Ar­gu­men­tos fa­la­ci­o­sos

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Des­de a sua cri­a­ção que o pro­gra­ma de Au­to­ri­za­ção de Re­si­dên­cia pa­ra Ati­vi­da­des de In­ves­ti­men­to (ARI), vul­gar­men­te co­nhe­ci­do co­mo “Vis­tos Gold”, tem ge­ra­do opi­niões con­trá­ri­as e con­tro­ver­sas.

Ame-se ou odeie-se, a ver­da­de é que es­te pro­gra­ma cri­ou mi­lha­res de em­pre­gos em Por­tu­gal, es­ti­mu­lan­do não só a re­to­ma do “mal-ama­do” sec­tor imo­bi­liá­rio, mas tam­bém da pró­pria Eco­no­mia na­ci­o­nal.

No en­tan­to, in­fe­liz­men­te, não é ra­ro de­pa­ra­mo-nos com o ar­gu­men­to de que es­te é um pro­gra­ma que não trou­xe na­da de bom, num dis­cur­so que por ve­zes ro­ça até uma cer­ta xe­no­fo­bia e ra­cis­mo pa­ra com os es­tran­gei­ros que po­dem e que­rem in­ves­tir em Por­tu­gal, e com is­so ob­ter um Vis­to de Re­si­dên­cia.

Na mi­nha ca­be­ça, não ca­be ne­nhu­ma ou­tra op­ção. Se há um es­tran­gei­ro que in­ves­te no meu País, se­ja em imo­bi­liá­rio, se­ja num qual­quer ou­tro sec­tor, faz pa­ra mim to­do o sen­ti­do que o mes­mo pos­sa ter um vis­to de re­si­dên­cia que lhe per­mi­ta vi­ver e cir­cu­lar li­vre­men­te e le­gal­men­te.

Mas a ten­ta­ção dos po­pu­lis­mos in­jus­ti­fi­ca­dos tem si­do gran­de pro­du­to­ra de ar­gu­men­tos fa­la­ci­o­sos que se mul­ti­pli­cam e cri­am idei­as ne­ga­ti­vas so­bre a es­te pro­gra­ma tem uma im­por­tân­cia in­dis­cu­tí­vel no pa­no­ra­ma por­tu­guês.

Ain­da na pas­sa­da se­ma­na, fo­ram di­vul­ga­das notícias que in­di­ca­vam que os Vis­tos Gold não ti­nham cria- do em­pre­go no País, mas é pre­ci­so des­cons­truir a in­for­ma­ção e os nú­me­ros.

Dos vá­ri­os re­qui­si­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a ob­ten­ção de vis­tos de re­si­dên­cia atra­vés des­te me­ca­nis­mo, o imo­bi­liá­rio é o que tem si­do mais uti­li­za­do. Co­mo tal, in­sis­te-se em trans­mi­tir a ima­gem de que es­te é um sec­tor que não ge­ra ri­que­za nem em­pre­go, des­con­si­de­ran­do com­ple­ta­men­te a sua re­le­vân­cia num país que atra­ves­sou uma enor­me cri­se e um cres­ci­men­to acen­tu­a­do do de­sem­pre­go, mui­to de­le vin­do do sec­tor da cons­tru­ção ci­vil, que, com es­te ti­po de in­ves­ti­men­to te­ve um ba­lão de oxi­gé­nio que per­mi­tiu a so­bre­vi­vên­cia de mui­tas em­pre­sas.

Mui­to do in­ves­ti­men­to fei­to por es­ta via, foi apli­ca­do em ati­vos com vis­ta à sua re­a­bi­li­ta­ção, ou nou­tros pro­du­tos que es­ta­vam es­tan­ca­dos, co­mo al­guns re­sorts no Al­gar­ve ou em Troia, cu­jos pro­je­tos fo­ram re­di­na­mi­za­dos atra­vés des­ta so­lu­ção, pro­mo­ven­do o em­pre­go em sec­to­res co­mo o da cons­tru­ção, ho­te­la­ria, imo­bi­liá­rio, e to­dos os serviços que lhes são ine­ren­tes.

Con­ti­nu­ar a in­sis­tir na ideia que o in­ves­ti­men­to fei­to atra­vés des­te pro­gra­ma, e em par­ti­cu­lar atra­vés do sec­tor imo­bi­liá­rio, não ge­ra em­pre­go nem di­na­mi­za a eco­no­mia, é per­pe­tu­ar uma fa­lá­cia que não pas­sa de um ar­gu­men­to po­pu­lis­ta.

Ape­sar de to­dos os en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos que es­te pro­gra­ma tem vi­vi­do, e que aca­bam por pôr cau­sa a sua cre­di­bi­li­da­de, a sua re­le­vân­cia na re­to­ma do imo­bi­liá­rio e da eco­no­mia é mais do que evi­den­te. É por is­so im­por­tan­te des­fa­zer a ideia de que o imo­bi­liá­rio, no ge­ral, e os Vis­tos Gold, no par­ti­cu­lar, ser­vem ape­nas pa­ra en­cher os bol­sos de agen­tes do sec­tor imo­bi­liá­rio, qu­an­do, se ana­li­sar­mos e des­cons­truir­mos bem os nú­me­ros, per­ce­be­mos que aju­dou tam­bém a en­cher os co­fres do nos­so País.

Não é ra­ro de­pa­ra­mo-nos com o ar­gu­men­to de que es­te é um pro­gra­ma que não trou­xe na­da de bom, num dis­cur­so que por ve­zes ro­ça até uma cer­ta xe­no­fo­bia e ra­cis­mo pa­ra com os es­tran­gei­ros que po­dem e que­rem in­ves­tir em Por­tu­gal

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.