa­ra cri­ar no­vas so­lu­ções de ha­bi­ta­ção nas zo­nas das ci­da­des on­de ain­da é pos­sí­vel de­sen­vol­ver pro­je­tos ur­ba­nís­ti­cos”. Por ou­tro la­do, “a re­a­bi­li­ta­ção dos es­pa­ços pú­bli­cos es­ti­mu­la, tam­bém, a atra­ção e fi­xa­ção de em­pre­sas e ser­vi­ços, que tra­zem no­vas di­nâ­mi­cas pa­ra as zo­nas re­a­bi­li­ta­das e po­ten­ci­am o sur­gi­men­to de so­lu­ções de ha­bi­ta­ção”.

A Cen­tury 21 no­ta que “co­me­çam a sur­gir pro­je­tos re­si­den­ci­ais de obra no­va, nas zo­nas mais pe­ri­fé­ri­cas das ci­da­des, pa­ra fa­zer fa­ce à pro­cu­ra atu­al”. Po­rém, “ain­da não são su­fi­ci­en­tes”. Por es­se mo­ti­vo, “de­vem ser es­tu­da­dos mé­to­dos ino­va­do­res de fi­nan­ci­a­men­to à cons­tru­ção, pa­ra atrair ope­ra­do­res de gran­de di­men­são pa­ra di­na­mi­zar o sec­tor da cons­tru­ção re­si­den­ci­al, que de­sen­vol­vam no­vos pro­je­tos ajus­ta­dos às re­ais ca­pa­ci­da­des fi­nan­cei­ras dos por­tu­gue­ses”.

O mer­ca­do imo­bi­liá­rio ne­ces­si­ta, tam­bém, de “atrair gran­des in­ves­ti­do­res que cons­ti­tu­am car­tei­ras de imó­veis pa­ra ar­ren­da­men­to, com di­men­são que lhes per­mi­ta mi­ni­mi­zar o ris­co, mi­no­rar o va­lor das ren­das e as­se­gu­rar a sua ren­ta­bi­li­da­de, atra­vés da cri­a­ção de eco­no­mi­as de es­ca­la”.

Ou­tras so­lu­ções pro­pos­tas pas­sa­ri­am por “ex­plo­rar a pos­si­bi­li­da­de de con­ver­ter es­pa­ços não re­si­den­ci­ais sem uti­li­za­ção, no cen­tro das ci­da­des, em so­lu­ções de ha­bi­ta­ção aces­sí­vel pa­ra ar­ren­da­men­to”. Igual­men­te im­por­tan­te se­ria “tra­ba­lhar com os pro­pri­e­tá­ri­os, de ter­re­nos e pré­di­os de­vo­lu­tos ou su­bo­cu­pa­dos, pa­ra po­ten­ci­ar no­vas so­lu­ções de ha­bi­ta­ção e au­men­tar a co­lo­ca­ção de mais imó­veis no mer­ca­do”.

Ar­ren­da­men­to ar­re­fe­ce

A re­de apre­sen­tou re­cen­te­men­te os re­sul­ta­dos do pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, pe­río­do em que re­gis­tou uma fa­tu­ra­ção de 14,9 mi­lhões de eu­ros, o que re­pre­sen­ta um cres­ci­men­to de 32%, em com­pa­ra­ção com os 11,3 mi­lhões de eu­ros al­can­ça­dos no pe­río­do ho­mó­lo­go do ano an­te­ri­or. O vo­lu­me de ne­gó­ci­os me­di­a­do au­men­tou cer­ca de 32% pa­ra os 373,3 mi­lhões de eu­ros, fa­ce aos cer­ca de 281,8 mi­lhões de eu­ros re­gis­ta­dos no pri­mei­ro se­mes­tre de 2016.

As tran­sa­ções de ar­ren­da­men­to de imó­veis, nos pri­mei­ros seis me­ses des­te ano, che­ga­ram às 1168, re­ve­lan­do uma di­mi­nui­ção de 9% fa­ce às 1288 ve­ri­fi­ca­das no pe­río­do ho­mó­lo­go do ano pas­sa­do, e o mes­mo va­lor de des­ci­da ve­ri­fi­ca-se tam­bém na com­pa­ra­ção com as 1280 ope­ra­ções de ar­ren­da­men­to re­gis­ta­das no úl­ti­mo se­mes­tre de 2016. Es­te in­di­ca­dor con­fir­ma a ten­dên­cia des­cen­den­te das tran­sa­ções de ar­ren­da­men­to que se re­gis­ta, con­se­cu­ti­va­men­te, des­de 2014.

Po­rém, en­tre Ja­nei­ro e Ju­nho de 2017, o va­lor mé­dio de ar­ren­da­men­to, a ní­vel na­ci­o­nal, fi­xou-se nos 680 eu­ros, o que re­ve­la um au­men­to de 10% fa­ce à mé­dia de 620 eu­ros re­gis­ta­da no mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or. “A atu­al ofer­ta do mer­ca­do de ar­ren­da­men­to não é su­fi­ci­en­te, nem ade­qua­da, pa­ra dar res­pos­ta aos ní­veis de pro­cu­ra dos con­su­mi­do­res por­tu­gue­ses, o que pro­vo­ca um au­men­to sis­té­mi­co do va­lor mé­dio do ar­ren­da­men­to”, con­clui.

DR

Va­lor mé­dio de ar­ren­da­men­to au­men­tou 10% no pri­mei­ro se­mes­tre

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.