Up­town, o fu­tu­ro já che­gou a Vi­la­mou­ra

Publico - Imobiliario - - Resorts E Turismo - Su­sa­na Cor­reia

O fu­tu­ro já che­gou a Vi­la­mou­ra. Con­ju­gan­do co­mér­cio, la­zer, tu­ris­mo e uma com­po­nen­te re­si­den­ci­al, o Up­town vem cri­ar uma no­va cen­tra­li­da­de jun­to ao par­que am­bi­en­tal, con­sa­gran­do a vi­são de fu­tu­ro pa­ra o mai­or re­sort por­tu­guês.

“Um em­pre­en­di­men­to di­fe­ren­te de tu­do aqui­lo que já exis­te em Vi­la­mou­ra, es­te é pro­je­to vem lan­çar as ba­ses pa­ra que se de­sen­vol­va uma a no­va for­ma de vi­ven­ci­ar a re­gião”, re­su­me a ad­mi­nis­tra­ção da Vi­la­mou­ra World.

De­sen­vol­ven­do-se jun­to à en­tra­da oes­te de Vi­la­mou­ra, na zo­na das an­ti­gas ca­va­la­ri­ças, Up­town pre­ten­de cri­ar um no­vo des­ti­no que po­ten­cie o “es­pí­ri­to” de co­mu­ni­da­de e a vi­vên­cia de uma vi­la, no qual as des­lo­ca­ções pe­do­nais e a pro­xi­mi­da­de com a na­tu­re­za fa­zem par­te do dia-a-dia. A Es­co­la In­ter­na­ci­o­nal de Vi­la­mou­ra, o Cen­tro Eques­tre e o Par­que Am­bi­en­tal são al­guns dos equi­pa­men­tos ân­co­ra que já es­tão em ope­ra­ção jun­to ao em­pre­en­di­men­to.

Fo­ca­da na sua vo­ca­ção de mas­ter de­ve­lo­per, a Vi­la­mou­ra World in­ves­tiu for­te na in­fra­es­tru­tu­ra­ção do Up­town e es­tá ago­ra a tra­ba­lhar ati­va­men­te na con­so­li­da­ção das com­po­nen­tes de ar­qui­te­tu­ra e ur­ba­nis­mo. O fran­cês Jac­ques Fer­ri­er foi o ar­qui­te­to es­co­lhi­do pa­ra le­var a ca­bo es­te tra­ba­lho, se­le­ci­o­na­do no âm­bi­to de um con­cur­so in­ter­na­ci­o­nal le­va­do a ca­bo no iní­cio des­te ano.

Cons­tru­ção ar­ran­ca em 2018

Lo­go que ob­ti­dos os de­vi­dos li­cen­ci­a­men­tos, o ob­je­ti­vo da Vi­la­mou- ra World é que as pri­mei­ras obras co­me­cem em 2018, ar­ran­can­do no ter­re­no nu­ma al­tu­ra em que a pro­cu­ra por imo­bi­liá­rio-tu­rís­ti­co em Por­tu­gal ca­mi­nha pa­ra no­vos má­xi­mos. “O Up­town re­pre­sen­ta uma opor­tu­ni­da­de úni­ca pa­ra os in­ves­ti­do­res que quei­ram apos­tar num dos ex­po­en­tes má­xi­mos do tu­ris­mo em Por­tu­gal”, diz a Vi­la­mou­ra World.

O Up­town se­rá de­sen­vol­vi­do lon­go de qua­tro fa­ses, ao lon­go das quais se­rão cri­a­das 190 uni­da­des re­si­den­ci­ais, um ho­tel, apar­ta­men­tos tu­rís­ti­cos e zo­nas co­mer­ci­ais. A com­po­nen­te re­si­den­ci­al do Up­town in­clui­rá apar­ta­men­tos e tow­nhou­ses de ti­po­lo­gi­as T1 a T4.

A abor­da­gem ar­qui­te­tó­ni­ca mo­der­nis­ta e a sua in­te­gra­ção na en­vol­ven­te na­tu­ral vem ma­xi­mi­zar a pri­va­ci­da­de dos re­si­den­tes, pri­vi­le­gi­an­do ao mes­mo tem­po a frui­ção das con­di­ções na­tu­rais de ex­ce­ção do Al­gar­ve.

Es­pa­ços pú­bli­cos co­muns, am­plos e ao ar li­vre se­rão ou­tra mais-va­lia do Up­town, que con­ta­rá com uma pra­ça cen­tral que fun­ci­o­na­rá co­mo o cen­tro da «Vil­la», e em tor­no da qual se de­sen­vol­ve­rá to­da a com­po­nen­te co­mer­ci­al e cul­tu­ral. O ob­je­ti­vo é cri­ar uma ân­co­ra de atra­ção que fun­ci­o­ne ao lon­go de to­do o ano. E o pon­ta­pé de saí­da já foi da­do com a aber­tu­ra em 2016 do em­ble­má­ti­co res­tau­ran­te “Praia na Vil­la”, do co­nhe­ci­do em­pre­sá­rio Oli­vi­er, e já em 2017 com o “Jar­dim na Vil­la”.

