OE2018 tem de ga­ran­tir cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro

Publico - Imobiliario - - Opinião - Reis Cam­pos

Opro­ces­so au­tár­qui­co te­ve o mé­ri­to de, uma vez mais, re­fle­tir o con­sen­so que exis­te em tor­no da po­lí­ti­ca da ha­bi­ta­ção em Portugal. Re­a­fir­mo que es­te não é um pro­ble­ma que apenas pode vir para a dis­cus­são pú­bli­ca quan­do se fa­la de elei­ções. É uma ques­tão trans­ver­sal e in­tem­po­ral, que exi­ge uma res­pos­ta su­fi­ci­en­te­men­te am­pla, as­su­min­do a im­por­tân­cia que lhe é de­vi­da, en­quan­to te­ma cen­tral do de­ba­te social e po­lí­ti­co.

Quan­do es­ta­mos a menos de quin­ze di­as do ter­mo do prazo para a apre­sen­ta­ção da Pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to do Es­ta­do para o ano de 2018, é le­gí­ti­mo es­pe­rar que, ten­do pre­sen­te a dis­cus­são a que em todas as autarquias as­sis­ti­mos, a po­lí­ti­ca das ci­da­des se­ja ob­je­to de uma par­ti­cu­lar aten­ção. Es­te é um as­pe­to cru­ci­al. Temos de ter um or­ça­men­to que as­su­ma fi­nal­men­te um com­pro­mis­so com o fu­tu­ro, que en­ca­re o i nves­ti­men­to pú­bli­co co­mo i ns­tru­men­to ca­ta­li­sa­dor da confiança dos par­ti­cu­la­res e de atra­ção do in­ves­ti­men­to pri­va­do, na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro. Sa­be­mos que os or­ça­men­tos têm si­do ela­bo­ra­dos a pen­sar num ho­ri­zon­te de um ano e, aci­ma de tu­do, ori­en­ta­dos para a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas ime­di­a­tos, se­jam de or­dem fi­nan­cei­ra ou po­lí­ti­ca. Es­te or­ça­men­to tem de mar­car a di­fe­ren­ça.

Não es­tão em cau­sa, apenas, pro­ble­mas co­mo a ha­bi­ta­ção social e a de­fi­ni­ção de es­tra­té­gi­as de com­ba­te à po­bre­za e ex­clu­são social. Tam­bém há que ter pre­sen­te a ne­ces­si­da­de de ver no imo­bi­liá­rio a opor­tu­ni­da­de que o mes­mo re­pre­sen­ta para o turismo, para o comércio, para a in­dús­tria e lo­gís­ti­ca, entre muitas ou­tras ati­vi­da­des. Os programas de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, co­mo os Vis­tos Gold – cu­jo im­pas­se é in­com­pre­en­sí­vel –, e o Regime de Tri­bu­ta­ção de Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais – cu­jas re­gras não de­ve­rão ser con­di­ci­o­na­das por outros paí­ses –, re­pre­sen­tam um im­por­tan­te contributo para a cri­a­ção de em­pre­go. Tam­bém o alo­ja­men­to local é res­pon­sá­vel pela in­ver­são da de­gra­da­ção de zonas mui­to im­por­tan­tes das nos­sas ci­da­des e o turismo re­si­den­ci­al com­ba­te fa­to­res co­mo a sa­zo­na­li­da­de, ge­ran­do mais e me­lho­res em­pre­gos.

É es­ta re­a­li­da­de que que­re­mos ver re­fle­ti­da na pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to do Es­ta­do. Há que dei­xar de ver no imo­bi­liá­rio uma ines­go­tá­vel fon­te de re­cei­tas. É ne­ces­sá­rio pro­mo­ver um qua­dro de com­pe­ti­ti­vi­da­de, segurança e de confiança para os in­ves­ti­do­res. Há que re­por a equi­da­de e a justiça fis­cal. Para as empresas que se de­di­cam à cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção para ven­da, é in­con­ce­bí­vel a pe­na­li­za­ção a que es­tão su­jei­tas em se­de de IMI, si­tu­a­ção ago­ra agra­va­da pe­lo “no­vo” AIMI. A Lei do Or­ça­men­to do Es­ta­do para 2018 tem de cor­ri­gir es­tes de­se­qui­lí­bri­os que, ao lon­go dos anos, fo­ram ge­ra­dos no mer­ca­do imo­bi­liá­rio.

Mais in­ves­ti­men­to em re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, alar­ga­da à ge­ne­ra­li­da­de das ci­da­des e não apenas nos cen­tros his­tó­ri­cos de Lisboa e do Porto, a cri­a­ção de um ver­da­dei­ro mer­ca­do do ar­ren­da­men­to e a me­lho­ria do aces­so à ha­bi­ta­ção, de­sig­na­da­men­te por par­te da po­pu­la­ção mais jo­vem, são de­síg­ni­os na­ci­o­nais aos quais o OE’2018 não pode ser in­di­fe­ren­te.

Há que dei­xar de ver no imo­bi­liá­rio uma ines­go­tá­vel fon­te de re­cei­tas. É ne­ces­sá­rio pro­mo­ver um qua­dro de com­pe­ti­ti­vi­da­de, segurança e de confiança para os in­ves­ti­do­res. Há que re­por a equi­da­de e a justiça fis­cal

Presidente da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.