Porquê man­ter os “vis­tos Gold” nes­te im­pas­se?

Publico - Imobiliario - - Opinião - Reis Cam­pos

Mui­to se tem fa­la­do so­bre o Pro­gra­ma dos Vis­tos Gold. La­men­ta­vel­men­te, di­ver­sas abor­da­gens têm-no fei­to de uma for­ma re­du­to­ra, es­que­cen­do a sua ra­zão de ser: cap­tar mais in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro pa­ra Por­tu­gal. É ma­ni­fes­to que, nes­ta pers­pe­ti­va, os Vis­tos Gold têm si­do um êxi­to. Des­de agos­to de 2012, e até ao fi­nal de ju­lho, de acor­do com os úl­ti­mos nú­me­ros co­nhe­ci­dos, fo­ram res­pon­sá­veis pe­la cap­ta­ção, di­re­ta, de mais de 3,2 mil mi­lhões de eu­ros de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro. Que ou­tra ini­ci­a­ti­va, di­re­ci­o­na­da pa­ra ci­da­dãos ex­tra­co­mu­ni­tá­ri­os, con­se­guiu atrair um tal vo­lu­me de in­ves­ti­men­to?

Po­de­mos e de­ve­mos dis­cu­tir se es­te Pro­gra­ma po­de ser me­lho­ra­do, se per­sis­tem ina­cei­tá­veis en­tra­ves de or­dem ad­mi­nis­tra­ti­va ou bu­ro­crá­ti­cos que afe­tam o seu de­sem­pe­nho ou se é im­pres­cin­dí­vel po­ten­ci­ar a atra­ti­vi­da­de de ou­tras zo­nas, pa­ra além das tra­di­ci­o­nais ci­da­des de Lis­boa, do Por­to e da re­gião do Al­gar­ve. Ou se­ja, exi­gem-se abor­da­gens cons­tru­ti­vas, que ve­jam o Pro­gra­ma de uma for­ma glo­bal, sem cair na ten­ta­ção de o des­mem­brar. É ver­da­de que cer­ca de 90% das au­to­ri­za­ções de re­si­dên­cia fo­ram con­ce­di­das por via da aqui­si­ção de bens imó­veis, re­a­li­da­de que só nos po­de dei­xar or­gu­lho­sos. Por­tu­gal con­ti­nua a ser um País se­gu­ro, com con­di­ções na­tu­rais de ex­ce­lên­cia, com um pa­tri­mó­nio his­tó­ri­co e cul­tu­ral ím­par, que con­ti­nua a dis­tin­guir-nos dos de­mais paí­ses que dis­põem de re­gi­mes idên­ti­cos. É nes­ta “di­fe­ren­ça” que te­mos de apos­tar.

Que não ha­ja dú­vi­das. Fa­lar do Pro­gra­ma dos Vis­tos Gold é fa­lar de uma ini­ci­a­ti­va de su­ces­so, da qual, num mo­men­to em que o in­ves­ti­men­to pri­va­do e, em par­ti­cu­lar, es­tran­gei­ro, é tão ne­ces­sá­rio, o País não po­de pres­cin­dir. É ine­gá­vel que Por­tu­gal tem aqui uma opor­tu­ni­da­de úni­ca de va­lo­ri­zar o seu pa­tri­mó­nio, re­a­bi­li­tar as su­as ci­da­des e ge­rar cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­ta­do e cri­ar em­pre­go. Por is­so, te­mos de nos ques­ti­o­nar: Porquê man­ter os pe­di­dos de Vis­to em sus­pen­so, sem de­ci­dir? Por­que é que se in­sis­te na cri­a­ção de en­tra­ves ad­mi­nis­tra­ti­vos? Por­que é que não se alo­cam a es­te Pro­gra­ma os mei­os ne­ces­sá­ri­os ao seu nor­mal fun­ci­o­na­men­to? Por­que é que se diz que os Vis­tos Gold não cri­am em­pre­go, qu­an­do se sa­be que pa­ra além do re­gi­me de cri­a­ção lí­qui­da de pos­tos de tra­ba­lho, o in­ves­ti­men­to em imo­bi­liá­rio tem re­per­cus­sões evi­den­tes ao ní­vel do em­pre­go? Há que sair des­te im­pas­se.

A te­má­ti­ca dos Vis­tos Gold não po­de ser me­nos­pre­za­da, de­ven­do ser abor­da­da, de for­ma efi­caz e ime­di­a­ta, ado­tan­do as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra pôr fim à fu­ga dos in­ves­ti­do­res pa­ra ou­tros paí­ses e re­cu­pe­rar uma li­de­ran­ça que era de Por­tu­gal, País cu­jas po­ten­ci­a­li­da­des são por de­mais re­co­nhe­ci­das.

Cer­ca de 90% das au­to­ri­za­ções de re­si­dên­cia fo­ram con­ce­di­das por via da aqui­si­ção de bens imó­veis, re­a­li­da­de que só nos po­de dei­xar or­gu­lho­sos

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.