O Uptwon es­tá tam­bém li­ga­do ao Par­que Am­bi­en­tal de Vi­la­mou­ra, uma área de 200 hec­ta­res que reú­ne to­das as con­di­ções pa­ra a edu­ca­ção am­bi­en­tal e pa­ra a vi­vên­cia em fa­mí­li­as, ao mes­mo tem­po que que as­se­gu­ra a li­ga­ção dos dois ei­xos ne­vrál­gi­cos da «no­va» Vi­la­mou­ra: o Up­town e a zo­na da Marina.

Con­fi­an­te no su­ces­so des­te no­vo em­pre­en­di­men­to, a ad­mi­nis­tra­ção da Vi­la­mou­ra World con­clui: “O Up­town pre­co­ni­za a vi­são de fu­tu­ro que te­mos pa­ra Vi­la­mou­ra. E, mais que uma co­mu­ni­da­de ou uma no­va cen­tra­li­da­de, ofe­re­ce uma no­va for­ma de vi­ver o Al­gar­ve”. A in­dús­tria do tu­ris­mo es­tá a atra­ves­sar uma di­nâ­mi­ca po­si­ti­va, mas os ope­ra­do­res al­te­ram que se tra­ta de “um ne­gó­cio cí­cli­co”, sen­do que “a evo­lu­ção da pro­cu­ra e dos pre­ços tem sem­pre uma com­po­nen­te mui­to im­pre­vi­sí­vel”. Nes­se sen­ti­do, é ne­ces­sá­rio “cri­ar con­di­ções pa­ra man­ter e es­ti­mu­lar a atra­ti­vi­da­de” do país. Num de­ba­te pro­mo­vi­do pe­la Vi­da Imo­bi­liá­ria e Cush­man & Wa­ke­fi­eld, que con­tou com um con­jun­to de players do se­tor, Jor­ge Re­be­lo de Almeida, do gru­po Vi­la Ga­lé, re­for­çou que é ne­ces­sá­rio “di­ver­si­fi­car as van­ta­gens” do des­ti­no.

Tam­bém Jo­sé Ro­quet­te, do Pes­ta­na Ho­tel Group, afir­mou que “es­te bom mo­men­to não vai du­rar pa­ra sem­pre”. Na sua opi­nião, “es­ta­mos so­bre­tu­do a apa­nhar os ven­tos fa­vo­rá­veis da Pri­ma­ve­ra Ára­be e, ob­vi­a­men­te, es­tes po­dem pa­rar”. As­sim, “o gran­de de­sa­fio é qua­li­fi­car pa­ra fi­de­li­zar”, no sen­ti­do de “su­bir pre­ços”. Car­los Le­al, da UIP, re­for­çou que “a gran­de mais-va­lia de Por­tu­gal é a se­gu­ran­ça”.

Por seu tur­no, Di­o­go Gas­par Fer­rei­ra, da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Re­sorts, re­fe­riu que “os in­ves­ti­do­res

Ho­te­la­ria em al­ta

No ca­so da ho­te­la­ria, o mer­ca­do bra­si­lei­ro “te­ve um cres­ci­men­to de 50 a 55% no mer­ca­do na­ci­o­nal”, sen­do que “EUA e Po­ló­nia fo­ram os que mais cres­ce­ram per­cen­tu­al­men­te quer em nú­me­ro de dor­mi­das quer em nú­me­ro de hós­pe­des”. Pa­ra Cris­ti­na Si­za Vi­ei­ra, da AHP, “2017 se­rá no­va­men­te o me­lhor ano de sem­pre”.

Es­ta pro­cu­ra “con­sis­ten­te per­mi­te a su­bi­da dos pre­ços”. “Te­mos, con­tu­do, uma es­ta­da mé­dia mais cur­ta do que a da mé­dia eu­ro­peia”, con­si­de­ra. No en­tan­to, e no ca­so da ca­pi­tal, “não se con­se­guem fa­zer quar­tos de ho­tel por me­nos de 200 mil eu­ros” da­dos os pre­ços dos imó­veis, dis­se Edu­ar­do Abreu, da Ne­o­tu­ris.

Mas, “pa­ra que os cen­tros his­tó­ri­cos con­ti­nu­em a ser atra­ti­vos, não po­de­mos de­sen­vol­ver só tu­ris­mo”, con­clui Re­be­lo de Almeida.” É pre­ci­so con­ti­nu­ar a tra­zer pes­so­as pa­ra os cen­tros”, pois “sem is­so um cen­tro his­tó­ri­co não te­rá gra­ça “. Ou se­ja, “é pre­ci­so cri­ar es­cri­tó­ri­os, co­mér­cio e, mui­to im­por­tan­te, ha­bi­ta­ção”.

Ri­car­do Gonçalves, do gru­po Ho­ti, con­si­de­ra que “a vo­ca­ção tu­rís­ti­ca do país tem de ser ca­pi­ta­li­za­da” e “te­mos de es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra as al­te­ra­ções do mer­ca­do”, acre­di­tan­do que “no pró­xi­mo ano, Lis­boa não vai cres­cer, pois o ae­ro­por­to atin­giu o seu li­mi­te. A pro­cu­ra es­tá con­di­ci­o­na­da”.

DR

Up­town se­rá de­sen­vol­vi­do lon­go de qua­tro fa­ses

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.