Tran­sa­ções imo­bi­liá­ri­as com obri­ga­ções mais aper­ta­das

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Fer­nan­da Cer­quei­ra

As re­gras pa­ra a ce­le­bra­ção de con­tra­tos de com­pra e ven­da de um imó­vel so­fre­ram al­te­ra­ções, cu­jo te­or foi já pu­bli­ca­do em se­de de Diá­rio da Re­pú­bli­ca. As no­vas re­gras, que en­tra­rão em vi­gor em me­a­dos de No­vem­bro, obri­gam a que a en­ti­da­de pe­ran­te a qual o ne­gó­cio é ce­le­bra­do (con­ser­va­tó­ria, no­tá­rio, ad­vo­ga­do, câ­ma­ra de co­mér­cio e in­dús­tria ou so­li­ci­ta­dor) te­nha de men­ci­o­nar obri­ga­to­ri­a­men­te no con­tra­to, e “sem­pre que es­te­ja em cau­sa o pa­ga­men­to de uma quan­tia”, o “mo­men­to em que tal ocor­re” e o “meio de pa­ga­men­to uti­li­za­do”.

O ob­je­ti­vo pas­sa por dar às au­to­ri­da­des ca­pa­ci­da­de pa­ra se­guir a pis­ta do di­nhei­ro e, as­sim, re­du­zir os ris­cos de ne­gó­ci­os si­mu­la­dos. As re­gras in­te­gram um pa­co­te que trans­põe a di­re­ti­va de pre­ven­ção do bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e fi­nan­ci­a­men­to do ter­ro­ris­mo.

Es­ta ini­ci­a­ti­va le­gis­la­ti­va, pu­bli­ca­da no di­plo­ma que cria o re­gis­to cen­tral do be­ne­fi­ciá­rio efe­ti­vo (RCBE), al­te­ra o Có­di­go do Re­gis­to Pre­di­al e o Có­di­go do No­ta­ri­a­do no que res­pei­ta às men­ções obri­ga­tó­ri­as que de­vem cons­tar dos ins­tru­men­tos no­ta­ri­ais. No ca­so de o pa­ga­men­to ter lu­gar an­tes ou no mo­men­to da ce­le­bra­ção do ato, de­ve ser con­sig­na­do no con­tra­to o res­pe­ti­vo meio de pa­ga­men­to.

Es­te in­clui a mo­e­da uti­li­za­da, se o pa­ga­men­to for re­a­li­za­do em nu­me­rá­rio; o nú­me­ro e a en­ti­da­de sa­ca­da se o pa­ga­men­to se efe­ti­var atra­vés de che­que; ou, tra­tan­do-se de pa­ga- men­to atra­vés da re­a­li­za­ção de uma trans­fe­rên­cia de fun­dos, “a iden­ti­fi­ca­ção da con­ta do or­de­nan­te e da con­ta do be­ne­fi­ciá­rio”.

Tra­tan­do-se es­ta in­for­ma­ção de uma men­ção obri­ga­tó­ria, os no­tá­ri­os e ou­tras en­ti­da­des pe­ran­te as quais es­tes ne­gó­ci­os po­dem ser ce­le­bra­dos, po­de­rão re­cu­sar-se a ela­bo­rar o con­tra­to quan­do hou­ver in­cum­pri­men­to das no­vas obri­ga­ções de de­cla­ra­ção de mei­os de pa­ga­men­to.

De­ve­res de co­mu­ni­ca­ção

No âm­bi­to do mes­mo pa­co­te le­gis­la­ti­vo, são es­ta­be­le­ci­das obri­ga­ções de co­mu­ni­ca­ção re­for­ça­das pa­ra as en­ti­da­des, fi­nan­cei­ras e não fi­nan­cei­ras, que exer­çam ati­vi­da­des imo­bi­liá­ri­as.

So­bre ca­da tran­sa­ção imo­bi­liá­ria e con­tra­to de ar­ren­da­men­to efe­tu­a­dos, es­tas en­ti­da­des de­ve­rão co­mu­ni­car, se­mes­tral­men­te, ao Ins­ti­tu­to dos Mer­ca­dos Pú­bli­cos do Imo­bi­liá­rio e da Cons­tru­ção (IMPIC) um con­jun­to de ele­men­tos, co­mo a iden­ti­fi­ca­ção “cla­ra” dos in­ter­ve­ni­en­tes e do imó­vel, o mon­tan­te glo­bal do ne­gó­cio e do va­lor de ca­da imó­vel tran­sa­ci­o­na­do, a men­ção dos res­pe­ti­vos tí­tu­los re­pre­sen­ta­ti­vos, a iden­ti­fi­ca­ção “cla­ra dos mei­os de pa­ga­men­to uti­li­za­dos, com in­di­ca­ção, sem­pre que apli­cá­vel, dos nú­me­ros das con­tas de pa­ga­men­to uti­li­za­das”, e o “pra­zo de du­ra­ção do con­tra­to de ar­ren­da­men­to, quan­do apli­cá­vel”. No ca­so de ar­ren­da­men­to, o de­ver de co­mu­ni­ca­ção ape­nas se apli­ca aos con­tra­tos em que o “mon­tan­te de ren­da se­ja igual ou su­pe­ri­or a 2500 eu­ros men­sais”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.