Novos mo­de­los de atra­ção de in­ves­ti­men­to em aná­li­se

Governo es­tu­da in­tro­du­ção dos Re­al Es­ta­te In­vest­ment Trusts (REITs), regime há mui­to de­fen­di­do pe­los ope­ra­do­res na­ci­o­nais

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Fer­nan­da Cer­quei­ra

A in­tro­du­ção de al­ter­na­ti­vas para a atra­ção de in­ves­ti­men­to ao se­tor imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal pode ter nos Re­al Es­ta­te In­vest­ment Trusts (REITs), regime há mui­to de­fen­di­do pe­los ope­ra­do­res na­ci­o­nais, uma so­lu­ção vi­a­bi­li­za­da pe­lo Governo.

A par do de­sen­vol­vi­men­to das LLP ( Li­mi­ted Li­a­bi­lity Part­nerships), me­ca­nis­mo fis­cal que vi­sa sim­pli­fi­car e fa­ci­li­tar as par­ce­ri­as cri­a­das para a re­cu­pe­ra­ção de imó­veis e que as­sen­ta na cri­a­ção de um veí­cu­lo so­ci­e­tá­rio em que a tri­bu­ta­ção é re­a­li­za­da na es­fe­ra dos sócios, na quo­ta-par­te cor­res­pon­den­te à sua par­ti­ci­pa­ção (de que de­mos con­ta na úl­ti­ma edi­ção), o Governo mantém o in­te­res­se na in­tro­du­ção de um regime de Re­al Es­ta­te In­vest­ment Trusts em Portugal, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ceu em Es­pa­nha com as SOCIMI (So­ci­e­da­des Anó­ni­mas Co­ti­za­das de In­ver­sión en el Mer­ca­do In­mo­bi­li­a­rio).

Es­te re­sul­tou num su­ces­so na cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to para o se- tor, pois só no MAB (Mer­ca­do Al­ter­na­ti­vo Bur­sa­til) – o mer­ca­do bol­sis­ta espanhol de pe­que­nas e mé­di­as empresas que pro­cu­ram, atra­vés do mer­ca­do de va­lo­res, ex­pan­dir o seu ne­gó­cio – fo­ram já cri­a­das cer­ca de 40 SOCIMI, con­tan­do já com uma ca­pi­ta­li­za­ção bol­sis­ta de mais de 15 mil mi­lhões de eu­ros.

No de­cur­so do Portugal Re­al Es­ta­te Sum­mit, que te­ve lu­gar no Estoril, Da­vid Brush, Chi­ef In­vest­ment Of­fi­cer da Mer­lin Pro­per­ti­es, atu­al­men­te a mai­or SOCIMI, “uma das gran­des van­ta­gens de um regime de REITs, e em que o mo­de­lo das SOCIMI foi ex­tre­ma­men­te bem­su­ce­di­do, é a cap­ta­ção de gran­des vo­lu­mes de ca­pi­tal es­tran­gei­ro que, de ou­tra for­ma, não se­ri­am alo­ca­dos àque­le mer­ca­do”.

No ca­so do va­lor de mer­ca­do das SOCIMI es­pa­nho­las, “a gran­de mai­o­ria, cer­ca de 10 mil mi­lhões de eu­ros, cor­res­pon­de a ca­pi­tal in­ter­na­ci­o­nal”. Es­te es­pe­ci­a­lis­ta es­cla­re­ceu ain­da que “os REITs não pre­ten­dem subs­ti­tuir o mer­ca­do pri­va­do, ou eli­mi­nar outros veí­cu­los exis­ten­tes co­mo os fun­dos imo­bi­liá­ri­os. O ob­je­ti­vo é de abrir o mer­ca­do a ou­tras fon­tes de ca­pi­tal”.

Da­vid Brush lem­bra que “já há mui­tos mo­de­los de REIT’s”, pe­lo que acon­se­lha a se­guir aque­les que fun­ci­o­nam melhor”. Fun­da­men­tal é que o le­gis­la­dor não in­cor­ra no er­ro de “di­tar de for­ma rí­gi­da aqui­lo on­de os REITs po­dem in­ves­tir, im­pon­do va­lo­res mí­ni­mos e má­xi­mos, res­trin­gin­do clas­ses de ati­vos” pois, se as­sim for, o efei­to se­rá con­trá­rio ao pre­ten­di­do. “Não temos pro­ble­mas com as re­gu­la­men­ta­ções, mas res­tri­ções de ti­po de ati­vo ou de mon­tan­tes de in­ves­ti­men­to po­dem ser um pro­ble­ma para os in­ves­ti­do­res”, garante.

Mais trans­pa­rên­cia

“Ou­tra ca­ra­te­rís­ti­ca mui­to im­por­tan­te deste regime é a exis­tên­cia de es­tru­tu­ras de go­ver­nan­ça fun­ci­o­nais e de um sis­te­ma de re­port mui­to trans­pa­ren­te, fa­ci­li­tan­do quer ao mer­ca­do quer a to­dos os sta­kehol­ders per­ce­ber aqui­lo que es­tá a acon­te­cer”, dis­se ain­da Da­vid Brush.

Al­go que, uma vez mais, seria van­ta­jo­so para Portugal, on­de a ine­xis­tên­cia de um regime equi­pa­ra­do tem tor­na­do os pro­ces­sos de in­ves­ti­men­to mais mo­ro­sos que o de­se­ja­do, re­fe­re o res­pon­sá­vel da Mer­lin, que con­ta já com cer­ca de 250 mi­lhões de eu­ros em car­tei­ra no mer­ca­do por­tu­guês.

Re­cor­de-se que o ob­je­ti­vo ini­ci­al da Mer­lin era que Portugal re­pre­sen­tas­se 20% da sua car­tei­ra o que, a va­lo­res de mer­ca­do de hoje, ele­va­ria o seu in­ves­ti­men­to no nos­so país para 2000 mi­lhões de eu­ros.

Mais re­cen­te­men­te, es­ta SOCIMI espanhola fe­chou com o No­vo Ban­co a com­pra de um edi­fí­cio de es­cri­tó­ri­os no Marquês de Pombal por 60,3 mi­lhões de eu­ros. O imó­vel con­ta com 9425 m2 de es­cri­tó­ri­os e 3025 m2 de re­ta­lho. A Mer­lin já de­tém 601147 m2 de es­cri­tó­ri­os na ca­pi­tal.

DR

REITs di­na­mi­zam cap­ta­ção de gran­des vo­lu­mes de ca­pi­tal es­tran­gei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.