Atlân­ti­co Vil­la­ge tem 78 no­vos lo­tes pa­ra cons­tru­ção de mo­ra­di­as

O pro­du­to pre­ten­de con­tri­buir pa­ra au­men­tar quer a po­pu­la­ção re­si­den­te quer a tu­rís­ti­ca na praia da Pe­dra do Ou­ro

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

O Mil­len­nium bcp já deu iní­cio à co­mer­ci­a­li­za­ção de um con­jun­to de 78 lo­tes pa­ra cons­tru­ção de mo­ra­di­as si­tu­a­dos na praia da Pe­dra do Ou­ro, na zo­na cos­tei­ra en­tre Al­co­ba­ça, Ma­ri­nha Gran­de e Na­za­ré. In­te­gra­dos na ur­ba­ni­za­ção Atlân­ti­co Vil­la­ge, os lo­tes que­rem atrair não só com­pra­do­res pa­ra 2ª ha­bi­ta­ção e fé­ri­as, co­mo tam­bém pa­ra 1ª ha­bi­ta­ção, além de in­ves­ti­do­res “nu­ma óti­ca de ex­plo­ra­ção em alo­ja­men­to lo­cal” ou de “com­pra e ven­da pa­ra re­ven­da”, ex­pli­ca Ra­mi­ro Go­mes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Ban­co. “É pre­ci­so ter­mos um cli­en­te mul­ti­fa­ce­ta­do”, que “ga­ran­ta um mix ha­bi­ta­ci­o­nal abran­gen­te de ha­bi­ta­ção per­ma­nen­te, de fé­ri­as e alo­ja­men­to tu­rís­ti­co”, ex­pli­ca Má­rio de Matos, ge­ren­te da me­di­a­do­ra IMA, en­car­re­gue da co­mer­ci­a­li­za­ção. Tal per­mi­te dar “uma vi­da di­nâ­mi­ca à praia da Pe­dra do Ou­ro du­ran­te to­do o ano”, diz o me­di­a­dor.

A pro­xi­mi­da­de ao mar e os pre­ços “mui­to atra­ti­vos” fa­ce a ou­tros des­ti­nos bal­ne­a­res, co­mo é o ca­so das prai­as da Na­za­ré, São Pe­dro de Mo­el e São Mar­ti­nho do Por­to, são ar­gu­men­tos des­tes lo­tes jun­to de com­pra­do­res pa­ra 2ª ha­bi­ta­ção ou in­ves­ti­men­to pa­ra uso tu­rís­ti­co. Além dis­so, “aqui en­con­tra­mos um pro­du­to que di­ver­si­fi­ca a ofer­ta en­tre o mo­vi­men­to mais agi­ta­do e po­pu­lar da Na­za­ré e um ca­riz mais ex­clu­si­vo de São Pe­dro de Mo­el”, ex­pli­ca Má­rio de Matos. E tam­bém, exem­plos de su­ces­so co­mo São Mar­ti­nho do Por­to e Na­za­ré co­me­çam a fi­car co­mo a pro­cu­ra aci­ma da ofer­ta”, acres­cen­ta Ra­mi­ro Go­mes.

O cli­en­te lo­cal, mo­ti­va­do pa­ra com­pra de ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te, é tam­bém um dos al­vos pa­ra a ven­da des­tes lo­tes. “É um pro­du­to mui­to pró­xi­mo de Lei­ria, Ma­ri­nha Gran­de e Al­co­ba­ça, zo­nas de gran­de di­nâ­mi­ca in­dus­tri­al e eco­nó­mi­ca e on­de não exis­te pra­ti­ca­men­te ofer­ta no­va, o que po­de ca­pi­ta­li­zar o uso de pri­mei­ra ha­bi­ta­ção”, diz Má­rio de Matos. O pro­du­to é “ex­ce­len­te”, com “o ali­ci­an­te de mo­rar per­ma­nen­te­men­te à bei­ra-mar” e ro­de­a­do de mata de Pi­nhei­ro Bra­vo, o que ga­ran­te “uma qua­li­da­de de vi­da ím­par”, diz Ra­mi­ro Go­mes. Is­to é es­pe­ci­al­men­te in­te­res­san­te pa­ra os Mil­len­ni­als, que já não que­rem mo­rar em ci­ma das ci­da­des, que tra­ba­lham mui­to a par­tir de ca­sa e, num con­tex­to, em que a mo­bi­li­da­de es­tá vez mais efi­ci­en­te, se in­te­res­sam ca­da vez mais por es­te ti­po de pro­du­to”, diz Má­rio de Matos.

A es­tra­té­gia de di­ver­si­fi­ca­ção no­ta-se tam­bém nas na­ci­o­na­li­da­des que se pre­ten­dem atin­gir, in­cluin­do por­tu­gue­ses, es­pa­nhóis, fran­ce­ses e in­gle­ses, além de com­pra­do­res da Suí­ça e do Be­ne­lux. O pla­no de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção es­tá, por is­so, já em mar­cha, com a par­ti­ci­pa­ção da IMA em di­ver­sas fei­ras no es­tran­gei­ro, in­cluin­do um ro­adshow que pas­sa por 4 ci­da­des fran­ce­sas já a par­tir de dia 18, nu­ma or­ga­ni­za­ção da Câ­ma­ra de Co­mér­cio e In­dús­tria Franco-Por­tu­gue­sa. Jun­to des­te pú­bli­co in­ter­na­ci­o­nal, a es­tra­té­gia não pre­ten­de ape­nas cap­tar o cli­en­te fi­nal. Além de se pre­ten­der agi­li­zar par­cei­ras com ou­tros me­di­a­do­res lo­cais, es­ta pre­sen­ça em even­tos in­ter­na­ci­o­nais pas­sa tam­bém pe­la ten­ta­ti­va de ob­ter pro­mo­to­res in­te­res­sa­dos em ad­qui­rir lo­tes pa­ra de­sen­vol­vi­men­to. “Os pro­mo­to­res es­tran­gei­ros, e num pri­mei­ro tem­po os fran­ce­ses, são os que mai­or po­ten­ci­al têm nes­te âm­bi­to”, diz Ra­mi­ro Go­mes, ex­pli­can­do que “a ven­da por gros­so” de lo­tes tam­bém é uma via de co­mer­ci­a­li­za­ção con­si­de­ra­da. Pa­ra Má­rio de Matos, es­ta é tam­bém uma for­ma de apoi­ar a de­se­ja­da di­ver­si­fi­ca­ção do cli­en­te fi­nal”. A es­tra­té­gia de ven­da por gros­so es­tá igual­men­te di­re­ci­o­na­da pa­ra os “pe­que­nos e mé­di­os pro­mo­to­res imo­bi­liá­ri­os da zo­na aqui se­de­a­dos”, que po­dem co­me­çar a in­te­res­sar-se pe­lo lo­te­a­men­to em ven­da e ad­qui­rir lo­tes pa­ra a cons­tru­ção de mo­ra­di­as e a sua ven­da”, co­men­ta Ra­mi­ro Go­mes.

Os lo­tes atu­al­men­te em ven­da têm áre­as que va­ri­am en­tre os 313 e os 3.907 m2 a va­lo­res de en­tre os €52.500 e os €320.000, es­pe­ran­do­se que a co­mer­ci­a­li­za­ção es­te­ja to­tal­men­te con­cluí­da no de­cur­so do pró­xi­mo ano.

DR

Os lo­tes si­tu­am-se na praia da Pe­dra do Ou­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.